Formação

Heróis da Fé: São Sebastião, o jovem militar que escolheu Cristo

Há muitos casos de cristãos ou pagãos que primeiro dedicaram suas vidas ao serviço militar e que acabaram chamados a servir exclusivamente ao Senhor ou mesmo a sofrer o martírio para não apostatar da fé.

comshalom

No decorrer dessas semanas, vimos que um herói da fé pode ser quase tudo: fraco, pecador, inexperiente, enfermo, pequeno, até mesmo um assassino, menos um covarde. De fato, a vida cristã é uma grande batalha, uma luta cotidiana contra o mundanismo, os apelos da carne e as insídias do maligno, na qual não há espaço para a pusilanimidade, portanto, entre quedas e soerguimentos, de combate em combate, é que vigorosamente são forjados os santos.

E onde nasce essa coragem heroica? Já aprendemos isso também: vem de Deus – o forte Guerreiro, o Valoroso nas batalhas, o Senhor dos exércitos, que socorre intrepidamente Seu povo eleito, como vemos no livro de Isaías: “Habitantes dos rochedos, aclamai; dos altos montes sobem gritos de alegria! Todos eles deem glória ao Senhor, e nas ilhas se proclame seu louvor. Eis o Senhor, como um herói que vai chegando, como um guerreiro com vontade de lutar, solta seu grito de batalha aterrador, como um valente que enfrenta os inimigos” (Is 42, 11b-13).

Dito isso, nos deparamos com a passagem do Evangelho de São Mateus que retrata bem o tipo de coragem que um herói da fé precisa ter: “Desde os dias de João Batista até agora, o Reino dos Céus sofre violência, e violentos se apoderam dele” (Mt 11,12). Tal violência refere-se tanto à ação de lançar-se nos caminhos de Deus em um grande ato de abandono, fé e esperança, quanto à necessidade de, por vezes, fazer violência contra si mesmo, contrariando a própria vontade, a fim de configurar-se inteiramente aos planos divinos, pela força do Espírito Santo, através do exercício das vigorosas virtudes da fortaleza, longanimidade, perseverança e coragem.

Um herói da fé militar

Assim, desde os dias de João Batista, vem-se formando um poderoso exército de homens e mulheres santos, em prol da luta pelas almas do mundo. E por falar em exército, hoje vamos falar sobre os santos militares. Há muitos casos de cristãos ou pagãos que primeiro dedicaram suas vidas ao serviço militar e que acabaram chamados a servir exclusivamente ao Senhor ou mesmo a sofrer o martírio para não apostatar da fé.

Para citar alguns desses santos guerreiros ou santos atletas de Cristo (como também são conhecidos), temos: São Cristóvão, Santo Expedito, São Jorge, Santo Inácio de Loyola, Santo Eustáquio, São Martinho de Tours, Santa Joana D’Arc e o nosso herói da fé de hoje: São Sebastião. Nascido na cidade de Narbona, na França, no ano de 256 d.C., Sebastião mudou-se para Milão com sua família quando ainda era pequeno. Lá ingressou na carreira militar, a exemplo de seu pai, chegando à importante patente de Capitão da 1ª Guarda Pretoriana. Sua grande dedicação à carreira era conhecida, inclusive, pelo imperador Maximiano, que governava o Império Romano do Ocidente.

Porém, a origem cristã de Sebastião era desconhecida pelo imperador. Sebastião não tomava parte nos martírios dos fiéis e nos cultos pagãos da época, ao contrário, costumava visitar os cristãos presos e prestar socorro aos que estavam enfermos. O imperador, por sua vez, ao tomar conhecimento que havia cristãos servindo em seu exército, iniciou uma grande investigação a respeito desses soldados e acabou expulsando todos eles, exceto os que eram filhos de outros militares, como era o caso do nosso herói da fé.

Todavia, quando Maximiano descobriu que Sebastião também era cristão, exigiu que renunciasse à fé em Jesus Cristo, pois o imperador se sentia traído pela opção religiosa de um de seus melhores combatentes, porque, desde o governo de Caio Júlio César Otaviano (27 a.C. a 14 d.C.), os imperadores romanos recebiam o título de Augustus e eram considerados como deuses, aos quais os súditos deveriam prestar culto. Sebastião, no entanto, resistiu às investidas de Maximiano, e acabou sendo condenado à morte, para servir de exemplo aos outros soldados.

Uma morte cruenta e dolorosa

O imperador ordenou que o capitão tivesse uma morte cruenta e dolorosa, para aterrorizar os demais cristãos, assim, o jovem foi amarrado em um poste do Stadio Palatino, alvejado por várias flechas e abandonado para que sangrasse até morrer. Entretanto, horas depois, o jovem capitão foi resgatado por uma cristã chamada Irene, que o escondeu em sua casa e cuidou de seus ferimentos até que Sebastião se recuperasse totalmente. Curado, ele foi ao encontro de Maximiano, a fim de suplicar pelo fim da perseguição aos cristãos, porém, o imperador ordenou que Sebastião fosse açoitado até a morte e que seu corpo fosse jogado em uma fossa, para que nenhum cristão pudesse encontrá-lo.

Depois de morto, Sebastião apareceu em uma visão a Lucina, outra cristã romana, revelando-lhe a localização exata do seu corpo e pedindo que fosse enterrado nas catacumbas dos apóstolos. Todavia, muitos acreditam que ele foi sepultado no jardim da casa de Lucina, na Via Ápia, onde ergueu-se uma basílica em honra de sua memória. O culto a São Sebastião surgiu no século IV e difundiu-se rapidamente pelas Igrejas Católica e Ortodoxa, atingindo seu ápice entre os séculos XIV e XV.

Por fim, resta dizer que, pelo seu testemunho de fé, coragem e violência de coração, São Sebastião e tantos outros santos militares foram verdadeiros heróis da fé e puderam, concretamente, unir-se ao salmista que proclama a vitória dos fiéis na luta pelo Reino dos Céus: “Bendito seja o Senhor, meu Rochedo, que adestrou minhas mãos para a luta, e os meus dedos treinou para a guerra! Ele é meu amor, meu refúgio, libertador, fortaleza e abrigo. É meu escudo, é nele que espero” (Sl 143, 1-2).

São Sebastião, rogai por nós!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Como Cristão, foi morto por recusar-se a prestar culto a Maximiano; com todo o respeito acredito ser o certo nós fazermos o mesmo e não prestar-lhe culto.

    1. Excelente colocação.
      Não devemos ter ídolos.

      Sebastião de Narbona é um gigante da fé, mas o único que roga por nós é o Espírito Santo do Senhor. Deus nos abençoe, irmãos