Formação

Estai alerta!

comshalom

Há um conjunto de exigências elementares, de justiça, liberdade, verdade, felicidade, que constitui o núcleo mais originário do homem e que emerge existencialmente como desejo. As tentativas para responder ao feixe de desejos, põem em movimento a inteligência humana para penetrar a realidade. Nessa perspectiva, o homem entra em estado de alerta, de vigília, para responder estas perguntas inevitáveis a respeito do porquê e do significado último das coisas. O cristão que pretende conhecer a realidade precisa conhecer a VERDADE. Somente à luz da Verdade pode desvelar suas reais necessidades e libertar-se daquelas que foram humanamente produzidas, e que falseiam a autêntica busca da felicidade. "Conhecereis a verdade e ela vos libertará".

O homem contemporâneo vive sem raízes; não existe bússola que o oriente, meta que precise ser alcançada; apenas a nostalgia da terra prometida. É o mundo secularizado: a morte de Deus anunciada e proclamada por Nietzsche; a ausência dos valores tradicionais; a desilusão a respeito da finalidade da vida humana. E não podendo mais conviver com o vazio que lhe sufoca a alma, nascem os ideais de felicidade, as idéias sobre o divino, a manipulação do espiritual para atender às suas exigências mais profundas e elementares de Deus. Passam a viver de idéias sobre isto ou aquilo, mas o ideal é inalcançável… Antecipam o fim do mundo, como se estivesse em suas mãos suspender os dias; brincam com o sagrado e o profano em filmes, literatura e pinturas, como se estivessem acima do bem e do mal; caem em suas próprias armadilhas e precisam suportar a depressão, o suicídio, as fobias… "(…) estes pensamentos que se podem bem qualificar como ‘seduções de satanás’. (…) Se a vigilância cristã visa dia a dia preparar o encontro com o Senhor que vem, exige também uma sábia atenção a quanto possa afastar-nos desta meta, em particular às seduções, que, mais insidiosas que as comuns tentações, são como fortes atrações que escondem o engano." (Cardeal Martini)

Viver na expectativa da vinda do Senhor, gera no coração do cristão a atitude da vigilância, e ajuda-o a perceber quais dos seus desejos são autênticos e quais são falsos (necessidades de consumo, ditadas pelo mercado). Em momentos decisivos de nossas vidas, quando precisamos reafirmar a nossa escolha, ou seja, por quem vale a pena consumir a chama da nossa existência, creio ser de grande importância recordarmo-nos do comerciante que vendeu todos os seus bens a fim de comprar a pérola de imenso valor. Imagino o quanto ele deve ter procurado, quantas outras pérolas de menor valor deve ter encontrado; talvez, tenha sido vítima de falsificadores; e, quem sabe, em alguns momentos tenha perdido a esperança… Mas, ainda que tenha perdido esta última, sabemos que permaneceu o amor, e este, com certeza, foi o que lhe fez encontrar sua pérola.

O estado de alerta, nos coloca diante daquilo que somos e diante do que amamos. As nossas escolhas, os nossos planos, os afetos, as pessoas, os hobbies, o que escrevemos, o que lemos e o que pensamos. Nossa! Tantas coisas que revelam a nossa pessoa, não devem passar por nós sem que conheçamos de onde vieram e para onde pretendem nos levar. Com discernimento e guiados pelo Espírito que perscruta os corações, precisamos verificar o que pode realmente satisfazer as nossas reais exigências, e falo aqui, daquelas de liberdade, justiça, verdade, felicidade, paz, etc.

Tive um professor filósofo que sempre nos lembrava um velho provérbio: "Diz com quem tu andas, e te direi quem és". E cá no meu coração eu acrescentava: "Diz-me o que procuram os teus olhos, e te direi o que deseja teu coração." É importante que mantenhamos os olhos abertos, voltados para Deus, e que consideremos com cuidado as ofertas de uma existência mais fácil, de uma estrada sem problemas, especialmente se nos for pedido em troca a nossa própria consciência. O caminho largo não é o caminho do nosso Senhor Jesus. E, como o Dele, o nosso caminho é o do Ressuscitado que passou pela cruz (cf. Mt 16, 24-25). Quanto mais o homem tem tentado negar este caminho, tanto mais tem procurado outras respostas para as inúmeras perguntas do seu coração acerca da felicidade, da liberdade e, sobretudo, da Paz. Volto a mencionar os filmes que estão atualmente em cartaz nos cinemas brasileiros(jan./fev.-2000). Pelo menos quatro deles têm como tema central o confronto entre Deus e Satanás e a tentativa de relativizar um e outro, como se pudesse existir o bem no que é mau e o mal no que é bom.

Precisamos estar conscientes de que a Paz que a consciência humana reclama não é uma resposta que o homem possa dar a si mesmo, mas uma experiência de abandono na Misericórdia Divina, pela fé cristã que é dom e graça do Espírito Santo. Se esta é a nossa VERDADE, não há mais o que temer. Se vigiamos, não seremos enganados; se oramos, o mundo também crerá que somente um é o Senhor! E se adormecermos, confiemos no Senhor que nos despertará, como a Pedro, Tiago e João: "Vigiai e orai!"(Mt 26, 41).

Trecho do livro Estou à Porta – Carlo Maria Martini

"Vigiar, significa antes de mais nada estar acordado, estar desperto, permanecer levantado. A imagem mais imediata é a de quem não se deixa surpreender pelo sono quando o perigo ameaça ou um fato extraordinário e emocionante está para acontecer"

Vigiar, significa olhar com amor para alguém, guardar com todo o cuidado qualquer coisa muito preciosa, tornar-se cofre de valores importantes que são delicados e frágeis. Vigiar implica todavia prestar atenção, tornar-se perspicaz, estar desperto para compreender o que acontece, arguto para intuir a direção dos acontecimentos, preparado para enfrentar a emergência. (…) vela a esposa que espera o marido, a mãe que espera o filho ausente, a sentinela que perscruta o coração da noite; vela a enfermeira junto ao doente, o monge durante a oração noturna; velam os homens e as mulheres que estão prontos a recolher os sinais de ajuda dos seus amigos em perigo, dos seus irmãos na dor, do seu próximo em dificuldade; vela a comunidade dos crentes que é rápida na reação à tibieza e cansaço que a afastam do amor inicial." ("Estou à porta"- Carlo Maria Martini)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *