Parresia

Homem e Mulher: Unidade e Complementaridade

Percebe-se que o processo de formação da identidade sexual é complexa e ampla, posto que os três aspectos são integrados e graduais. Não podemos reduzir o ser humano em sua complexidade, em uma visão “essencialista” ou em uma visão “culturalista”.

Foto: Unsplash

Em um ponto de vista teológico em Mulieres dignitatem “Deus criou o homem à sua imagem […], homem e mulher os criou” (Gn 1,27), é dada a natureza original do homem, criado à imagem de Deus. A diferença sexual e a irrevogável abertura ao outro são dimensões constitutivas do ser humano, nos relacionamos com o outro e somos chamados a viver em assim como a comunhão trinitária. Em análises das ciências humanas, dentro do contexto acadêmico, uma grande corrente vem realizando uma produção de conceitos e premissas, causando muitas confusões a respeito do “masculino” e do “feminino”- a ideologia de gênero, fruto do movimento feminista.

Joan Scott (1995), historiadora, realizou um estudo sobre a concepção de gênero e a mesma afirma que as feministas americanas iniciaram o uso do termo “gênero” para enfatizar o caráter social das distinções entre sexo e rejeitar o que ela mesma chama de determinismo biológico implícito nos termos “sexo” ou “diferença sexual”. Deste modo, tal como Jutta Buggraf (2007) ressalta, na ideologia de gênero evoca-se o binômio sexo e gênero, em que sexo diz respeito às determinações naturais biológicas, existindo dois sexos caracterizados genitalmente (homem e mulher).

Gênero, por sua vez, diz respeito aos papéis exercidos pelos indivíduos na sociedade, sendo o indivíduo produto da cultura. Alguns estudiosos, por exemplo, afirmam que o amor materno não faz parte da natureza da mulher, mas foi produto de uma construção sócio-histórica e pode ser destruído, dependendo da cultura vigente, desconsiderando o corpo e a natureza da mulher.

No mesmo sentido, na clássica obra “A origem da família, da propriedade privada e do estado”, de Engels, afirma-se que o amor da conjugalidade não é da essência do homem, é fruto da construção cultural da sociedade, na fundação da propriedade privada. Tais pensamentos têm como projeto provocar uma conversão cultural gradativa, desconstruindo conceitos como família, educação e inclui o feminino e o masculino. Deste modo, junto ao feminismo e à ideologia de gênero, nasce uma grande revolução cultural, ou revolução sexual: questiona-se os termos constitutivos do ser homem e mulher e o sexo não define o gênero, sendo totalmente definido pela construção sócio-histórica-cultural.

A esse propósito são relevantes as posições de Simone Beauvoir (1967), que afirma que a “feminilidade não é uma essência, nem uma natureza”, mas um fato cultural e histórico, que pode sofrer transformações radicais. A mesma ainda ressalta que não se nasce mulher, torna-se mulher.

Judith Butler (1999), outra pensadora relevante na teoria feminista, propõe uma nova construção do termo gênero. Ela propõe um novo olhar sobre o pensamento dicotômico sexo/gênero, alegando que gênero não seria algo substantivo, mas seria um fenômeno inconstante e contextual. “Ser um gênero é um efeito” (p.58), são como expressões momentâneas. Em outras palavras, a autora vai além do que as feministas da geração anterior, relativizando mais ainda sexo e gênero, acrescentando: “não há nada em sua explicação [de Beauvoir] que garanta que o ‘ser’ que se torna mulher seja necessariamente fêmea” (p. 27).

Um dos pontos a ser questionado dentro dessa teoria é que se negligencia a dimensão biológica do sujeito, em seus aspectos naturais e físicos. Ocorre, desta forma, uma separação entre sexo e gênero, natureza e cultura, havendo, assim uma redução da dimensão do homem. A dimensão biológica deixa de ser considerada, posto que ela revela aspectos, segundo as teóricas feministas, que exaltam afirmações universalistas que aprisionam a feminilidade em modelos estruturados, que acaba justificando a discriminação das mulheres. Sob essa ótica, deve-se superar a construção de conceitos essencialistas, que produzem um discurso de poder, aumentando as diferenças sexuais. Infere-se dessa perspectiva que, anulando as diferenças (afirmando que tudo é fruto da cultura), cria-se uma relação igualitária entre os sexos.

A causa da luta pelos direitos da mulher, defendida na perspectiva feminista, foi arraigada pela concepção da luta de classes marxista, utilizando seus conceitos e linguagens, tal como Georges Cottier afirma. Tal luta ressalta que a diferença entre homens e mulheres é vista como antagonismo e rivalidade, uma luta de “oprimidos” pela sua liberdade. Tal concepção acaba causando uma confusão nos termos “igualdade e identidade”, desconsiderando as diferenças em prol de uma busca de igualdade de direitos e dignidade. Cottier ainda afirma que “não é absolutamente exigido que os seres humanos sejam idênticos para que sejam iguais. A igualdade implica mesmo a ideia de de diferença, de singularidade, de originalidade” (p. 509).

A concepção defendida nesse texto é a concepção abordada por uma visão holística do homem e mulher. Somos definidos pelas nossas relações, que envolvem a cultura e a história, mas também somos definidos pelo biológico, temos um corpo que define tendências comportamentais, hormônios alteram emoções. E que homem e mulher têm corpos e funcionamentos diferentes, fruto da sua natureza e também da cultura vigente.

Tal como Jutta Buggraf (2007) no texto Gender bem salienta, o processo de identidade de homem e de mulher é formado pelo entrelaçamento de três aspectos: o sexo biológico, que diz respeito a corporeidade, é determinado pelo momento da fecundação, e as bases biológicas condicionam o organismo; o sexo psicológico, que diz respeito à experiência de vida psíquica, em que se forma a consciência, em uma primeira fase do desenvolvimento (2 a 3 anos de idade) e pode sofrer influência pela educação e ambiente que a criança habita; sexo sociológico, que refere-se aos papéis que a sociedade confere ao sexo e é fruto dos processos histórico-culturais. Deste modo, percebe-se que o processo de formação da identidade sexual é complexa e ampla, posto que os três aspectos são integrados e graduais. Não podemos reduzir o ser humano em sua complexidade, em uma visão “essencialista” ou em uma visão “culturalista”.

Angelo Scola (2010) também enriquece bastante essa discussão afirmando que “homem e mulher são identicamente pessoas, mas sexualmente diferentes” (p.20), em igual dignidade e que “a diferença sexual é irreparável” (p. 19). O autor considera a diferença como algo que faz parte da constituição do ser humano e que o eu sempre nasce através de uma relação com um outro. “Este é um caráter inscrito de modo indelével na natureza de todos os seres humanos” (p. 19).

Scola ressalta que a diferença é escola elementar e não deve ser desconsiderada, reduzindo o homem e a mulher a uma diversidade de papéis construídos socialmente, cai-se em um erro. Scola cita a Carta apostólica Mulieres Dignitatem de João Paulo II, que afirma que a mulher assume esse lugar do outro. E quem é esse outro? “No sentido último da palavra, é o próprio Deus” (p. 27), não haveria, deste modo, um sentido que mais exaltasse sua identidade, não haveria inferioridade, nessa profunda relação de atração pela diferença.

Pensar em uma perspectiva complexa e profunda, tendo por base que o homem nunca poderá tocar completamente na extraordinária e misteriosa dimensão constitutiva do ser homem e mulher, parece-me a melhor afirmação. Entendendo que não podemos reduzir algo tão profundo e relacional (eu e o outro) e não podemos também negar as diferenças entre os sexos, tal como as feministas realizam, tentam liquidar o “problema”, reduzindo-o e o relativizando-o.

Larissa Silva Barros
Psicóloga e Comunidade de Aliança

REFERÊNCIAS

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

BURGGRAF, Jutta. “Pontifício Conselho para a Família / Lexicon”. Brasília. Edições CNBB. 2007.

COTIER, George.“Pontifício Conselho para a Família / Lexicon”. Brasília. Edições CNBB. 2007.

DE BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo, volume 2. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1967.

ENGELS, F. El origen de la familia, de la propiedad privada e del estado. Buenos Aires: Clariedad. (Original publicado em 1884), 1964.

JOÃO PAULO II, Carta apostólica Mulieres dignitatem (15 de agosto de 1985).

SCOLA, Angelo. Homem e mulher: o desafio do amor humano – Belo Horizonte: Centro de Cultura e educação cristã da Arquidiocese de Belém do Pará. Editora O Lutador, 2010.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20, 71-99, 1995.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *