Institucional

Irmã Lúcia mais perto da beatificação

comshalom

A fase diocesana do processo de canonização da Irmã Lúcia de Jesus (1907-2005), uma das três videntes de Fátima, foi encerrada nesta sexta-feira (13), indica nota da agência portuguesa Ecclesia. O anúncio foi feito pela Diocese de Coimbra, onde morreu a religiosa e foi aberto o processo, em 2008.

O processo de beatificação de Irmã Lúcia teve início em 2008, apenas três anos depois de sua morte, o que é incomum já que na Igreja os processos têm um prazo mínimo de cinco anos após a morte do candidato. Na ocasião, o Papa Bento XVI concedeu uma dispensa para que o processo fosse iniciado.

De acordo com a vice-postuladora da causa de canonização da Irmã Lúcia, irmã Ângela Coelho, a “vasta documentação” da religiosa exigiu tempo e prolongou essa primeira etapa de pesquisa.

“É um desafio. Obviamente que estamos todos muito ansiosos pela sua beatificação, mas eu penso que a Irmã Lúcia merece um estudo muito aprofundado e rigoroso, não só para a questão histórica, que é muito importante, mas concomitantemente, para a sua dimensão espiritual”, afirmou.

“Creio que prestamos um melhor serviço à própria Lúcia, à sua santidade e características, se estudarmos bem a documentação que existe”, sustentou a religiosa.

O processo para a canonização da Irmã Lúcia considerou a sua longa trajetória. “Foi uma mulher que viveu quase 98 anos, que se correspondeu com Papas, desde Pio XII até João Paulo II, com cardeais, bispos”, esclareceu a vice-postuladora.

“Lúcia escreveu a irmãos de outras confissões religiosas e a milhares e milhares de pessoas, que agora nos começam a devolver as respostas que a Lúcia deu – conseguimos recolher mais de 11 mil cartas -, o que torna o processo complexo”, admite.

Irmã Ângela Coelho também é postuladora da causa de canonização dos pastorinhos Beatos Jacinta e Francisco Marto, os irmãos que, juntamente com Lúcia, segundo o testemunho reconhecido pela Igreja Católica, presenciaram as aparições da Virgem Maria na Cova da Iria, entre maio e outubro de 1917.

Próximas fases 

Terminada a fase diocesana, o postulador vai elaborar a ‘Positio’. Trata-se de um resumo dos relatos e estudos realizados pela comissão, contendo uma biografia documentada e a apresentação das virtudes teologais e cardeais praticadas pela “Serva de Deus”. Assim que aprovado, pela Congregação para Causa dos Santos, o Papa concede o título de “Venerável Serva do Senhor”.

A segunda etapa do processo consiste no exame dos milagres atribuídos à intercessão da “venerável”; se um destes milagres é considerado autêntico, a “venerável” é considerada “beata”. Para a canonização, a Igreja tem que aprovar um segundo milagre, para então proclamar a religiosa “santa”.

A canonização, ato reservado ao Papa, é a confirmação por parte da Igreja de que um fiel católico é digno de culto público universal e de ser dado aos fiéis como intercessor e modelo de santidade.

Fonte: A12


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *