Formação

Festa da Exaltação da Santa Cruz

comshalom

Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos: “Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem. Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado, para que todos os que nele crerem tenham a vida eterna.
Pois Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna. De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele”. 
(Jo 3,13-17)

Que Liturgia da Palavra fantástica a de hoje! É a festa da Exaltação da Santa Cruz, “da qual pendeu a salvação do mundo”.

     Começamos nosso caminho numa das mais fortes manifestações de revolta na Palavra de Deus. Moisés (e o próprio Senhor) escuta palavras duras e ingratas do povo, que estava sendo alimentado, milagrosamente, pelo maná que caía do céu: “Por que nos fizestes sair do Egito para morrermos no deserto? Não há pão, falta água, e já estamos com nojo desse alimento miserável”. Aqui a questão fundamental – na qual vale a pena nos deter um pouco mais – é a da ingratidão, do seu poder “corrosivo” em nós.

      A ingratidão não é um simples “não ser grato”. Da mesma forma que com o povo, ela fragiliza o nosso relacionamento com Deus e nos rouba a confiança Nele. Quando menos esperamos, estamos – ainda que “apenas” interiormente – murmurando ou mesmo renegando o Senhor e Seus feitos maravilhosos em nossa vida. A vida livre parecerá um peso insuportável, pior que a escravidão (lá ao menos tínhamos algumas gratificações), muito exigente e, no fim, impraticável. Por mais que o Senhor realize milagres tremendos, me alimentando com pão do céu, saciando-me a sede com água da rocha ou mesmo abra o mar na minha frente para que eu o atravesse a pé enxuto, nada disso será alimento à minha fé. Estarei acostumado a assistir “de camarote” aos portentos de Deus, mas sem me deixar tocar por Deus e, quando muito, sentirei apenas as mesmas “boas emoções” que tenho ao ver um filme ou a alguma fatalidade. Ferido na minha gratidão, da mesma forma que o povo no deserto, Deus será para mim somente “aquele que faz e que deve fazer muito mais” (senão eu saio, desisto, volto ao Egito) e me acharei na posição de impor a Ele condições. No entanto, o Senhor estará querendo revelar-se a mim pura e simplesmente como “Aquele que é”, e os quarenta anos do povo no deserto não falam de outra coisa senão desta tentativa de Deus: revelar que “Ele é”.

      Mas por que falar tanto de ingratidão na Festa da exaltação da Santa Cruz? É que hoje é dia privilegiado de contemplação… Contemplação profunda e fecunda da Santa Cruz e daquele que nela nos salvou… Dia de mergulho no mistério. E não pode ser outro o sentimento latente em nosso coração senão a gratidão. Mas continuemos.

     É desse abismo de ingratidão e rebeldia – que nos valeu da parte de Deus o envio de serpentes “para nos morderem o calcanhar” (Gn 3,15) – que clamamos ao Senhor. Ele, por sua vez, pede a Moisés: “Faze uma serpente de bronze e coloca-a como sinal sobre uma haste…”, todos os que olham para a olhavam ficavam curados. E este é o link para o maravilhoso evangelho de hoje, no qual Jesus nos rasga o coração quando diz: “Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado, para que todos os que nele crerem tenham a vida eterna.”

      Este é um trecho do conhecido diálogo de Jesus com Nicodemos, “príncipe dos fariseus, que foi ter com Jesus à noite”.

      Jesus aqui diz que será levantado “do mesmo modo como Moisés levantou a serpente”, e, de fato, é assim que tudo se dá: Cristo é levantado como salvação para todos. Mas não podemos deixar de meditar e contemplar a diferença abissal entre os dois eventos: no deserto, uma imagem de serpente pendurada numa haste e no Calvário, o Filho do Deus Vivo, o Primogênito do Pai; no deserto, Moisés – talvez o único justo dali – é quem “levanta” a serpente; no Calvário, somos nós, você e eu que o fazemos e no deserto, a ferida a ser curada era um sinal da rebeldia e ingratidão interiores e no Calvário, é do pecado mesmo que somos curados, é da fonte de todos os males que o Senhor Jesus nos salva na cruz, vencendo a morte, o pecado e o Maligno; no deserto o alcance da graça é restrito, pois nem todo o povo a experimenta, mas apenas quem “olhava para a serpente de bronze, ficava curado” e no Calvário a graça é universal, alcança todos os homens de todos os tempos… Alcança você e eu, agora, neste exato momento; no deserto Moisés intercedeu e Deus inspirou-lhe a fazer a serpente de bronze e no Calvário é Cristo mesmo quem intercede, e é Cristo mesmo quem se oferta, dando seu corpo e sangue, amando-nos até as últimas conseqüências, “humilhando-se a si mesmo, fazendo-se obediente até a morte, e morte de cruz”.

      “Pois Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna”.

      Estas palavras escondem um mistério  e um poder só “tocáveis” pela oração. Santa Madalena de Pazzi, diante da imagem do Crucificado e vendo a que extremos chegou o amor do Pai por ela, exclamava com assombro: “Você é louco!”. É esta a experiência – mais que tudo, uma experiência – que o Senhor quer nos dar hoje: a partir da contemplação do mistério da cruz, deixar que o Espírito exalte a cruz em nós, acima de qualquer pecado, ferida ou fraqueza. 

      De fato, não existe em toda a história um sinal mais poderoso que a Cruz, é ela o emblema dos remidos, a marca dos eleitos e o sinal que identifica os cristãos, hoje exaltada por nós. Mas – alguns podem dizer – como podemos “exaltar” aquilo que foi instrumento de tanta dor para um homem, que por ali morrer se tornou “maldito”? Na verdade, a pergunta que deve ser feita é: como não celebrar e exaltar, sim exaltar, o lugar do qual Cristo nos salvou, o altar no qual Seu corpo santo foi ofertado ao Pai por nós e o sinal da maior prova de amor que a humanidade já recebeu? Não, nenhuma crítica pode ser feita contra a belíssima festa de hoje, pelo menos não por quem conhece a profundidade da salvação operada por Cristo na cruz; quem, de verdade, contempla com os olhos da fé a Cruz do Ressuscitado, só pode exclamar diante dela: “Bendita!… Eis o lenho da cruz, do qual pendeu a salvação do mundo”.

      Hoje exaltamos a Cruz do Ressuscitado e lembramos: a melhor forma de fazê-lo é com nossa vida, com o nosso testemunho. Deixemos que o Espírito nos envolva e nos converta de toda ingratidão à cruz. Contemplemo-la, gratos por este “sinal”, o maior que o pai já nos deu.

“Das obras do Senhor, ó meu povo, não te esqueças” (Salmo 77)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *