Formação

Frei Patrício: por que as vocações diminuem?

As vocações não são um trabalho, mas sim uma missão.

Desde São Paulo VI, rezamos para que o Senhor olhe para a sua Igreja e que nunca lhe faltem os ministros, os consagrados, que dedicam totalmente a própria vida para o ministério sacerdotal e para a vida religiosa.

É um fato que falta sacerdotes. De forma que todos os que amam a Igreja estão preocupados e buscam descobrir as causas e encontrar saídas para essa crise, que parece aumentar e não diminuir.

Será que na Igreja latina a ordenação de “viri probati”, isto é, de homens casados, mas com uma vida santa, séria e de testemunho vai resolver o problema? Não creio. Nas igrejas orientais, por exemplo, na Igreja Copta Católica do Egito, onde é permitida a ordenação sacerdotal de pessoas casadas, não se tem resolvido a “escassez” vocacional e mesmo se, um dia, forem ordenadas mulheres, o problema provavelmente não será resolvido. Mas por que tudo isso?

Missão

As vocações não são um trabalho, mas sim uma missão. São uma vocação e não uma maneira de viver e ter uma vida de tranquilidade; não são resultado de uma simpatia pelo Evangelho e de um amor superficial por Jesus.

É Jesus quem chama “aquele que Ele quer” e não aqueles que querem ser chamados. As vocações são um dom de Deus e o fruto da oração da Igreja. São palavra de Jesus. “Orai ao Senhor da messe para que envie operários para sua messe”. Aqui está o grande desafio pelas vocações; é preciso, pois, rezar sem cansar para que o Senhor passe sempre no nosso meio e nos chame!

Escolher ser sacerdote, religioso ou consagrado ao Senhor sem ser chamado para isso é uma empresa impossível de ser levada até o fim. Então, o Papa Francisco, diante das saídas de tantos sacerdotes, religiosos, religiosas e consagrados, que abandonam o caminho começado, chama isto de “hemorragia”.

O que está acontecendo?

Somos obrigados a nos perguntar: “O que está acontecendo?” A minha resposta é muito simples: quando se perde a beleza, a necessidade cotidiana da oração, se deixa de compreender que a vida dos sacerdotes e consagrados e consagradas deve ser toda a serviço de Deus, na atividade de Jesus, e não deve ser preenchida com atividades paralelas que nos afastam do mistério de Deus.

Rezar apenas neste dia do Bom Pastor pelas vocações não resolve a escassez das vocações. Devemos pedir todos os dias, e estarmos sempre ao lado dos escolhidos com a nossa oração e ajudá-los a serem fiéis à própria vocação. Que Maria, a mãe das vocações, aquela que disse “sim” e jamais voltou atrás, nos ensine a ser fiéis à nossa vocação e a rezar pelas vocações dos nossos irmãos.

Cada vocação é uma missão

“Para um cristão, não é possível imaginar a própria missão na terra, sem a conceber como um caminho de santidade, porque ‘esta é, na verdade, a vontade de Deus: a [nossa] santificação’ (1Ts 4,3). Cada santo é uma missão; é um projeto do Pai que visa refletir e encarnar, num momento determinado da história, um aspecto do Evangelho.” (Gaudete et Exsultate, 19)

Cada um de nós é uma missão. Estar em missão é estar disponível para ir aonde o Espírito Santo chama e envia. Este número parece ser escolhido de propósito para a jornada mundial de orações pelas vocações.

É preciso saber que ninguém escolhe a missão que quer, mas que Deus lha confia por meio da mediação da Igreja. É necessário que se saiba também que muitas vezes deve-se estar disponível a ir aonde ninguém quer ir, uma vez que viver o Evangelho é deixar-se inundar pela força do “Espírito Santo; Ele que nos consagra e nos envia para anunciar os valores fundamentais do ser humano, que é a liberdade, a paz, a alegria.

O ser humano foi criado para ser livre e, diante de todas as escravidões, deve rebelar-se, seja da escravidão do pecado, seja da escravidão que o impede de ter a liberdade de escolher o seu trabalho, de ir e vir, enfim, de ser respeitado na sua dignidade. Logo, a Igreja vive sempre ao lado dos que não têm voz, dos que sofrem, e que buscam uma vida melhor. A libertação do pecado e do mal é o único caminho para a verdadeira liberdade humana.

E nós, o que devemos fazer?

É o dia de Pentecostes. Pedro e os outros discípulos começam a viver o momento mais difícil da própria vida sem Jesus. O que fazer? A força do Espírito Santo lhes tem dado força e coragem e eles já não têm mais medo de nada. Anunciam e denunciam que todos são responsáveis pela morte de Jesus. Diante das palavras, claras e diretas, o povo que escuta pergunta a Pedro: “ E nós, agora, o que devemos fazer?”

A resposta de Pedro é clara e forte: “Convertei-vos e fazei-vos batizar em nome de Jesus.” Somente assim é possível começar uma vida nova, ser perdoado e assumir Jesus como Salvador; deixar a velha lei e assumir a nova lei do amor e do perdão.

Pedro e os outros Apóstolos dão testemunho da própria fé. Eles assumem a própria vocação de anunciadores de Jesus. Nós devemos, todos os dias, nos espelhar em Cristo. Quem é chamado deve esquecer todas as vocações profanas e estar somente a serviço de Deus e do Evangelho.

O Salmo 23, do bom pastor, é o mais indicado para compreender a nossa vocação, pois o modelo de todos os pastores é Deus, pastor que enviará depois, como Pastor completo, que dá a vida elas Suas ovelhas, o pastor Jesus, que conhece a voz das suas ovelhas, as quais conhecem a Sua voz.

As chagas de Jesus nos curam

A primeira missão do cristão é fazer os outros felizes, e a segunda é ser feliz por pertencer a Jesus e seguir o Seu caminho.

Pedro não compreendeu imediatamente a sua vocação, quando foi chamado na beira-mar, e nem mesmo estando com Jesus. Mas, quando O traiu e o olhar de Jesus se encontrou com o seu olhar traidor, ele começou a compreender o doce amor do Mestre.

Mas, depois da vinda do Espírito Santo, Pedro teve uma clareza da sua vocação e da vocação de Jesus, que carregou sobre si os nossos pecados, nos curou com Suas chagas e nos deu a força da esperança que não morre com a sua Ressurreição.

Andávamos como ovelhas sem caminho: “Andáveis como ovelhas desgarradas, mas agora voltastes ao pastor e guarda de vossas vidas” e agora fomos salvos e, se somos felizes por termos sido salvos, devemos salvar também os outros.

Pastores ladrões e pastores que amam

Confesso que se todo o Evangelho me seduz e me encanta pela “fotografia” visível e narrada de Jesus, amo imensamente a figura do bom pastor. Pode ser porque na minha infância fui pastor e pude ver que é verdade o que diz o evangelista de que as ovelhas conhecem a voz do pastor e o pastor reconhece o balido, “a voz” das suas ovelhas.

É verdade que existem pastores ladrões que não amam as ovelhas, porque não são deles; trabalham quando e como podem. Se uma ovelha não está presente ou está doente, não se preocupa com ela, por exemplo. Mas o verdadeiro pastor tem um amor imenso pelas suas ovelhas e está pronto para defendê-las de todos os péssimos pastores e dos perigos.

É importante assumirmos na nossa vida que todos somos pastores responsáveis pelas pessoas que encontramos e também as que vivem conosco, que pertencem à nossa comunidade. De forma que precisamos estar também prontos para dar a nossa vida.  

Jesus é a porta para o novo redil. É preciso passar através Dele para termos a vida. Nestes dias das vocações, o povo, o rebanho exige que os seus pastores não peçam seu dinheiro, mas que lhe deem amor e peçam ao povo a santidade.


Comentários

[fbcomments]

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *