Formação

Frei Patrício: Eis que o Senhor está às portas

O Senhor vem para nos lembrar que é possível transformar o mundo em que vivemos, se cada um de nós fizer a sua parte e não se fechar no mundo do egoísmo e do ódio.

comshalom

Esta é uma semana com muitíssima festa, uma atrás da outra. Pouco tempo depois de terminar o domingo, já é Natal. É tempo que corre e devemos acompanhá-lo, fazendo de tudo para não sermos atropelados, para não corrermos o risco de viver estes momentos de graças na superficialidade.

Nós, brasileiros, somos um povo festivo, alegre, que mesmo nas dificuldades sabemos nos sair bem, porque temos a coragem de olhar para a frente. Deus nos chama, com todo o Seu amor, a abrir o nosso coração à vinda do Senhor Jesus, que abre novos caminhos de liberdade e de paz. Vivemos em uma selva, em uma guerra, mas a paz é possível. O Natal é a grande ponte que une o Céu à Terra. Do Céu, desce Jesus, e para lá o homem sobe de novo. Ele, depois de ter vivido conosco, voltou para lá para nos esperar.

Eis que o Senhor vem

O grito deste quarto domingo do Advento é um cântico, é alegria, esperança de quem espera alguém que deve chegar: Eis que o Senhor vem! Ele vem não vestido de glória, mas vestido da nossa carne mortal. Vestido com o nosso corpo frágil, mas sem pecado, com um coração cheio de amor e de ternura, com os olhos cheios de luz e de lágrimas, que sabe parar no poço da Samaria, para esperar e doar de novo a confiança a quem está no caminho do pecado.

O Senhor vem para nos lembrar que é possível transformar o mundo em que vivemos, se cada um de nós fizer a sua parte e não se fechar no mundo do egoísmo e do ódio, mas, ao contrário, sair pelas ruas afora para abraçar o irmão, sem olhar nem a cor da pele nem as cores das bandeiras e das nações, tampouco as cores das religiões, apenas só com a certeza de que somos irmãos e irmãs e que caminhamos na mesma estrada e na mesma direção e que, além disso, viemos do mesmo lugar: do coração de Deus, Pai de todos.

Isto não é poesia nem fantasia, é realidade. Ela está escrita não nos livros religiosos dos povos, mas sim no coração de cada pessoa humana pelo dedo do Deus Criador.

Amo o Natal e não quero que dure 24 horas, mas quero que dure a vida inteira. Não se pode ser feliz por um dia, pois, pela Encarnação do Verbo eterno, do Filho amado de Deus, é uma felicidade que não acaba, é de todos os momentos e horas.

São João da Cruz é o cantor do Natal; ele imagina uma Virgem grávida, que vem a caminho e que pede abrigo para dar à luz. Será que encontra pousada no nosso coração? Ou também nós temos todo o coração ocupado com coisas, projetos e bugigangas de pecados acumulados ao longo dos anos?

Se nós não dermos pousada, Maria e José vão continuar o caminho até encontrar quem os receba com alegria, em outros países, em outros corações; mas Jesus deve nascer em mim, em você e nos outros; melhor é que Ele nasça em todos.

As profecias sempre começam 

As profecias não terminam, são sempre claras. É preciso saber compreender o que elas nos querem dizer no momento e no contexto em que as lemos. Este texto do profeta Isaías sobre o Emanuel, Deus conosco, sempre foi lido pela Igreja no Natal. A virgem de quem fala o profeta foi compreendida como a Virgem Maria.

As profecias não são uma porta fechada, são mais como uma varanda a que você se assoma e da qual pode enxergar horizontes novos, e todas as vezes que você sobe a varanda o seu olhar é seduzido por uma nova visão.

Nestes dias, estava lendo um livro sobre o Apocalipse, de 400 anos atrás. Hoje, nós ficamos quase rindo do que o autor diz, da forma como ele lia as profecias. Os tempos mudaram. A mesma Igreja tem uma outra sensibilidade, que corresponde ao nosso momento histórico e eclesial. É assim que devemos ler a nossa vida, como uma grande página “profética”, que cabe a nós atualizar. Sem dúvida, Isaías sabia bem que os tristes tempos da escravidão terminariam, um dia, pela ação de Deus, e que Deus enviaria o Messias. Assim, nós também sabemos que os tempos tristes em que você e eu vivemos terminarão e que o Messias Jesus virá. Ademais, Ele continua a nos enviar “pequenos Messias” para anunciar a paz, a alegria e o tempo da misericórdia.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *