Parresia

Fazer-se dom: a identidade fundamental do homem

O tempo que vai regendo passado, presente e futuro constantemente vai colocando o homem em uma possibilidade de crescimento e integração. A fragilidade muitas vezes vem de provas vividas, mas a força vem da prova superada.

Unsplash

Ao abordarmos o homem segundo o modelo biopsicossocial de Engel (Cigoli e Mariotti, 2002), atualmente muito usado quando se fala de saúde e prevenção, queremos demonstrar o quanto o aspecto da interação é fundamental na constituição da saúde. Tal modelo ultrapassa uma visão simplista, porque indica que a interação entre fatores biológicos, psicológicos e sociais é que determina o estado de saúde ou doença no indivíduo.

Em nível biológico, faz referência às características genéticas ou biológicas sobre as condições de saúde; em nível psicológico, reconhece o quanto os fatores psicológicos e emocionais influenciam na saúde; e, por fim, em nível social, indica o quanto a família, a comunidade, a cultura, os meios sociais e a qualidade de vida incidem sobre a saúde.

O homem vive e está constantemente em interação. Tal visão holística nos remete à teoria sistêmica, a qual nos fará ver que a unidade não é somente a soma de partes singulares, mas ter uma visão sistêmica significa ter a percepção de que qualquer tipo de mudança influencia cada parte singular, e por sua vez qualquer mudança, por menor que seja, em uma dessas pequenas partes, modifica o sistema como um todo (Baldoni, 2010). 

O meio social em que uma pessoa vive influencia sua dimensão biológica, psicológica ou emocional, ou seja, é gerador também de saúde ou não. Da mesma forma, se o indivíduo goza de um bom estado biológico, psicológico e emocional, com certeza, ele influenciará positivamente o meio em que vive.

Portanto, a visão holística nos faz ver que o homem não vive sozinho, que ele não é apenas sua dimensão biológica ou psíquica isoladamente, mas ele vive em “rede” e em “rede” ele cresce, e se plenifica.

Vanistendael e Lecomte (2000), dois teóricos especializados em resiliência, além de considerar a unicidade do homem dentro dessa visão holística, introduzem outro componente – o tempo. Viver em “rede” e contar com o tempo, sabendo que vivemos um contínuo processo de integração e crescimento, no qual nada se perde. Não existe crescimento em um caminho já perfeito.

Portanto, a abertura e a flexibilidade são importantes diante das imperfeições. O tempo que vai regendo passado, presente e futuro constantemente vai colocando o homem em uma possibilidade de crescimento e integração. A fragilidade muitas vezes vem de provas vividas, mas a força vem da prova superada. E o tempo é que vai permitindo colher tal crescimento.

Além de uma dimensão biológica, psíquica e social, existe um quarto elemento que merece ser contemplado nessa visão holística: a dimensão espiritual. Sobre isso, analisando alguns estudos de Fizzotti (1992) sobre a antropologia de Victor Frankl, vemos que o homem não é um ser cujo fim está em si mesmo, mas um ser em relação, em movimento, livre e responsável em decidir, um ser composto de três dimensões fundamentais: soma, psique e noos ou espírito.

Essas três dimensões, segundo Frankl, são interdependentes e formam a unidade e totalidade do homem (Ibidem, pag. 18-19).

Esse aspecto da religiosidade pode ser orientado por duas vertentes, segundo Giuseppe Crea (2015), teórico e docente em Psicologia da Religião: a orientação intrínseca e a orientação extrínseca. Por orientação extrínseca entendemos um aspecto puramente exterior, atos externos, com uma conotação por vezes até utilitarista.

Enquanto a orientação intrínseca é quando a pessoa coloca como base de suas motivações toda a sua religiosidade, interiorizando valores e os seguindo plenamente. Existe, portanto, uma diferença qualitativa entre o “fazer” religião e o “ser” religioso.

Nesse segundo aspecto se vive objetivamente em direção aos outros e não a si mesmo, gerando um movimento entre nós não produtivista ou utilitário, mas de fazer-se dom, nas palavras do Papa Francisco:  “O Espírito Santo trabalha como quer, quando quer e onde quer; e nós nos gastamos com grande dedicação, mas sem pretender ver resultados espetaculares. Sabemos apenas que o dom de nós mesmos é necessário.” (Papa Francisco, 2013, grifos par.279)

Por Rômulo Araujo Oliveira
Psicólogo e Consagrado na Comunidade Católica Shalom

Referências

AZEVEDO M. L. F. (2006). Escritos. Comunidade Católica Shalom. Fortaleza: Shalom.

BALDONI F. (2010). La prospettiva psicosomatica. Dalla teoria alla pratica clinica. Bologna: Il Mulino.

CHAGAS J. W. R. (2008). Uma obra nova para um novo tempo. A espiritualidade da Comunidade Católica Shalom. Fortaleza: Shalom.

CIGOLI V. – MARIOTTI M. (2002). Il medico, la famiglia e la comunità. L’approccio biopsicosociale alla salute e alla malattia. Milano: FrancoAngeli.

CREA G. (2015). Tonache ferite. Forme del disagio nella vita religiosa e sacerdotale. Bologna: EDB.

FIZZOTTI E. (1992). Teoria e pratica della logoterapia. Roma: LAS.

PAPI (2013 – FRANCISCUS PP.). Esortazione apostolica. Evangelii Gaudium. Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana.

PRELLEZZO J.M. – MALIZIA G. – NANNI C. (2008). Dizionario di Scienze dell’Educazione. Roma: LAS.

VANISTENDAEL S. – LECOMTE J. (2000). Le bonheur est toujours possible. Construire la resilience. Paris: Bayard.

ARAUJO O. R. (2012). Il fronteggiamento della crisi. La resilienza come risorsa per la crescita. Roma: Università Pontificia Salesiana.

ARAUJO O. R. (2017). Cosa interrompe il mio sì? Lo stress nei missionari: un’indagine conoscitiva nella Comunità Cattolica Shalom. Roma: Università Pontificia Salesiana.

CORRADINO A. (2016). Il modello bio-psicosociale e lo psicologo nell’assistenza sanitaria primaria. Sondaggio sulla conoscenza della figura dello psicologo di base. Roma: Università Pontificia Salesiana.

Todos os Artigos

Este conteúdo está sendo disponibilizado pelo Instituto Parresia. Um grupo aberto de trabalho está aprofundando o tema desta série de artigos, na perspectiva do Carisma Shalom. Clique aqui para obter mais informações sobre nossas atividades e formas de contato.


Comentários

[fbcomments]

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *