Formação

Graus do amor

comshalom

tumblr_n5ipnpm73b1t29834o1_400Um sábio chinês afirmou que, se lhe fosse dado o poder de governar o mundo apenas por um minuto, ele iria fazer uma coisa só: “restabelecer o verdadeiro sentido da palavra amor”. Sim, a compreensão do amor está muito deturpada. Confundimos amor com prazer, desejo, interesse, atração, paixão. A verdade é que o amor é como o arco-íris, tem tonalidades diferentes. Semelhante a uma escada, o amor tem degraus e graus. O amor de concupiscência, que e ainda egocêntrico, difere do amor de benevolência que quer o bem do outro. O amor filantrópico tem razões diferentes do amor teocêntrico. O primeiro é humanitário, o segundo fundamenta-se em Deus.

Pode acontecer que em determinadas áreas de nossa personalidade, atingimos um grau elevado de maturidade no amor e noutras somos ainda imaturos. Vivemos experiências onde nos sentimos como anjos e noutras ainda como animais. Às vezes somos parecidos com as crianças e outras vezes, percebemos que somos capazes da gratuidade e doação generosa. São os paradoxos e as ambiguidades que permeiam a arte de amar. O amor de amizade, é um grau elevado de amor, embora o amor-ágape, é o amor em sua máxima expressão, porque é doação de si, sem esperar recompensas, sem interesses, visto que é dar a vida pelo outro. É o amor que se desvela em benevolência, cuidado do outro, altruísmo, disponibilidade, paciência, perdão.

Na verdade o amor é uma composição de vários elementos como: auto-estima, amizade, intimidade, enamoramento, fidelidade, dom de si. Desde a filosofia grega, o amor foi refletido em graus e tonalidades diferentes. O “amor-concupiscência” (porneia) é a experiência do amor carnal, interesseiro, voraz, até instintivo, como por exemplo, acriança que mama. O “amor-dependência” (phaté), comporta ciúmes, submissão, controle do outro.

Temos em seguida o “amor-eros” que se caracteriza pela atração, libido, impulso, desejo, calor humano. O “amor-jogo”(ludus) é o vale tudo, a orgia, a falta de pudor, a liberdade sem limites. O “amor-posse”(mania) é a dominação, o apego, a manipulação e a obsessão pela pessoa amada. O “amor-espelho” (pragma), representa as pessoas que procuram alguém que faz o seu tipo, o seu status, alguém igual a si mesmo, seu espelho. O “amor-ternura” (storge) é o carinho, respeito, valorização, acolhimento, admiração do outro. O “amor de amizade” (filia) é o altruísmo, partilha, dedicação, benevolência. O “amor-compaixão”(káris) é a sensibilidade pelo outro, a misericórdia, a reconciliação,o bem-querer, a bondade, a salvação do mundo. Na escala grega, por fim, vem o “amor-ágape”, que é a maturidade no amor, desejar o que outro deseja, estar a serviço do outro sem esperar vantagens, capacidade de morrer pelo amado.

Amoral católica ensina também uma “ordem do amor”. Assim, o amor conjugal tem primazia em relação ao amor pelos filhos. Já o amor pelos filhos tem prioridade ao amor pelos pais. Eis então a hierarquia do amor: amor conjugal, amor pelos filhos, amor pelos pais, amor pelos irmãos, amor pelos parentes, amor pelos amigos. O que importa mesmo é que o amor não tem limites. Jesus ensinou e praticou o amor aos inimigos, aos pecadores, aos pobres. Em Jesus, amor e verdade, se abraçam, amor e justiça são inseparáveis. A medida do amor é amar sem medidas.

O amor é palpável e inefável, ternura e fidelidade, misericórdia e verdade. Tem força centrífuga, tende para a união. Onde está o amor ali está Deus. O amor é lugar da epifania de Deus. A vida humana é na verdade uma história do amor de Deus, mesmo quando sofremos, superando a dor. É preciso aprender a amar. Na escola do amor ninguém se aposenta, somos aprendizes e discípulos na arte de amar, até o fim.

O amor é nossa identidade, nosso nome, nossa vocação. É um desejo e compromisso de aliança, é encontro de duas liberdades. O amor é o melhor que nos pode acontecer. O amor basta. Quando se ama não se coloca em questão o sentido da vida. Um gesto de amor vale mais que toda a massa de matéria do universo, dizia Pascal. O Criador é o Ser que nos faz ser. É próprio do amor sair de si mesmo. Somos o centro do amor de Deus. Ele nos desejou desde sempre, nos criou e recria a cada instante. Seu amor nos conduz providencialmente. Aceitar ser amados, crer no amor, deixar-se amar, sentir-se amável, eis nossa resposta ao amor de Deus.

Dom Orlando Brandes

Formação: Agosto/2009

26.04Este livro busca oferecer uma ajuda a todos os que têm o nome ‘pai’, quer biológico, quer espiritual, para estabelecer um relacionamento de amor. Só assim podemos ter a certeza de que o amanhã será melhor do que o hoje. Pai e filho de mãos dadas, caminhando unidos para preservar e defender a vida.

Adquira o seu [AQUI]


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *