Formação

Maria, a mulher vestida de sol

Maria não é aliança, ela é arca; não é pão, ela é mesa; não é a luz, ela é o candelabro.

comshalom

Celebrar a festa da Assunção de Maria é levantar os olhos para o céu e, por alguns instantes, compreender que não somos feitos para a terra, mesmo que caminhemos mergulhados até o pescoço nos problemas e dramas humanos.O nosso caminho se faz mais luminoso, generoso e mais fácil quando nos deixamos invadir pela alegria de ter no Céu Maria, nossa Mãe, que intercede e roga por nós.
A assunção ao Céu é um mistério que foge à nossa compreensão. A Igreja demorou para proclamar esta verdade.

O dogma

Foi no dia 1º de novembro de 1950. Eu me recordo, embora vagamente, deste acontecimento. Era menino de cinco anos, mas na paróquia e na minha casa se festejou e houve procissão, uma festa simples do povo de roça, mas que amava Maria. Minha mãe Domênica, analfabeta, mas apaixonada pela Virgem Maria, me transmitiu que o amor a Maria não se discute e que tudo o que se pede a ela se recebe. Na verdade, o sim de Maria comprometeu toda a sua liberdade, e foi pelo sim dela que o Verbo eterno se fez carne, habitou entre nós e assim pudemos contemplar o rosto do Pai refletido em Cristo Jesus. Maria assunta ao céu não se distancia de nós, mas está sempre perto, e a ela nós podemos nos dirigir como filhos à mãe, sabendo que sua missão é interceder e suplicar por nós. “Nunca se ouviu dizer que alguém tenha recorrido a Maria e que sua prece não fosse escutada”, diz o grande místico e apaixonado de Maria, Bernardo de Claraval.

O sinal

Mulher vestida de sol: os padres da Igreja nos recordam uma belíssima verdade: Maria não é aliança, ela é arca; não é pão, ela é mesa; não é a luz, ela é o candelabro. O centro de todo o anúncio do Evangelho é Jesus e só Jesus. Mas Maria é aquela que nos convida a entrar no centro da fé. O sinal que aparece no céu é uma “mulher vestida de sol”, soberana, maravilhosa, luminosa, mas não dominadora, aos seus pés há luz, uma coroa de doze estrelas.Quem são as estrelas? As tribos de Israel, a memória dos doze apóstolos? As doze Igrejas? Creio que podemos também entender que estas estrelas são o símbolo de cada virtude de Maria, com as quais ela está preparada para vencer o mal. Ao lado da Virgem, isto é, ao lado do amor, do bem, sempre apareceu a força destruidora do mal. O dragão, símbolo do mal, não poderá vencer o Filho da mulher vestida de luz, que é Cristo.A mulher que foge no deserto: esta imagem nos recorda que Maria caminha conosco em todos os momentos nos desertos de nossa vida. Como nós nos relacionamos com Maria? Nós a temos como mãe carinhosa, certos da proteção dela, que nos nossos desertos é refúgio para nós? Ou quem sabe temos por Maria um “devocionismo” vazio de conteúdo que diminui a grandeza da mãe de Deus? O nosso amor a Maria deve ser um amor teologal e filial, ao mesmo tempo, forte e corajoso. E a melhor maneira para manifestar o nosso amor é viver como ela viveu, lutando em favor da vida e contra a morte.

O cântico de Maria

Maria, primícia da glória: Havia na comunidade “grupos” dissidentes que colocavam em discussão a ressurreição de Jesus. Segundo eles, Jesus não teria ressuscitado e, portanto, o ser humano caminhava no fim de sua existência para a morte. E que no sacrifício da vida a nossa fé em Cristo seria só uma adesão passageira enquanto nós estamos vivos e nada mais. Paulo reage com firmeza a esta ideia que estava se difundido em Corinto e que provocava muito mal estar nos cristãos. Ele afirma com clareza: “Cristo ressuscitou dos mortos. Ele está vivo!” A lógica de Paulo não admite dúvida. A morte entrou no mundo pelo erro de Adão, pelo pecado de um homem, mas a vida entrou no mundo pela ressurreição de um homem: Cristo. Nele todos nós vivemos e para sempre. Se Cristo é primícia da ressurreição, com Ele todos nós um dia iremos ressuscitar e estaremos gloriosos no Céu. Deus elevou os humildes: O Evangelho de hoje nos é familiar. É o cântico no qual Maria eleva a Deus o seu pensamento e canta a alegria de ter sido escolhida por Deus para ser a Mãe do Salvador. O cântico de Maria não começa na casa de sua prima Isabel, mas com a sua resposta ao anjo que a convida a acolher o convite de Deus: “Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra!” Naquele mesmo instante, o Verbo nela se fez carne e vida. E começa Deus ahabitar entre nós, a ser o Emanuel, o Deus conosco. O Magnificat nos faz descer na profundidade da alma de Maria que,na simplicidade revela quem é: uma mulher simples, agradecida, cheia de fé, disposta a ser cooperadora de Deus e pronta para servir a todos os que necessitam de ajuda.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *