Formação

Frei Patrício: quem são os profetas e como reconhecê-los?

Somos chamados a viver o nosso profetismo, a não ter medo de anunciar a verdade om a palavra e com a vida. Bela é a nossa vocação, se vivida com intenso amor.

Em nenhum momento da história, Deus faz faltar ao povo o sustento do Seu amor. Ele vai suscitando sacerdotes santos, profetas corajosos, que fazem ouvir a própria voz para chamar os que se afastam de Deus.

O caminho do ser humano é sempre uma grande luta interior entre o bem e o mal. As coisas do mundo nos atraem e, se não temos cuidado, lentamente nos encontramos envolvidos em um emaranhado de um sincretismo religioso ou de autêntica idolatria, que nos enlouquece e nos faz perder o caminho da verdade e do bem.

O amor de Deus não nos falta e, mesmo em tempos de desnorteamento espiritual, o Senhor vai suscitando santos e profetas. Devemos redescobrir a alegria de escutá-Lo, pois nos chama pelo caminho difícil da santidade, do bem, e nos afasta dos caminhos fáceis do mal.

Mas quem são os profetas e como reconhecê-los?

Sem dúvida, a vocação do profeta, assim como a dos sacerdotes e dos religiosos e qualquer vocação que se preze, não é iniciativa do ser humano, mas de Deus. Ele nos chama e a nós dá a capacidade de responder e de sermos fiéis na fidelidade cotidiana.

Recordo que uma vez perguntei a uma pessoa que estava para se casar: “Você é consciente de sua vocação para o Matrimônio?” A resposta que me deu foi a seguinte: “Frei, é o jeito, não é? Fazer o que todos fazem: eu também vou me casar, mesmo que veja que este não é o meu caminho.” Aqui está o grande erro de muita gente hoje: pensar que a vida nos obriga a determinada situação, mesmo que não tenhamos vocação.

Isto pode acontecer no trabalho, em que somos obrigados, para sobreviver, a aceitar trabalhos que não gostaríamos de fazer, mas nunca deve acontecer com toda a nossa vida. Cada um de nós deve se perguntar: O que Deus quer de mim? Sabemos que, mediante o nosso Batismo, que é a inserção no mistério de Jesus, todos participamos da tríplice vocação do Cristo sacerdote, rei e profeta.

Estas três vocações devem ser desempenhadas na nossa vida em uma forma plena, segundo a nossa vocação. Às vezes, podemos pensar que a vocação sacerdotal só é destinada a quem é sacerdote, e não é assim. Todos somos sacerdotes, mesmo que não o sejamos no mesmo grau. Há o sacerdócio ministerial, reservado aos que recebem a consagração para tal ministério da Igreja, mas, no nosso sacerdócio comum, somos chamados a celebrar a nossa “missa” todos os dias, oferecendo a nossa vida como hóstia santa, imaculada e pura, como diz o apóstolo Paulo na Carta aos Romanos, capítulo 12, dos versículos de 1 a 4.

Somos chamados a ser reis do universo, não para dominá-lo, ou pior, estragá-lo com o desejo da ganância, mas para conservá-lo, para cuidar do mundo, como diz o Papa Francisco, a casa comum de todos.

Somos chamados a viver o nosso profetismo, a não ter medo de anunciar a verdade om a palavra e com a vida. Bela é a nossa vocação, se vivida com intenso amor. Uma mente sem Deus e sem carne “Graças a Deus, ao longo da história da Igreja, ficou bem claro que aquilo que mede a perfeição das pessoas é o seu grau de caridade, e não a quantidade de dados e conhecimentos que possam acumular.

Os ‘gnósticos’, baralhados neste ponto, julgam os outros segundo conseguem, ou não, compreender a profundidade de certas doutrinas. Concebem uma mente sem encarnação, incapaz de tocar a carne sofredora de Cristo nos outros, engessada numa enciclopédia de abstrações. Ao desencarnar o mistério, em última análise preferem ‘um Deus sem Cristo, um Cristo sem Igreja, uma Igreja sem povo’” (GE, 37).

Já demos uma definição de gnosticismo, que é buscar a Deus não pelo caminho do amor e da vida, mas somente pela inteligência e pelo estudo; achando que Deus se revela aos mais adiantados no conhecimento da filosofia ou das coisas espirituais. Podemos conhecer todos os livros dos místicos e dos não místicos e, ainda assim, ser um zero à esquerda no caminho da vida de experiência com Deus, na  vidaespiritual.

Um Deus só ideia é desnecessário, é sem vida e sem amor. O nosso Deus é amor e se faz amor nos gestos concretos e nos chama a agir, abrindo o nosso coração às ações, às obras de caridade. Infelizmente, hoje esta maneira de pensar não está somente presente nas filosofias orientais, mas também no meio de nós. Devemos reagir com a nossa vida e lendo as biografias dos santos que souberam sempre unir a meditação e a vida prática, uma vez que oração e vida andam sempre juntas e nunca separadas.

Seduziste-me, Senhor, e me deixei seduzir

Sem dúvida, este texto do profeta Jeremias, texto pequeno e breve, tem uma densidade de conteúdo. “Seduziste-me, Senhor, e deixei-me seduzir; foste mais forte, tiveste mais poder” é um dos mais belos versículos, que nos abre o coração ao amor de Deus, que nos seduz, nos encanta e nos surpreende de uma maneira especial. Um Deus belo, amante e amado.

A história do profeta Jeremias é feita de dificuldades, de lutas, de perseguição por conta do seu amor pela justiça e pela Palavra de Deus. Nestes sofrimentos, o profeta gostaria de não falar, de fugir da sua responsabilidade, mas sabe que não pode, porque uma força o obriga a falar. Mas por que tudo isto? Porque se sente seduzido por Deus e se deixa seduzir. A vocação profética não depende de uma escolha nossa, mas, sim, da escolha de Deus, que nos chama quando quer e como quer. A nós nos resta apenas ser dóceis.

O Salmo 62/63 é a resposta à esta vocação da sedução de Deus: buscar o Senhor sempre, pois a nossa alma é como um deserto árido, que necessita da água viva, que vem de Deus.

A nossa missa cotidiana

Toda a vida do apóstolo Paulo é uma participação viva nas três realidades de Jesus sacerdote, rei e profeta; as quais ele vive com entusiasmo e com amor, sem dar importância às dificuldades que encontra, pois “quem me separará do amor de Cristo?” Paulo, com força, responde: “nada, porque eu pertenço a Cristo e Cristo me pertence”. Mas como podemos celebrar a nossa Eucaristia diária em que somos ao mesmo tempo sacerdotes e ofertas? Por meio da oferta do nosso corpo, para que seja agradável a Deus, posto que a santidade não é algo que acontece fora do nosso corpo, mas sim através dele.

Devemos purificar esta oferta, que muitas vezes é contaminada pelo pecado, pelo mal que está dentro e fora de nós. Não existe contradição entre oferta e vida, mas, sim, perfeita comunhão.

Mudar de pensamento

Jesus revela o Seu futuro: a Sua glória não será humana, a Sua grandeza não Lhe é dada pelos milagres que faz nem porque os demônios lhe obedecem, mas a Sua grandeza vem do fato de que Ele tem um único desejo: fazer sempre a vontade do Pai.

O caminho que Jesus apresenta para os que O querem seguir é a cruz. Esta palavra apavora os discípulos. Pedro tenta, com boa intenção, dissuadir Jesus de caminhar para a morte e fugir do sofrimento. Um conselho humano, mas que não pode ser aceito por quem segue Jesus. As palavras que Jesus diz a Pedro são terríveis: “vai embora, satanás”, palavras estas que ferem o coração de Pedro, mas que mais tarde ele mesmo compreenderá. O projeto de Jesus para nós é a cruz, que depois se transforma em glória.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *