Formação

Livros Proféticos e Livros Sapienciais

comshalom

Dentre os livros do Antigo Testamento, após o Pentateuco e dos livros narrativos seguintes, temos os Livros Proféticos e os Sapienciais.

1. Livros Proféticos

INTRODUÇÃO:
Em hebraico – profeta = nabi = o que é chamado
Em grego – pro = em nome de; Phemi = falar – falar em nome de Deus.
O profeta recebe um chamado de Deus para ser mensageiro e intérprete da Palavra Divina; teve um encontro pessoal e extraordinário com Deus e esta experiência o convocou a se tornar este mensageiro.

Tipos de pregação profética:

1. Exortações – é um apelo do coração do homem para que este evite a desventura. Geralmente começa: “escutai”.

2. Oráculos – tinham geralmente um tom ameaçador. Tem motivação moral e anuncia ventura ou desventura futura.

Temas das mensagens proféticas:

Os profetas falavam principalmente aos próprios contemporâneos, mas sua visão acerca do mundo engloba o passado, o presente e o futuro. O profeta vê num só relance as verdades eternas e os fatos em que elas se mostram. A mensagem de cada profeta varia de acordo com o momento histórico em que viveram e com os ouvintes de sua pregação. Temas principais: a salvação realizada em Cristo, o anúncio do Messias, a glória de Deus.

Profetas antes do exílio:

Sofonias, Naum, Habacuc, Miquéias, Isaías, Jeremias, Oséias e Amós.
-Mostravam ao povo e reis as suas faltas
– Deus os entregaria aos estrangeiros pelas suas faltas.
– Exigiam a conversão do povo, para que não caísse sobre o país o julgamento de Deus.

Profetas durante o exílio:

Ezequiel, Isaías (40-55)
– Viveram na Babilônia
– Chamados profetas da consolação
– Procuram erguer o ânimo do povo, para que retornem a caminhada e recuperem a fé em Deus.

Profetas depois do exílio:

Abdias, Ageu, Zacarias, Malaquias, Joel, Isaias, Jonas
Incentivaram o povo a reconstruir o templo, os muros e a cidade de Jerusalém.
– Empreender a reforma religiosa, moral e social da comunidade judaica, predizendo a glória do futuro Messias.

2. Livros Sapienciais

A literatura sapiencial de Israel fundamenta seu ensinamento sobre a experiência do seu povo, na fé em Iahweh. Os sábios de Israel orientam seu pensamento para a sabedoria em Deus.

LIVROS SAPIENSIAIS – Provérbios, Jó, Eclesiástico e Sabedoria
– Acrescenta-se dois livros poéticos: salmos e Cântico dos Cânticos.

1. Livro de Jó:

Se preocupa com o problema do sofrimento do homem reto. A intervenção de Deus para revelar persistirem na fé mesmo no sofrimento.
Preparação do futuro conhecimento do valor do sofrimento humano unido ao sofrimento de Cristo.
Revelações escatológicas:

– Provação do justo – se transformará em beatitude eterna.

– Prosperidade do ímpio – leva ao afastamento de Deus.

a. Tese antiga – tese da retribuição do bem e do mal nesta vida; sofrimento como castigo de pecados pessoais; vida longa, saúde, dinheiro – prêmio de Deus aos fiéis (Dt 8, 6-18).
Os judeus antigos não tinham conhecimento da existência da vida consciente após a morte. Julgavam que depois da morte, tudo acabava. Só no séc. II a.C. tomaram consciência. Jó foi escrito no século V a.C.

b. Contexto que o livro de Jó foi escrito – os bons são recompensados nesta vida por Deus enquanto que os maus são punidos com doença e miséria.

c. O livro de Jó mostra que:
– O sofrimento não é desejado somente aos maus
– Deus não confirma a tese antiga
– Deus instrui o homem também pelos sofrimentos
– O sofrimento é instrumento de salvação
– Deus salva os penitentes arrependidos
– No sofrimento o homem confia que além do sofrimento está seu único libertador e pacificador.
– Deus ultrapassa a inteligência do homem
– Ninguém pode sondar os desígnios de deus
– Ninguém pode pedir contas a Deus dos seus planos.

2. Livro de Eclesiastes:

– Se preocupa com a felicidade do homem. Escrito (tese da retribuição do bem e do mal nesta vida)

– O autor é um judeu das Palestina (séc II aC.). Levanta críticas ao rei, ao reino e à corrupção. Fala do que ele observa e experimenta.

– Quando o autor fala do gozo dos prazeres materiais não é no sentido materialista (ateu), mas como ele não tinha conhecimento das vida póstuma consciente, ele convida seus discípulos a gozar dos bens que Deus lhe dá nesta vida.

– Expressões de amargurar e pessimismo significa a insatisfação do homem que espera uma resposta para seus anseios naturais.

– Rehma – todo homem foi feito para a vida, a justiça, a verdade, o amor, quando não os encontra sente amargura.

– Não consegue ver a felicidade garantida neste mundo, Inconsciente expressa o anseio do coração do homem pelo céu. Prefiguração de Mt 16, 26.

– Escrito depois do exílio (300aC.)

3. Provérbios:

– Os Provérbios foram escritos de Salomão (950 aC.) até depois do exílio (400aC.)

– São ensinamentos adquiridos por meio da experiência do povo, a fim de instruir e orientar o homem para a vida eterna.

4. Eclesiástico:

– Escrito em 190-180 aC. por Jesus ben Sirac, em Jerusalém , em hebraico e traduzido para o grego (132aC.) por seu neto. Ben sicar era escriba e conhecedor das Torá. Queria ajudar o povo a viver segundo a Lei.

– Título primitivo: sabedoria de Ben Sirac ou Siracida (hebraico). Os cristãos – o livro da Eclesia (Igreja).

– Apresentado aos catecúmenos como manual como manual dos bons costumes e à história do Antigo Testamento.

– Tema: produto de toda a vida do homem, com sua meditação na Torá.

· Sabedoria = Torá.
· Objetivo – ensinar a piedade e a moralidade.

– Doutrina: exorta à humanidade, bondade, dar esmolas, denúncia o orgulho, o pecado da língua, o adultério, a inveja e a preguiça.

5. Sabedoria:

– Autor: um judeu de Alexandria (Egito), escreveu e, 50aC. Atribuiu Salomão. O título “sabedoria de Salomão é fictício. é o último escrito do Antigo Testamento.

– Contexto histórico: escrito em Alexandria, onde havia uma colônia de judeus, os quais para não serem marginalizados, deixavam seus costumes e sua fé, perdendo sua própria identidade para se conformar com uma cultura pagã, idolatra e injusta.

O autor alimentado pelas Escrituras, escreve o livro procurando reforçar a fé e ativar a esperança. Ensina a verdadeira sabedoria que vem de Deus e conduz a uma vida de felicidade.

– Doutrina: serve de prelúdio ao ensinamento sobre a graça que viria no Novo Testamento. É expressada como portadora da salvação para os homens (Sb 9-18).

6. Cântico dos Cânticos:

– Título Hebraico: o mais belo dos cânticos ou canto por excelência

– Autor – atribui-se a um autor depois do exílio, que escreveu em Israel no período das reformas de Esdras – Neemias.

– Tema: amor de Salomão (rei) por uma pastora.

– Doutrina: mistério da aliança de Deus com os homens.

A tradição vê a relação:

1. Deus com seu povo

(esposo) (esposa)

2. Cristo com a Igreja

(esposo) (esposa)

7. Salmos

– Resultado do trabalho de muitos hagiógrafos desde o tempo de Moisés (séc XIII aC.) até o séc III aC.

Salmo = Psalmoi (grego) = melodias
Saltério = psalterion (grego) = instrumentos de cordas, de onde se extrai melodias (coleção de 150 salmos)

– Os salmos nasceram em lábios humanos sob a moção do Espírito Santo

– O livro dos Salmos – 150 unidades em 5 partes:
Livro 1 – Salmo 1 a 41
Livro 2 – Salmo 42 a 72
Livro 3 – Salmo 73 a 89
Livro 4 – Salmo 90 a 106
Livro 5 – Salmo 107 a 150

» Mais Formações sobre Doutrina Católica e Sagradas Escrituras


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *