Formação

Frei Patrício: A festa de Cristo Rei coroa o caminho do ano litúrgico na Igreja

Jesus é um rei maravilhoso que passa no meio de todos fazendo o bem. Ele veio pobre, viveu pobre e morreu ainda mais pobre, porque deu tudo, não dando coisas, porque não tinha, mas dando a vida até o sangue.

comshalom

Chegamos, com alegria e esforço, ao fim do ano litúrgico, que acontece antes do 31 de dezembro, porque devemos nos preparar para a vinda do Senhor Jesus, no Natal. O Natal, para nós que temos fé e também para os que não têm, é o fio grosso que divide o antes do depois.

O antes de Cristo, cuja sigla é a.C., e o depois de Cristo, sigla d.C., são um marco difícil de ser retirado, aliás, isso é impossível, embora existam pessoas que apenas ao escutarem o nome de Cristo ficam furiosas como diabos e gostariam de eliminar toda marca do cristianismo.

Não sei o porquê desta raiva. Querendo ou não, basta ter um pouco de inteligência, pois nem a Igreja pode anular as coisas boas feitas antes de Cristo e depois Dele por tantas pessoas sem fé, e nem quem não tem fé pode anular o que os cristãos fizeram.

A festa de Cristo Rei coroa o caminho do ano litúrgico na Igreja, que sempre caminha à luz do seu Senhor, O ama e O prega para todos, porque vê Nele um modelo de vida, um sinal de esperança. Jesus é semente de vida nova que, ao encontrar terreno bom, dá fruto de 30, 60, 100 por cento.

Jesus Rei é um modelo para todos, quer sejam políticos ou não, ou seja, Ele é modelo para todas as pessoas. Aliás, na minha modesta visão, cada um de nós é um “pequeno rei”, que tem a responsabilidade de melhorar o mundo em que vive. Se cada pessoa fizer o que deve fazer com amor, o mundo não vai ser deteriorado, mas curado e cuidado com carinho.

Cristo Rei é modelo para todos

Sem dúvida, Cristo Rei é modelo para todos os políticos do mundo que lutaram para sentar na cadeira mais importante do próprio país, como é o caso dos presidentes, que tanto dinheiro gastam nas campanhas políticas; há também outra forma de eleição, como no caso na Igreja, na qual os Bispos, os Cardeais e o Papa não fazem ou não deveriam fazer campanha política e não gastam nem um tostão.

Cristo Rei defende sempre as pessoas, seus direitos humanos. Ele se coloca sempre ao lado dos pobres e não fecha nem a porta e nem o coração a quem necessita de ajuda. Quem tem autoridade não pode usá-la, então, para si mesmo, mas para aliviar o sofrimento físico e moral das pessoas.

Jesus é um rei maravilhoso que passa no meio de todos fazendo o bem. Ele veio pobre, viveu pobre e morreu ainda mais pobre, porque deu tudo, não dando coisas, porque não tinha, mas dando a vida até o sangue.

O livro de cabeceira de todos os políticos deveria, pois, ser o Novo Testamento, ou melhor, toda a Bíblia, uma vez que nela encontramos normas para a economia, para a política, para as relações com os outros, enfim, para todas as coisas. Quem a segue diminui a criminalidade, anula a fome, a desigualdade e acolhe todos, porque todos são irmãos que devem ser amados.

É tempo de mudar a universidade que forma os políticos, é tempo de deixar de lado a diplomacia, que tenta enganar, e viver a política do encontro, do diálogo, do amor e da vida. Cristo Rei é o modelo para que todos sejamos reis e servos. Quem vive como Jesus é feliz e faz
felizes os outros.

O rei era um símbolo religioso e político

É simplesmente triste e deprimente acompanhar as campanhas eleitorais do mundo inteiro, é uma baixaria, com tantas insinuações sobre a vida dos candidatos. Uma família honesta nunca deveria ficar diante da TV para escutar as bobagens dos que prometem e não cumprem. O que dá força a tudo isso é a esperança do dinheiro.

Normalmente, não sei se você notou, os candidatos entram pobres na política e, quando saem dela, saem ricos. Deve existir um “segredo escondido a sete chaves” que todos sabem… É claro que também no tempo de Davi existiam coisas assim, mas se davam em menor quantidade.

O rei era um símbolo religioso e político, era ungido como tal pelos sacerdotes. O ponto de desencontro era o profeta que normalmente gritava sempre com tons diferentes. Hoje devemos recuperar a sacralidade da política como dom de Deus, serviço ao povo, e capacidade de não fazer alianças que prejudiquem o povo de Deus.

Três características do Senhor Jesus

Ao lermos as cartas do apóstolo Paulo, nunca devemos esquecer que ele é um enamorado de Jesus. Sabe que não pode viver sem anunciá-Lo  com todos os meios que tem à sua disposição, e não pode esquecer as palavras que escutou no caminho de Damasco, quando ele mesmo perguntou “quem es tu?” ao que a voz respondeu “sou aquele Jesus que tu persegues”.

Neste trecho da Carta aos Colossenses, Paulo não faz outra coisa a não ser apresentar o Senhor Jesus, dom supremo do amor do Pai, mostrando três características Suas.

A primeira é de que Jesus nos tem libertado da escravidão do pecado com Sua morte e Ressurreição; por meio de Cristo, temos recebido a Salvação e a Redenção.

A segunda é de que Jesus é a imagem do Deus invisível, imagem de toda a perfeição e de todas as coisas. Diante Dele todos se ajoelham no Céu e na Terra. É o Senhor, o Rei de todos, não para dominar, mas para libertar e dar a verdadeira liberdade.

E a terceira é que Jesus é a Cabeça visível do corpo, que é a Igreja, e Nele habita toda perfeição. É belo, na festa do Cristo Rei, colocar em evidência estas qualidades de Jesus.

A mais bela profissão de fé

Jesus é o rei que dá vida, o rei que veio para servir, o rei que não julga, mas que salva e  abre para nós as portas do Paraíso. Mas quando o ser humano se reconhece como rei e quer sê-lo e tudo dominar não é possível que reconheça Jesus como rei da sua vida.

O ladrão, do alto da cruz, faz a mais bela profissão de fé, reconhecendo Jesus como rei que fez tudo bem, e O reconhece também como fonte do perdão e da misericórdia e, por isso, sabe que será salvo.

Não há diálogo mais belo entre Jesus e um pecador que este. Devemos meditá-lo com calma e conservá-lo sempre em nosso coração. “‘Jesus, lembra-te de mim, quando entrares no teu reinado’. Jesus lhe respondeu: ‘Em verdade eu te digo: ainda hoje estarás comigo no Paraíso’”.

“Amemos, portanto, o nosso Dileto, mas com amor calmo e profundo! Permaneçamos em recolhimento ao lado Daquele que é (Esd 3,14), junto ao Imutável cuja luz sempre resplende sobre nós. Nós somos aqueles que não são. Vamos até ele, que quer que sejamos todas suas e que nos envolve por toda parte, de maneira que já não somos mais nós que vivemos, mas sim ele (cf. Gl 2,20).” (Santa Elisabeth da Trindade)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *