Sem Categoria

Espírito Santo: Vento impetuoso ou ar-condicionado?

comshalom

Entenda o simbolismo do Espírito Santo como vento impetuoso ou ar-condicionado

É comum a figura do vento para referir-se ao Espírito Santo. No entanto, para alguns, esse vento pode ser um furacão, como o dia de Pentecostes, que encheu até os lugares mais escuros da vida dos apóstolos e os converteu em testemunhas com o poder de Cristo ressuscitado. Outros, com excessivo tato político, ao que chamam prudência, reduzem o Espírito a um simples ar-condicionado, que podemos graduar de acordo à subjetividade ou à conveniência.

Tenho aqui a diferença. O vento impetuoso, como a Paulo, atira-nos do cavalo de nossas seguranças humanas para perguntar: “Que queres, Senhor, que eu faça?”. O ar-condicionado faz o que queremos, somos nós quem O graduamos para nossa conveniência e comodidade. Por isso, em vez de perguntar ao Senhor qual é o seu inescrutável plano, afirmamos: “Senhor, faz isso, ajuda-me aqui, veja isso etc”.

Vento impetuoso ou ar-condicionado?

O vento impetuoso não tem afinidade com a lógica estática. Apresenta sempre surpresas. É movimento que não se detém ante nenhuma dificuldade. O ar-condicionado está graduado a uma temperatura constante, não há mudanças, tudo está pré-fabricado, programado e em seu lugar. O ar-condicionado impõe uma temperatura constante ao ser humano. O furacão é fogo preso nos ossos, que não se pode extinguir, como aconteceu com Jeremias.

O vento impetuoso nos possui e nos cativa, como ao profeta Amós, que não pode deixar de evangelizar, porque escutou o rugido da voz de leão da Palavra de Deus. O ar-condicionado, nós o possuímos. Ele nos pertence e até o queremos comprar, como Simão, o mago, com dinheiro que garante título de propriedade.

O vento impetuoso é fogo de vulcão. O ar-acondicionado é uma caixa de fósforos. O vento impetuoso corre sem saber de onde vem nem para onde vai. O ar-condicionado está regido por um manual de operação com leis, condições, medos e dúvidas.

O vento impetuoso nos libera do individualismo, para formar o único Corpo de Cristo. O ar-condicionado nos faz egoístas, isolados e independentes.

O vento impetuoso nos abre para todos os carismas, não apenas aos que nos agradam ou estamos acostumados. O ar-condicionado nos faz classificar alguns carismas como assuntos do passado, próprios de alguns santos, ou simplesmente se excluem, porque incomodam ou comprometem.

O vento impetuoso torna Cristo ressuscitado presente na comunidade, na Eucaristia, no pobre, na Escritura. O ar-condicionado vê Cristo de longe, como um assunto do passado, que nada tem a ver com nosso presente.

O vento impetuoso converte a Escritura em poderosa Palavra de Deus, que é viva e eficaz. O ar-condicionado a converte num livro de estudo frio e intelectual com bases racionalistas.

O vento impetuoso é incontrolável. Algumas vezes, podemos medir sua força, mas nunca a extinguir. O ar-condicionado se acomoda à conveniência de nosso termostato.

O vento impetuoso é vento puro, sempre novo, que não sabe dar voltas sobre si, mesmo porque não é redemoinho, senão furacão. É fonte de Água Viva, que salta até a vida eterna. O ar-condicionado é como uma fonte que bombeia a mesma água muitas vezes. O furacão nos move, sacode-nos. O ar-condicionado nos torna acomodados.

O vento impetuoso é fonte de liberdade, é livre e nos faz livres. O ar-condicionado é uma pomba engaiolada, sem liberdade para voar pelo espaço infinito.

O vento impetuoso é uma provocação que nos desafia a entregar nossa vida incondicionalmente. O ar-condicionado é um remanso de comodidade, que procura como servir-se da vida de outros e até de Deus.

O vento impetuoso é imprevisível, sempre cheio de surpresas, sempre criativo e novo. O ar-condicionado nos abriga, a fim de que ninguém olhe através da janela. É a comodidade que nos põe em estado de letargia e nos impede de pensar.

O vento impetuoso nos converte em testemunhas, que não sabem o que vão dizer perante os tribunais, mas estão seguras da vitória do bem e da justiça. O ar-condicionado nos faz analistas e calculistas das coisas de Deus e até do próprio Deus. Chegamos a definir que o que nós pensamos é a vontade de Deus para nós e para os demais.

O vento impetuoso nos faz ousados na fé, para conduzir o paralítico pelo teto da casa. O ar-condicionado coloca sinais para todos os caminhos. O medo se disfarça de prudência e a conveniência de tato político. Tudo está previsto, perde-se o mais humano: a espontaneidade.

O vento impetuoso é imprevisto, como o ladrão que chega sem convite. O ar-condicionado está condicionado a certas horas do dia ou a cada dia da semana.

Pentecostes foi um vento impetuoso, que não podemos transformar em ar-condicionado.

José Prado Flores

Fonte: Canção Nova


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *