Formação

Mandamentos: Do 2º ao 5º

comshalom

Introdução

Hoje veremos do segundo ao quinto mandamento da lei de Deus. Porém, é importante que o façamos sempre sem perder de vista que os mandamentos são um dom de Deus, e nos indicam expressamente o bem que almejamos viver. Por causa do pecado original, muitas vezes este bem nos parece incompreensível, ou incompatível com os nossos sentimentos ou desejos mais superficiais. Mas é preciso compreende-mos que isto se deve à inclinação que temos ao pecado. Esta tensão sempre existirá em nós, assim como o desejo de Deus, que sempre será mais forte na medida de nossa adesão à Graça.

1. Segundo Mandamento (Cat 2142 a 2167)

"Não pronunciarás em vão o Nome do Senhor, teu Deus" (Ex 20, 7; Dt 5, 11).

Precisamos antes de tudo compreender o fundamento deste preceito. O Nome, segundo a linguagem das Sagradas Escrituras, representa a natureza íntima da pessoa. Tome Ex 3,13. Deus ao responder a pergunta de Moisés: "Que lhes responderei se me perguntarem qual é o seu Nome?" revela o seu Nome e com ele toda a sua essência. "Deus confia seu Nome àqueles que crêem n’Ele; revela-se-lhes no seu mistério pessoal. O dom do Nome pertence à ordem da confiança e da intimidade" (Cat 2143).

"O respeito para com o Nome de Deus exprime o respeito que é devido ao mistério do próprio Deus e a toda realidade sagrada que ele evoca" (Cat 2144):

a) Lugares sagrados: Igrejas e os cemitérios;

b) Coisas sagradas: altar, cálice, patena, cibório e outros objetos dedicados ao culto;

c) Pessoas consagradas: padres; religiosos, os quais merecem respeito pelo que representam, e dos quais nunca se deve falar mal.

E o fiel deve testemunhar o Nome do Senhor com a sua vida, que deve estar penetrada de adoração e de respeito a Deus, respeito este que se estende a tudo o que está consagrado a Ele. Um exemplo claro disso está em Mt 5,44-45.

2. Terceiro Mandamento (Cat 2168 a 2195)

"Lembra-te do dia do sábado para santificá-lo. Trabalharás durante seis dias, e farás todas as tuas obras. O sétimo dia, porém, é o sábado do Senhor teu Deus. Não farás nenhum trabalho" (Ex 20, 8-10; Ex 31,15; Dt 5, 12-15).

Três motivos porque os Apóstolos mudaram o dia do Senhor, do sábado para o domingo: Por ser o dia em que Jesus Cristo ressuscitou; Porque foi no dia de Pentecostes que o Espírito Santo desceu sobre os Apóstolos, e a Igreja se manifestou publicamente à multidão; Para que os cristãos não confundissem as festas cristãs com as judaicas. Modo de Cumprir o Terceiro Mandamento:

Participando da Santa Missa nos domingos e festas de guarda; Abstendo-se de praticar atos que impeçam o culto a Deus;
Dando-se ao devido descanso e à convivência fraterna.

3. Quarto Mandamento (Cat 2197 a 2257)

"Honra teu pai e tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá" (Ex 20, 12; Dt 5, 16).

O respeito a esse mandamento alcança os frutos espirituais de paz e de prosperidade. Ao contrário, a não observância desse mandamento acarreta grandes danos para as comunidades e para as pessoas (Cat 2200).

Esse mandamento não se restringe somente ao respeito aos pais, mas a outros tipos de autoridade, pois toda autoridade legítima vem de Deus, que sendo Deus o Criador e soberano Senhor do universo, faz participar desse seu governo os homens, delegando a eles parcela de sua autoridade.

Deveres para com os Pais e Autoridades:

Amor: interno e externo Respeito (Eclo 7, 27-28; Eclo 3, 9; Dt 5, 16)
Obediência (Pr 6, 20-22; Pr 13, 1)
Ajuda nas necessidades (Eclo 3, 18; Ex 21, 15-17) É importante observarmos que o Mandamento se estende também aos deveres dos pais para com os filhos:

Os pais são chamados a amar seus filhos, prestar-lhes atenção corporal e espiritualmente, e procurar que tenham um futuro humano proporcional ao seu estado e condição (Tb 4, 3-5). Dois aspecto dos deveres dos pais são o exemplo e o respeito à escolha de estado de vida.

É mais freqüente os pais pecarem por excesso de carinho, por amor desordenado, não subordinado ao amor de Deus, o que constitui grave perigo para o desenvolvimento harmonioso da personalidade do filho. Ex: mimos excessivos, falta de autoridade e abundância de meios materiais.

Outros Deveres que Este Mandamento Impõe:

Além dos pais e de outras autoridades civis e religiosas, este mandamento abrange outras pessoas a quem se deve obediência, amor e respeito, de modo especial, aos irmãos, parentes e amigos, e abrange também, os deveres de piedade para com o pessoal doméstico.

4. Quinto Mandamento (Cat 2258 A 2330)

Tomar Gn 4,1-12 ; Gn 9,5 e Mt 5,21-22

A vida é o mais alto bem na ordem natural. Se não tivéssemos sido gerados, permaneceríamos no nada, na mais absoluta ausência de realidade. A vida é um dom, uma dádiva, ninguém dá a vida a si mesmo. É um dom que recebemos de Deus, e da cooperação dos nossos pais. Por isto, só Deus é Senhor absoluto da vida, e não podemos dispor dela como queremos. E até mesmo quando exerce o dom da paternidade, o homem e a mulher são instrumentos de Deus na altíssima dignidade de transmitir a vida, e portanto, estão sujeitos às leis que o Criador promulgou para esse fim (cooperantes da Providência).

Assim, toda a vida humana deve ser considerada como algo de sagrado, visto que desde sua origem exige a ação criadora de Deus: "Tu antes de seres homem, não eras cinzas nem ossos; e, apesar disso, foste feito, não sendo antes absolutamente nada" (Santo Agostinho).

Devemos estar atentos para que não permitamos que penetrem no nosso coração falsos valores que atentem contra a vida humana:

4.1. Na sua geração: O cultivo de uma mentalidade anti-vida no que diz respeito à contracepção, como o favorecimento da esterilização; a interrupção do ato sexual (onanismo); a utilização de dispositivos mecânicos, tanto por parte do homem como da mulher; as pílulas, tudo isto é desnecessário quando se compreende o exercício de uma paternidade responsável, que se utiliza de métodos naturais, e funda sua decisão de gerar filhos, ou de não gerá-los, na busca sincera da vontade de Deus, com a ajuda da mediação da Igreja. Assim também – as Manipulações Genéticas Pró-Geração de Filhos e Fecundação Artificial- atentam contra o respeito a Deus, desde que se pretenda interferir no processo natural da geração de filhos, contra o respeito pelo embrião que deve ser tratado como pessoa a partir do primeiro instante da sua existência. O plano de Deus envolve a geração de filhos no ato conjugal, que tem significado unitivo e procriativo. Também o aborto voluntário ( que se trata de tirar a vida de um ser humano completamente inocente) é um desrespeito a Deus, e comete-se um assassínio com agravantes indignas. A vida humana deve ser respeitada e protegida de maneira absoluta a partir do momento da concepção (Cat 2270,.Jr. 1. 5; Sl. 139, 15).

4.2 Na sua conservação

Podemos citar como abusos contra o próprio corpo, os excessos na alimentação, no álcool, no fumo, nos medicamentos, o uso de drogas e os abusos contra o corpo do próximo, como as mais diversas violências, abusos sexuais, e a Eutanásia, que alguns têm chegado ao absurdo de defender como sendo uma proteção aos moribundos.

Outros Deveres Relacionados com a Própria Vida:

– Desenvolvimento das capacidades pessoais(estudo);
– Amor e respeito pelo nosso corpo: cuidados com a saúde. Outros Deveres Relacionados com a Vida dos Outros:

– Respeito pela vida alheia: cada homem é criatura de Deus, de quem recebe a vida, e só Deus é Senhor dela.
– Pecado contra a vida do outro: Homicídio voluntário.

A legítima defesa:

"A ação de defender-se pode acarretar um duplo efeito: um é a conservação da própria vida, o outro é a morte do agressor… Só se quer o primeiro; o outro não" (Cat 2263)

"O amor a si mesmo permanece um princípio fundamental da moralidade. Portanto, é legítimo fazer respeitar o próprio direito à vida. Quem defende sua vida não é culpável de homicídio, mesmo se for obrigado a matar o agressor" (Cat 2264).

Respeito pela convivência: Guardar a paz

– Este mandamento não proíbe somente matar, mas tudo o que vai contra a integridade da vida alheia: ferimentos, brigas, vinganças, procurar ou não impedir o sofrimento dos outros, respeito pela intimidade e pela vida privada dos outros.

– A cólera é um desejo de vingança e se chega ao desejo deliberado de matar o próximo ou de feri-lo com gravidade, atenta gravemente contra a caridade, constituindo pecado mortal ( Cat 2302; Mt 5, 22)

– O ódio voluntário é contrário a caridade. O ódio ao próximo é um pecado quando o homem quer deliberadamente o seu mal (Mt 5,44-45).
– O respeito aos mortos: "Os corpos dos defuntos devem ser tratados com respeito e caridade, na fé e esperança da ressurreição. O enterro dos mortos é uma obra de misericórdia corporal que honra os filhos de Deus, templos do Espírito Santo" (Cat 2300).

"A autópsia de cadáveres pode ser moralmente admitida por motivos de investigação legal ou de pesquisa científica. A doação gratuita de órgãos após a morte é legítima e pode ser meritória. A Igreja permite a incineração se esta não manifestar uma posição contrária à fé na ressurreição dos mortos" (Cat 2301).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *