Formação

Escolher o Cristo ou o anticristo?

O anticristo pode ser muito bem uma mentalidade filosófica ou a internet ou um vídeo ou uma conversa que nos afasta de Deus.

Serviremos ao Senhor… Ele é o nosso Deus: Josué desempenha uma missão fundamental na construção do povo de Israel, é o braço direito de Moisés. Ele recebe a herança de Moisés para conduzir o povo à terra prometida. Josué fala para o povo recordando o caminho
já percorrido e as decisões que ele deve tomar. Não força, não obriga, mas leva-os a decidirem-se, custe o que custar. Por isso diz: “Se vos parece mal servir ao Senhor, escolhei a quem quereis servir, a Deus ou aos deuses. ” O povo se encontrava circundado pelos deuses e sentia toda a dificuldade de abandonar uma religião fácil para assumir a verdadeira religião e voltar ao Deus vivo e verdadeiro. Mas Josué também anuncia que ele fez a sua escolha com toda a sua família: “Quanto a mim e a minha família, serviremos o Senhor! Esta escolha coloca o povo em conflito consigo mesmo, mas resolve. O povo, diante da coragem de Josué decide também se colocar ao lado de Deus. O que muitas vezes falta hoje é a coragem dos “profetas de Deus”, dos sacerdotes de Deus, dos evangelizadores, dos que são colocados à frente para guiar o povo. É reconhecer tudo o que Deus tem feito por nós e assumir que o Senhor é o Senhor! ”

Provai e vede

O salmista, tendo experimentado na sua vida a bondade de Deus, não pode conter a sua alegria e proclama tudo isto aos seus amigos e conhecidos: Deus é maravilhoso, Ele é bom. Mas por que Deus é bom? Porque Ele libertou-os de todos os males, perigos, de enfermidades, dificuldades da vida. Mesmo que muitos males se abatam sobre os justos, Deus sempre vem em socorro dos pobres e dos humildes. Deus é conforto, ajuda a todos os que sofrem.

No amor não há meias-medidas

Cristo escolhe a Igreja como esposa: Paulo sabe que os seus destinatários, os efésios, têm certa dificuldade de compreender as coisas de Deus. Como ajudá-los a compreender o amor infinito de Cristo para sua Igreja? O apóstolo recorre ao matrimônio através de uma pequena tradição de moral matrimonial, que continua a ser válida até hoje e o será sempre, porque apresenta o amor como entrega total
de um ao outro sem nenhuma diferença. O homem é chamado a se doar totalmente a sua esposa e a esposa a se dar sem reserva ao seu marido. Paulo afirma que o marido é cabeça da mulher no sentido não de poder ou de opressão, mas sim pelos cuidados amorosos.

Cristo, cabeça da Igreja, deve tratar a Igreja seu corpo, com amor e dedicação. A Igreja retribui ao amor que recebe de Cristo com profunda gratidão. Assim como: duas pequenas palavras que têm um grande sentido porque nos projetam no amor infinito que interage entre a Igreja e Cristo e entre o nosso amor e o amor de Jesus. “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei! ” Se a mulher deve ser humilde, acolher a vontade do marido, o marido por sua vez não é chamado a ser ditador ou arrogante, mas deve amar a sua esposa com infinita ternura, semelhante ao amor de Cristo pela sua Igreja. O amor que Paulo apresenta no relacionamento marido e mulher é como o amor de Cristo pela Igreja: “ama, trata, cuida dela”. Nada de mais belo, grande é o mistério do amor, mas deve ser vivido com toda radicalidade se queremos estar com Cristo. No amor não há meias-medidas, ou é amor ou é a farsa de amor.

Onde buscaremos o amor?

O evangelista João continua a sua caminhada através do relato do sexto capítulo do seu Evangelho, que nos fala da beleza da Eucaristia e da dificuldade que temos em aceitar o corpo e o sangue de Cristo como caminho para sermos cristifcados. Jesus exige a fé, a entrega, a adesão plena à sua Palavra. Não importa que o discurso seja duro ou incompreensível, o que devemos fazer é decidir-nos: com Cristo ou com o anticristo. Mas quem é o anticristo? O anticristo é um conjunto de ideias, mentalidades, pessoas e pensamentos que caminham na contramão do Evangelho, que são contra a verdade e a vida. O anticristo pode ser muito bem uma mentalidade filosófica ou a internet ou um vídeo ou uma conversa que nos afasta de Deus. Cabe a nós saber distinguir o que nos une a Cristo e o que nos afasta dele. Jesus nos coloca uma pergunta, a qual não podemos deixar sem resposta: as minhas palavras vos escandalizam? Diante do anúncio de Jesus, muitos voltam atrás, preferem uma religião “que não incomoda, mas que se acomoda” aos nossos caprichos e desejos. O grande risco é diluir a fé para agradar e justificar os erros dos outros. Diante da dureza e verdade das palavras de Jesus não nos resta senão o desabafo de Simão Pedro: “Senhor, a quem iremos? Tu tens palavras de vida eterna. ”


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *