Notícias

Curso “Família humana, caminho para o Céu” é lançado hoje no YouTube

Conceber o dom da masculinidade e da feminilidade sob o pressuposto da solidão humana traz ao centro a profunda necessidade do homem de encontro com alguém que lhe corresponda.

comshalom

Durante estes dias, a Comunidade Católica Shalom vai falar sobre família em suas redes sociais e na programação da Live SH no YouTube. O Curso Família, Caminho para o Céu será lançado hoje e transmitido durante toda a semana, sempre às 20:30. Clique [AQUI] para ter acesso ao conteúdo, inscreva-se no Canal e não perca nenhuma notificação.

______________

Sobre o tema

Na Literatura javista posta em Gen. 2, Deus cria o homem com a elevada missão de cultivar e guardar a terra, ladeada da responsabilidade de permanecer amigo de Deus, de não pecar.

A necessidade de amar

Na grandeza desse amor que cria promovendo missão e responsabilidade, Deus reconhece que o homem precisa de uma “correspondência exata” para bem viver o chamado [1].

Apresentado aos animais do campo e às aves do céu para dominá-los, a pessoa humana toma consciência da superioridade, ou seja, “de não poder colocar-se em igualdade com nenhuma outra espécie de seres vivos sobre a terra” [2].

A solidão

Diante do impacto do diferente, o ser humano, inserto no processo de auto revelação, conhece e se reconhece subjetivamente distinto e sente solidão.

A partir desse contato com os animais criados, o homem vive a experiência de não se identificar, de não ser, de não se reconhecer igual, já que, tendo nominado cada um deles, “para si mesmo, não encontrou a auxiliar que lhe correspondesse [3].”

A solidão do primeiro homem revela o traço essencial da imagem do Deus-Trindade no ser humano, pois Aquele (Deus) é uma Pessoa em três e vive em relação, em comunhão, em amor, e esse (homem), sofre a solidão de não ser, por ser só.

A falta do semelhante é sentida pela dupla [4] solidão humana, naquele estado de torpor de Adão, o tardemah [5], uma tristeza imersa por essa carência, “o pavor de não ser”.

A mulher: Um grande dom

Deus, então, o faz cair em sono profundo, tirando dele mesmo o extraordinário acontecimento da mulher, feita para o homem e do homem, feito para a mulher; o exclusivo dom da complementaridade.

Conceber o dom da masculinidade e da feminilidade sob o pressuposto da solidão humana traz ao centro a profunda necessidade do homem de encontro com alguém que lhe corresponda.

Não se fala aqui de um ser incompleto, a quem falta um pedaço, mas antes, se fala de amor e de existência. De verdade, sem a mulher, a criação ficaria incompleta. Sobre o tema, arremata o Santo Padre o Papa Francisco, “O Deus Trindade é comunhão de amor; e a família, seu reflexo vivente (…) Desse encontro que cura a solidão, surge a geração e a família [6].”

Sendo o homem e a mulher os únicos seres criados à imagem e semelhança de Deus, na busca de encontrar o próprio Deus, evidencia-se uma mútua dependência latente entre ambos, em procura de plenitude.

A comunhão perfeita

Nessa ordem de ideias, “compreende-se que o homem esteja sempre em busca da mulher, como se ele procurasse aquela parte de si mesmo que lhe foi tirada na Criação; e que a mulher aspire ser reunida àquele do qual foi tirada (…) No jardim do Éden, o homem e a mulher viviam uma comunhão permanente com Deus.

Recebiam uma plenitude de amor que era o princípio mesmo de sua unidade e os preenchia perfeitamente. Conheciam-se através do olhar de Deus [7] (…)” Nesse contexto, homem e mulher eram transparentes um para o outro e na relação com o Criador.

De fato, na visão beatífica, a complementaridade ordenava a distinção dos sexos, motivo pelo qual havia o equilíbrio perfeito.

Uma harmonia a ser reconquistada

Após a queda, contudo, alterou-se o estado de perfeição, resultando uma espécie de confronto entre eles, a ponto de que a harmonia entre o homem e a mulher precisa ser constantemente conquistada [8].

E essa conquista certamente só pode acontecer no exercício verdadeiro do amor-comunhão que nos foi implantado por Cristo Jesus.

Com efeito, ensina São Paulo, “onde avultou o pecado, a graça superabundou [9]”. Após a queda, pela graça e na força da ressurreição de Cristo, fez-se possível a transcendência do homem para o Criador e para o criado, especialmente, essa nova ordem impera entre os sexos, entre homem e mulher, dando-lhes a possibilidade de reconquistar no sangue do Cordeiro a transparência e a harmonia perdida.

Marcas de esperança

Sobre essa afável esperança, discorre Elton Alves: “Na exata cena em que o pecado é cometido, vemos as marcas da esperança fixadas pelo Senhor (…) Deus não amaldiçoou o homem. Ele os abençoou – o homem e a mulher – e não volta atrás quanto aos seus dons. Por isso, a mulher não só não perde a própria identidade após o pecado, como, aliás, é confirmada em sua missão: Eva significa mãe dos viventes [10].”

Sendo o matrimônio o ícone do relacionamento de Deus com o seu povo [11], sua missão irrenunciável é a doação voluntária de amor entre os cônjuges, amor esse que seja capaz de transbordar para os filhos e para todo o criado, reordenando o homem dentro de si mesmo.

Tendo encontrado a ajuda de que necessita [12], Deus empresta-o o seu modo de amar, ou seja, ensinando-o a caridade, torna-Se a medida do amor humano.

Complementares

O esforço do homem e da mulher agora se volta para a graça de Deus, que os precede, em vista de reconhecer no outro, através da caridade, o olhar e o amor de Deus, que os criou complementares.

Por certo, a caridade é o mais alto degrau do amor, pois como escreveu Santo Agostinho, “Se vês a caridade, vês a Trindade [13]”.

Redimidos, com a missão de amar

Consciente da sua missão e responsabilidade, o homem e a mulher redimidos após a primeira queda, tendo formado uma família humana ancorada na graça de Deus, posicionam-se no ambiente favorável de luta pela santidade, de reencontro com a Trindade, seja por meio da harmonia a ser reconquistada entre os sexos pela via extrema da verdadeira caridade; na educação dos filhos e também no incansável serviço de amor à humanidade.

______________________

[1] Alves, Elton e outros. Curso online de Sagradas Escrituras. Instituto Parresia. 2019.

[2] São Joao Paulo II. Teologia do Corpo. O amor humano no plano divino. Ecclesiae. 2014. pg. 37.

[3] Gn2,20.

[4] Pelo homem e pela mulher.

[5] Sobre o tardemah explica São João Paulo II – “O torpor de Adão (em hebraico tardemah) é um sono profundo em que o homem cai sem conhecimento ou sonhos. Na teologia do autor javista, o torpor, em que Deus fez cair o primeiro homem, sublinha a exclusividade da ação de Deus na obra da criação da mulher; o homem não teve nela nenhuma participação consciente. In: São Joao Paulo II. Teologia do Corpo. O amor humano no plano divino. Ecclesiae. 2014. pg. 49 (rodapé).

[6] Papa Francisco. Amoris Laetitia, pg. 13-14. Paulus Ed.

[7] Croissant, Jo. A mulher sacerdotal. Pgs. 50-51.

[8] Simone de Beauvoir já afirmou: “Entre dois indivíduos, a harmonia nunca é doada, deve ser indefinidamente conquistada.”

[9] Rm5,20.

[10] Alves, Elton da Silva. Um percurso antropológico-bíblico para delinear traços da antropologia Shalom. Revista Parresia. Edicões Shalom. 2019. Vol. I. n.1. pg. 19.

[11] Papa Bento XVI, Deus caritas est.

[12] Papa Bento XVI, Deus caritas est.

[13] De Trinitate, VIII, 8, 12: CCL50, 287.

Por Regma Janebro
Graduada em Direito e mestre em Ciências Jurídicas pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *