Parresia

Família e Sociedade: desafios e possibilidades

O sacramento do matrimônio não é uma convenção social, um rito vazio ou o mero sinal externo dum compromisso. O sacramento é um dom para a santificação e a salvação dos esposos.

Uma marca característica da sociedade contemporânea é o processo de desconstrução cultural, especialmente no que tange às instituições que antes serviam de referência e segurança para o indivíduo e para a sociedade. Hoje, portanto, tudo aquilo que representa tradição é visto com desconfiança, como ameaça à liberdade e à individualidade do sujeito. Assim, vemos um distanciamento cada vez maior da forma de conceber o ser humano, daquela visão tradicional e cristã. Paradoxalmente, é exatamente nos escombros das diversas tradições que muitos contemporâneos buscam as pedras para construir os fundamentos dos seus novos ideais.

A voz da tradição

Essa rejeição aos sinais do passado também afeta a relação com os idosos, e isso fragiliza o futuro das próximas gerações. Na sociedade pós-moderna, preocupada com a eficiência e a realização de si, os idosos são, muitas vezes, desprezados e abandonados, como representantes incômodos do século do qual se pretende apagar a lembrança.

Mas como explicar que, mesmo assim, milhões de pessoas se sentem representadas por um ancião que, da sacada da janela de um prédio antigo, fala com voz cansada e firme: “Eu pertenço à geração que viveu a segunda guerra mundial e lhe sobreviveu.

Tenho o dever de dizer a todos os jovens, aos que são mais jovens do que eu, que não tiveram esta experiência: Nunca mais a guerra!”; se sentem igualmente confortadas por outro ancião que proclama: “Quem deixa entrar Cristo, nada perde, nada absolutamente nada daquilo que torna a vida livre, bela e grande. Não! Só nesta amizade se abrem de par em par as portas da vida” e continuam a se sentirem compreendidas e motivadas, por um ancião que declara: “O desenvolvimento econômico deve ter o rosto humano. Digamos não à uma economia sem rosto!”

Não seria este um sinal de que os valores humanos fundamentais, como a vida, a dignidade humana, a liberdade e a paz, valores muitas vezes negados e desprezados, continuam vivos no íntimo de cada homem e mulher, esperando uma pequena fagulha para reacender, de novo, a chama?

A ênfase na individualidade e na experiência pessoal, que são características da atual sociedade, tem suscitado, segundo alguns autores, “o retorno do sagrado”.

A modernidade tratou de expurgar Deus e a religião da condição humana. Feuerbach e os mestres da suspeita – Marx, Freud e Nietzsche – compuseram uma crítica tão feroz ao sistema religioso que despontava no horizonte moderno a certeza da inutilidade de Deus na vida do ser humano. Religião era então alienação, ilusão, dependência paterna, imaturidade.

Quanto mais cresce o materialismo e o individualismo contemporâneo, cresce também a procura pelo bem-estar interior através de experiências místicas. Embora muitas vezes essa busca de Deus na cultura contemporânea apresente características individuais e de rejeição a vínculos institucionais religiosos, ela revela a inesgotável sede de Deus que habita no coração humano. A busca de Deus é também a busca pelo sentido, não apenas do sentido último, mas do sentido de cada fato e sobretudo do sentido do sofrimento.

Quer ser avisado sobre a abertura de novas turmas dos cursos sobre família? Faça seu cadastro. É rápido!

Remédios para as grandes feridas do tempo presente

Ao escrever para as famílias, João Paulo II enfatizou que é necessário sabedoria para discernir os sinais dos tempos e para enraizar na família e, por ela na sociedade, os verdadeiros valores, pois “mais do que os séculos passados, o nosso tempo precisa de uma tal sabedoria, para que se humanizem as novas descobertas dos homens. Está ameaçado, com efeito, o destino do mundo, se não surgirem homens cheios de sabedoria”, Gaudium Et Spes, 15.

A sabedoria para reconstruir a sociedade está, portanto, na reconstrução da família. E como isso é possível? O ponto de partida é a redescoberta da sua identidade. 

O sacramento do matrimônio não é uma convenção social, um rito vazio ou o mero sinal externo dum compromisso. O sacramento é um dom para a santificação e a salvação dos esposos, porque “a sua pertença recíproca é a representação real, através do sinal sacramental, da mesma relação de Cristo com a Igreja. Os esposos são, portanto, para a Igreja a lembrança permanente daquilo que aconteceu na cruz; são um para o outro, e para os filhos, testemunhas da salvação, da qual o sacramento os faz participar”(Amoris Laetitia, 15).

A redescoberta da própria identidade equivale a um caminho de retorno às próprias origens: ao amor, ao perdão, ao diálogo, à doação total de si em vista do bem do outro. Tudo isso é possível quando o amor é alimentado e a escolha recíproca é renovada a cada dia.

Como cristãos, não podemos renunciar a propor o matrimônio, para não contradizer a sensibilidade atual, para estar na moda, ou por sentimentos de inferioridade face ao descalabro moral e humano; estaríamos privando o mundo dos valores que podemos e devemos oferecer. É verdade que não tem sentido limitar-nos a uma denúncia retórica dos males atuais, como se isso pudesse mudar qualquer coisa.

De nada serve também querer impor normas pela força da autoridade. É-nos pedido um esforço mais responsável e generoso, que consiste em apresentar as razões e os motivos para se optar pelo matrimônio e a família, de modo que as pessoas estejam melhor preparadas para responder à graça que Deus lhes oferece (Amoris Laetitia, 15).

Apesar dos enormes desafios socioculturais que encontramos para o desenvolvimento sadio de uma família cristã, é necessário reafirmar que “só haverá um mundo novo se houver famílias novas”; famílias que escolhem amar, que escolhem perdoar, que escolhem partilhar; famílias que escolhem valorizar a vida e dedicar mais tempo ao outro do que às coisas ou a si mesmo. Dessa forma o mundo torna-se missão onde a família cristã testemunha os valores perdidos, mas desejados por muitos.

Autor: Josefa Alves dos Santos
Doutoranda em Teologia Sistemática pela PUC-Rio, missionária da Comunidade Católica Shalom.

Leia também: Família e sociedade: qual o lugar da família no mundo


Comentários

[fbcomments]

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *