Mundo

França aprova na Assembleia Nacional aborto até o 9º mês da gestação

Lei poderá permitir que grávidas em sofrimento psicossocial desistam da gravidez até o último mês.

Foto: Unsplash

Na manhã de terça-feira (11), o mundo acordou com mais uma triste notícia: a França aprovou na Assembleia Nacional, por 60 votos a 37, uma medida que pode legalizar o aborto até o 9º mês de gestação para mães com sofrimento psicossocial. Apesar de ainda precisar ser aprovada pelo senado, a decisão nos leva a refletir sobre o posicionamento da Igreja perante a desvalorização da vida humana.

No Catecismo da Igreja Católica, artigo 2270, o entendimento cristão está claro. “A vida humana deve ser respeitada e protegida de maneira absoluta, a partir do momento da concepção. Desde o primeiro momento de sua existência, o ser humano deve ver reconhecidos os seus direitos de pessoa, entre os quais o direito inviolável de todo ser inocente à vida”.

Na bíblia, encontramos no livro de Jeremias (1, 5) o próprio Deus contemplando o dom da vida a partir da concepção quando diz “antes de formar-te no seio da tua mãe, eu já te conhecia, antes de saíres do ventre eu te consagrei”.

Diante de tantas tentativas de banalizar a vida, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) publicou há alguns meses uma nota reiterando este posicionamento: “’É tempo de cuidar’, a vida é dom e compromisso! A fé cristã nos compromete, de modo inarredável, na defesa da vida, em todas as suas etapas, desde a fecundação até seu fim natural. Este compromisso de fé é também um compromisso cidadão”.

Aborto legalizado

É importante destacar que na França é legalmente permitido realizar o aborto até a 12ª semana de gestação e que atualmente já é juridicamente permitido realizar o aborto até o 9º mês quando o nascituro é portador de doença incurável ou a saúde da gestante está em risco. A aprovação do aborto em qualquer etapa da gestação para mulheres com sofrimento psicossocial é um ampliação das medidas que o país vem tentando adotar ao longo dos anos, afim de dar autonomia à mulher com relação à continuidade da gravidez e consequentemente banalizando a vida.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *