Institucional

José, homem de fé e de vida interior.

comshalom

jose

No decorrer da caminhada quaresmal, a Igreja celebra a Solenidade de São José. No silencio do homem justo de Nazaré encontramos o perfil de um “contemplativo na ação”. Enquanto trabalhava estendia o clima de silencio e de profunda contemplação do mistério “escondido” com o qual mantinha contato todos os dias. É no seu intimo que José faz o sacrifício de sua vida inteira às exigências da vinda do Messias até sua casa. É dela que provem as decisões de se colocar integralmente a dispor dos desígnios divinos, oferecendo sua própria liberdade, sua legitima vocação humana, aceitando viver num incomparável amor virginal e renunciando ao natural amor conjugal que constitui e alimenta a mesma família. José é um homem comum mas senhor de sua vontade pois a coloca em prontidão para o serviço de Deus.

Na noite da fé ecoa dele um “Fiat” silencioso que encontra o de Maria e o de Jesus na sua oferta total na cruz. O que precisamente une José a Maria e a seu Filho é o Amor verdadeiro e as exigências do mesmo amor. Um ama o outro e se dá ao outro e pelo outro. José faz a experiência desse amor porque contempla a humanidade de Cristo e presta serviço de caridade para o desenvolvimento desta mesma humanidade.

No evangelho José é destacado como justo (Mt 1,19); sua justiça não se caracteriza por uma mera observância das leis, mas por uma profunda escuta da vontade de Deus. Na vida da Igreja, houve sempre um lugar distinto para a sua veneração: há relatos do século VII nos quais a Igreja já pedia sua intercessão e sua festa litúrgica foi instituída no século XII e durante os séculos foram dadas a seu nome as mais variadas distinções. O papa Pio IX em 08 de dezembro de 1870 o declarou Patrono da Igreja Universal.

O esposo de Maria e pai nutrício de Jesus é recordado duas vezes no calendário litúrgico: pela “solenidade de São José, esposo da Virgem Maria”, no dia 19 de março, e pela “memória facultativa de são José operário”, no dia 1° de maio. Na solenidade do dia 19 de março é recordado que são José é o homem justo e fiel que Deus pôs como guarda de sua casa; é ele quem liga Jesus a descendência de Davi (Mt 1,1-16). Os textos eucológicos citam  José como aquele que se consagrou ao serviço do Filho de Deus, nascido da Virgem Maria e chefe da Sagrada Família. Note-se que esta celebração recorda o mistério da Encarnação, do qual José é participante. Os textos bíblicos exaltam a figura de José a quem foi confiada a guarda de Jesus e de Maria.  Diferente da  solenidade, a memória de são José operário foi instituída por Pio XII em 1955 no contexto da festa dos trabalhadores celebrada no mundo todo no dia 1° de maio.

Santo Irineu afirma que “assim como José cuidou com amor de Maria e se dedicou com empenho jubiloso à educação de Jesus Cristo, assim também guarda e protege o seu Corpo místico, a Igreja, da qual a Virgem Santíssima é figura e modelo“, supliquemos sua intercessão para que as portas da divina providência se abram e a graça de Deus seja derramada a fim de que no intimo de nossas vidas imolemos a Deus um sacrifício santo para gerar vidas novas para Deus e para a Igreja.

 

Vinicius Ribeiro
(Missionário da Comunidade Shalom – Fortaleza)
Assessoria Litúrgico-sacramental

 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *