Institucional

Ir aonde não há padre

As Missionárias de Jesus Verbo e Vítima têm muitas vezes que se deslocar por horas de barco para visitar um povoado isolado

“Tupãsy! Tupâsy? A mãe de Jesus está chegando!” Essas foram as palavras ditas em Guarani para recepcionar as Missionárias de Jesus Verbo e Vítima. O povo das aldeias remotas do departamento de Canindeyú do Paraguai, fronteira com os estados brasileiros do Mato Grosso do Sul e Paraná, nunca tinham visto freiras usando véus antes.

Quando as Missionárias de Jesus Verbo e Vítima, saídas do Peru, chegaram ali em meados do século XX, foi uma grande novidade para as comunidades rurais da paróquia da Virgem do Carmelo de Villa Ygatimy, uma aldeia localizada a cinco horas, a nordeste de Assunção, capital do Paraguai. A região paroquial tem cerca de 20 mil fiéis nas 100 capelas dispersas na Diocese de Ciudad del Este, cujo extensão é equivalente ao território da Bélgica.

Os fiéis, ávidos por sacramentos

“Há três sacerdotes em Curuguaty, a 45km daqui, que atendem a 92 capelas, onde só as vezes conseguem estar presentes. São eles que visitam as comunidades que não estão perto das rodovias asfaltadas, e que só podem ser acessadas em tempo seco, por conta das estradas de terra. A comunidade de Katuaté está a 160 quilômetros… e o sacerdote chega lá três ou quatro vezes por ano. Durante uma semana visita as capelas, celebra Missa e atende confissão, por vezes, durante um dia inteiro. Os fiéis esperam sua vez pacientemente, por horas, para receber os sacramentos”, explica a madre María Luján, uma religiosa argentina.

Suas irmãs peruanas, responsáveis por animar a pastoral nas comunidades rurais sem sacerdote, celebram casamentos, batismos e funerais, organizam a Liturgia da Palavra e levam a Eucaristia para os doentes. Este é o carisma das Missionária de Jesus Verbo e Vítima: ir aonde não há a presença de sacerdotes por meses ou até anos. “Nossas irmãs vivem e atuam nas mais remotas áreas da América Latina. Elas cuidam das pessoas que não têm endereço postal, dos pobres e esquecidos na Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai e Peru”, explica a madre María Lujan.

Esperando 4 anos a chegada de um padre

“Para receber a hóstia consagrada, nós viajamos 45 quilômetros até a cidade brasileira de Paranhos no Mato Grosso do Sul”, continua María Luján. Nós então dirigimos até a capela de Santo Antônio, a 12 quilômetros da cidade mais próxima, na companhia do padre Ernesto Zacarías, o ecônomo da diocese. Atordoados pelos caminhos de terra cheios de ramificações, finalmente chegamos a comunidade de 34 casas, com um total de 210 fiéis.

Os fiéis estão há mais de uma hora nos esperando pacientemente entre cânticos em espanhol e em guarani, no meio de um calor húmido e asfixiante de dezembro. Se reúnem numa pequena construção de alvenaria, que eles mesmos ergueram em conjunto, e ali expressam sua alegria com a chegada do padre. Ele é o primeiro clérigo que pisa nesse remoto lugar em quatro anos. “Levam até ele as pessoas enfermas e, as que não podem se deslocar, ele vai até suas casas para dar a unção dos enfermos. O ‘sequestramos’ para as confissões, que duram horas… o sacerdote termina exausto”, brinca a madre Lorena, a religiosa peruana responsável por essa comunidade de fiéis. Natural de Cajamarca, uma aldeia no planalto do norte do Peru, serve em Ygatimy faz três anos.

A chegada das religiosas transformou a comunidade

Os habitantes das aldeias gostam da presença das religiosas peruanas. “Dizem que estão felizes por Deus vir visitá-los e por Ele se deslocar até as pessoas simples. Eles são muito pobres, “mas tem tanta sede de espiritualidade!” Nas aldeias, onde a natureza lindamente mistura o verde das árvores com os tons vermelhos-ocre da terra, os habitantes vivem da agricultura, pecuária, produção de queijo e da colheita de frutas. Depois da missa, os fiéis falavam sobre a infeliz situação em que os jovens vão para a cidade para obter seus diplomas, e depois, tendo contato com a vida da cidade com suas modernas tecnologias e tentações, eles não querem mais voltar para as aldeias que são completamente isoladas, não querem voltar para a vida simples e cheia de dificuldades.

Desde que as irmãs chegaram em 1999, diz a Madre Lorena, a região sofreu uma transformação. “Observamos uma transformação espiritual. Antes, as pessoas mal participavam da vida paroquial. A igreja estava suja, sem cuidados. Os retiros espirituais levaram a uma grande mudança. Agora, há mais solidariedade e menos abuso de álcool e drogas. Os doentes são melhor cuidados”.

Continuamos nosso percurso por mais uns cinquenta quilômetros numa estrada de terra e pó e chegamos à Paróquia Nossa Senhora de Fátima, em Ypehu, na cordilheira de Amambay. Aqui nos recebe a madre Beatriz, superiora da pequena comunidade local das Missionárias de Jesus Verbo e Vítima.

Seitas protestantes do Brasil

Tenho como base o convento, as freiras peruanas realizam a pastoral em treze capelas. A mais distante está a 41 quilômetros de distância. No entanto, todas estas capelas só podem ser alcançadas por estradas muito acidentadas, que colocam em teste seu veículo all-terrain (apropriado para todo tipo terreno). Um padre do Brasil visita essas aldeias quatro vezes por ano. Durante a Semana Santa, um padre enviado pelo bispo da Ciudad del Este vem celebrar o sacramento da confirmação.

Em Ypehu, as seitas protestantes do Brasil são uma grade preocupação para a madre Beatriz. Elas podem ser encontradas a pouca distância. “Algumas dessas seitas tem como alvo os pobres, distribuindo alimentos e oferecendo aulas para eles. Essa é a principal razão pela qual as pessoas vão até essa seita. Depois, o pastor os obriga a participar dos cultos. Entretanto, eles ainda participam das nossas celebrações litúrgicas nas missas. As pessoas querem batizar suas crianças na Igreja Católica por terem uma fé enraizada e serem devotos de Nossa Senhora de Caacupé”, explica a irmã peruana.

“Antigamente, cinco entre dez pessoas vinham à Missa. Todavia, desde que as irmãs chegaram, a igreja está sempre cheia”, confirma um paroquiano, que encontramos no jardim da igreja. As religiosas missionárias Madre Beatriz, e as irmãs Adriana, Edith e Felicia, no entanto, afirmam que se um padre se instalasse ali de forma permanente nesta paróquia (antes administrada pelos Padres do Verbo Divino), elas deixariam o lugar rapidamente para ir a outro onde não há sacerdote, pois “esse é nosso carisma!”


Mais de 400 Missionárias de Jesus Verbo e Vítima trabalham nas 38 estações missionárias localizadas em lugares isolados e de difícil acesso de diferentes países latino-americanos. As irmãs chamam esses lugares de “Patmos”, pela igreja grega onde o apóstolo São João viveu no exílio. Partindo destas estações, as religiosas têm muitas vezes que se deslocar de carro por horas em caminhos de terra, ou, inclusive, caminhar dias a pé, de mula ou barco para visitar um povo abandonado ou pequeninas aldeias de poucas famílias. Se diz que “ali onde termina uma rodovia asfaltada, é onde começa o trabalho dessas missionárias” com um carisma tão especial.

A ACN (Ajuda à Igreja que Sofre) ajuda anualmente as Missionárias de Jesus Verbo e Vítima
com projetos de transporte, formação e ajuda existencial no Perú e na Bolívia.

Fonte:ACN(Brasil)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *