Formação

Esta é a casa de Deus!

comshalom

João 2, 13-22

Este ano, no lugar do XXXII domingo do Tempo Comum, celebra-se a festada dedicação da igreja-mãe de Roma, a Basílica de São João de Latrão,dedicada em um primeiro momento ao Salvador e depois a São JoãoBatista. Que representa para a liturgia e para a espiritualidade cristãa dedicação de uma igreja e a própria existência da igreja, entendidacomo lugar de culto? Temos que começar com as palavras do Evangelho:«Mas chega a hora (já estamos nela) em que os verdadeiros adoradoresadorarão o Pai em espírito e em verdade, porque assim quer o Pai quesejam os que o adoram».

Jesus ensina que o templo de Deus é, em primeiro lugar, o coração dohomem que acolheu sua palavra. Falando de si e do Pai, diz: «viremos aele, e faremos morada nele» (João 14, 23). E Paulo escreve aoscristãos: «Não sabeis que sois santuário de Deus?» (1 Coríntios 3, 16).Portanto, o crente é templo novo de Deus. Mas o lugar da presença deDeus e de Cristo também se encontra «onde estão dois ou três reunidosem meu nome» (Mateus 18, 20). O Concílio Vaticano II chama a família de«igreja doméstica» (Lumen Gentium, 11), ou seja, um pequeno templo deDeus, precisamente porque, graças ao sacramento do matrimônio, é, porexcelência, o lugar no qual «dois ou três» estão reunidos em seu nome.
Por que, então, os cristãos dão tanta importância à igreja, se cada umde nós pode adorar o Pai em espírito e verdade em seu próprio coraçãoou em sua própria casa? Por que é obrigatório ir à igreja todos osdomingos? A resposta é que Jesus não nos salva separadamente; veio paraformar um povo, uma comunidade de pessoas, em comunhão com Ele e entresi.

O que é a casa para uma família, é a igreja para a família de Deus. Nãohá família sem uma casa. Um dos filmes do neo-realismo italiano queainda recordo é «O teto» («Il tetto»), escrito por Cesare Zavattini edirigido por Vittorio De Sica. Dois jovens, pobres e enamorados, secasam, mas não têm uma casa. Nos arredores de Roma, após a 2ª GuerraMundial, inventam um sistema para construir uma, lutando contra o tempoe a lei (se a construção não chega até o teto, à noite será demolida).Quando no final terminam o teto, estão certos de que têm uma casa e umaintimidade própria e se abraçam felizes; são uma família.

Vi esta história se repetir em muitos bairros de cidade, em povoados ealdeias, que não tinham uma igreja própria e tiveram de construir-seuma por sua conta. A solidariedade, o entusiasmo, a alegria detrabalhar juntos com o sacerdote para dar à comunidade um lugar deculto e de encontro são histórias que valeriam a pena levar às telascomo no filme de De Sica…
Agora, temos que evocar também um fenômeno doloroso: o abandono emmassa da participação na igreja e, portanto, na missa dominical. Asestatísticas sobre a prática religiosa são para fazer chorar. Isto nãoquer dizer que quem não vai à igreja necessariamente perdeu a fé; não,o que acontece é que se substitui a religião instituída por Cristo pelachamada religião «a la carte». Nos Estados Unidos dizem «pick andchoose», pegue e escolha. Como no supermercado. Deixando a metáfora delado, cada um forma sua própria idéia de Deus, da oração e ficatranqüilo.

Esquece-se, deste modo, que Deus se revelou em Cristo, que Cristopregou um Evangelho, que fundou uma ekklesia, ou seja, uma assembléiade chamados, que instituiu os sacramentos, como sinais e transmissoresde sua presença e de sua salvação. Ignorar tudo isto para criar aprópria imagem de Deus expõe ao subjetivismo mais radical. Neste caso,se verifica o que dizia o filósofo Feuerbach: Deus é reduzido àprojeção das próprias necessidades e desejos. Já não é Deus quem cria ohomem à sua imagem, mas o homem cria um deus à sua imagem. Mas é umDeus que não salva!
Certamente, uma realidade conformada só por práticas exteriores nãoserve de nada; Jesus se opõe a ela em todo o Evangelho. Mas não háoposição entre a religião dos sinais e dos sacramentos e a íntima,pessoal; entre o rito e o espírito. Os grandes gênios religiosos(pensemos em Agostinho, Pascal, Kierkegaard, Manzoni) eram homens deuma interioridade profunda e sumamente pessoal e, ao mesmo tempo,estavam integrados em uma comunidade, iam à sua igreja, eram«praticantes».
Nas Confissões (VIII, 2), Santo Agostinho narra como acontece aconversão do grande orador e filósofo romano Victorino. Ao converter-seà verdade do cristianismo, dizia ao sacerdote Simpliciano: «Agora soucristão».

Simpliciano lhe respondia: «Não creio até ver-te na igreja de Cristo».O outro lhe perguntou: «Então, são as paredes que nos tornamcristãos?». E o tema ficou no ar. Mas um dia Victorino leu no Evangelhoa palavra de Cristo: «quem se envergonha de mim e de minhas palavras,desse se envergonhará o Filho do homem». Compreendeu que o respeitohumano, o medo do que pudessem dizer seus colegas, o impedia de ir àigreja. Foi visitar Simpliciano e lhe disse: «Vamos à igreja, querotornar-me cristão». Creio que esta história tem algo a dizer hoje amais de uma pessoa de cultura.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *