Formação

Liturgia e Missão

comshalom

Na liturgia celebramos por Cristo, com Cristo e em Cristo, a vida Cristo suas conquistas e dificuldades na implantação do Reino de Deus no mundo secular.

Da celebração haurimos forças para recomeçar a missão evangelizadora. A liturgia torna-se, desse modo, a fonte e o ápice de toda a vida cristã (SC 10).

A liturgia projeta a Igreja que celebra e todos os seus membros para um ideal de continuidade. Fecundada pelo encontro com o Senhor, à comunidade cristã é em sentido todo especial, templo do Espírito Santo, lugar onde Ele irrompe, estimulando os fiéis a serem testemunhas de Cristo, anunciadores do Seu EvangeIho numa missão permanente que conduzirá a humanidade à verdade plena (Jo 16,13).

MISSÃO: AUTENTICIDADE DA IGREJA

Na liturgia celebramos o Espírito que nos foi enviado. Essa abertura missionária demonstra a autenticidade da Igreja, sinal e instrumento da união dos homens com Deus em Cristo, e da unidade de todo o gênero humano (LG 1).

No Antigo Testamento, as palavras dos profetas são anúncios missionários para Israel, preanunciando a chegada do missionário por excelência, Jesus Cristo.

Jesus, por sua vez, não faz acepção de pessoas; a todos anuncia que o tempo se cumpriu e o Reino de Deus está próximo (Mc 1,15). AcoIhe a todos, crianças, adultos, pobres e ricos, judeus e pagãos, doentes e pecadores, homens e mulheres. Ele envia os discípulos a todos os povos (Mt 28,19), para anunciar a remissão dos pecados (Lc 5,32) até a consumação dos séculos.

Paulo descreve o trabalho missionário não apenas em termos de serviço (diaconia), mas também no sentido de celebração (liturgia). De fato, a vida do apóstolo se torna oferta sacrifical a Deus, a serviço da missão (Rm 15,16).

EVANGELIZAÇÃO: FUNÇÃO LITURGICA

A evangelização é também função litúrgica, sagrada. Com sua conversão a
Cristo, os neófitos se tomam oferta santificada pelo Espírito e aceita por Deus.
O missionário não só participa do Mistério Pascal como Cristo, mas traz ainda em si, sob nova forma, o mistério da redenção que irá anunciar aos irmãos (C1 1,24-25).
Na Igreja primitiva uma série de ritos faz parte da catequese e da liturgia catecumenal missionária.

O Concilio Vaticano II, em sua Constituição sobre a liturgia, faz alusão ao caráter missionário quando afirma:

a liturgia precisa adaptar-se às culturas e à índole dos povos (sc 37-40),
as reformas a serem viabilizadas tenham em vista as necessidades de cada região
(sc 63 e 65), as realidades de cada povo (sc 77, 107, 110), a riqueza e a peculiaridade musical (sc 120) e os costumes locais (sc 128).
A CEI (Conferência Episcopal Italiana), num documento sobre a evangelização e os sacramentos (1973), afirma: “Não se pode separar a pastoral e a vida sacramental do conjunto da missão cristã, já que a evangelização é a comunicação ao mundo do dom de Deus, que procede de Cristo e que, graças ao Espírito Santo, passa através da nossa experiência de discípulos de Cristo. Portanto a pastoral sacramental pode ser reconhecida e praticada como meio autenticamente missionário”

CRISTO AGE NAS AÇÕES LITÚRGICAS

Não podemos esquecer que Cristo, o enviado do Pai, está presente e age pelo seu Espírito em todas as ações litúrgicas, sobretudo na celebração da Eucaristia, a fim de continuar a obra salvífica universal.

A liturgia é memorial do Evento Pascal não apenas durante a celebração, mas também fora do contexto celebrativo, quando fortalece a ação missionária. A caridade celebrada na liturgia é fonte de verdadeira missão (AA 3).

A missão visa realizar no mundo e na história o desígnio salvífico de Deus. Pela transformação do pão e do vinho no Corpo e no Sangue do Senhor, a criação e a história se transformam em sacramento de salvação.

A liturgia é missionária por sua própria natureza. Essa dimensão precisa ser redescoberta e aprofundada, a fim de que não caiamos no neo-ritualismo vazio e desligado da vida e da realidade.

Há perguntas que precisam ser respondidas e oportunamente examinadas perante os desafios do mundo secular:

Que mundo a Igreja é chamada a evangelizar?
Com que linguagem?
Que liturgia se exige para que a Igreja seja evangelizadora?

fonte:pime.org.br


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *