Formação

Mensagem Urbi et Orbi de sua santidade Bento XVI

comshalom

Queridos irmãos e irmãs de Roma e do mundo inteiro,
e vós todos, homens e mulheres amados pelo Senhor!

«Lux fulgebit hodie super nos,
quia natus est nobis Dominus.
– Hoje sobre nós resplandecerá uma luz
porque nasceu para nós o Senhor»
(Missal Romano: Antífona de Entrada, da Missa da Aurora no Natal do Senhor).

A liturgia da Missa da Aurora lembrou-nos que a noite já passou, o diavai alto; a luz que provém da gruta de Belém resplandece sobre nós.

Todavia a Bíblia e a Liturgia não nos falam da luz natural, mas de umaluz diversa, especial, de algum modo apontada e orientada para um«nós», o mesmo «nós» para quem o Menino de Belém «nasceu». Este «nós» éa Igreja, a grande família universal dos que acreditam em Cristo, queaguardaram com esperança o novo nascimento do Salvador e hoje celebramno mistério a perene actualidade deste acontecimento.

Aoprincípio, ao redor da manjedoura de Belém, aquele «nós» era quaseinvisível aos olhos dos homens. Como nos diz o Evangelho de São Lucas,englobava, para além de Maria e José, poucos e humildes pastores queacorreram à gruta avisados pelos Anjos. A luz do primeiro Natal foicomo um fogo aceso na noite. À volta tudo estava escuro, enquanto nagruta resplandecia a luz verdadeira «que ilumina todo o homem» (Jo 1,9). E no entanto tudo acontece na simplicidade e ocultamente, segundo oestilo com que Deus actua em toda a história da salvação. Deus gosta deacender luzes circunscritas, para iluminarem depois ao longe e aolargo. A Verdade e também o Amor, que são o seu conteúdo, acendem-seonde a luz é acolhida, difundindo-se depois em círculos concêntricos,quase por contacto, nos corações e mentes de quantos, abrindo-selivremente ao seu esplendor, se tornam por sua vez fontes de luz. É ahistória da Igreja que inicia o seu caminho na pobre gruta de Belém e,através dos séculos, se torna Povo e fonte de luz para a humanidade.Também hoje, por meio daqueles que vão ao encontro do Menino, Deusainda acende fogueiras na noite do mundo para convidar os homens areconhecerem em Jesus o «sinal» da sua presença salvífica e libertadorae estender o «nós» dos crentes em Cristo à humanidade inteira.

Onde quer que haja um «nós» que acolhe o amor de Deus, aí resplandece aluz de Cristo, mesmo nas situações mais difíceis. A Igreja, como aVirgem Maria, oferece ao mundo Jesus, o Filho, que Ela própria recebeuem dom e que veio para libertar o homem da escravidão do pecado. ComoMaria, a Igreja não tem medo, porque aquele Menino é a sua força. Mas,não O guarda para si: oferece-O a quantos O procuram de coraçãosincero, aos humildes da terra e aos aflitos, às vítimas da violência,a quantos suspiram pelo bem da paz. Também hoje, à família humanaprofundamente marcada por uma grave crise, certamente económica masantes ainda moral, e por dolorosas feridas de guerras e conflitos, aIgreja, com o estilo da partilha e da fidelidade ao homem, repete comos pastores: «Vamos até Belém» (Lc 2, 15), lá encontraremos a nossaesperança.

O «nós» da Igreja vive no território onde Jesusnasceu, na Terra Santa, para convidar os seus habitantes a abandonaremtoda a lógica de violência e represália e a comprometerem-se comrenovado vigor e generosidade no caminho para uma convivência pacífica.O «nós» da Igreja está presente nos outros países do Médio Oriente.Como não pensar na atribulada situação do Iraque e no «pequeninorebanho» de cristãos que vive na região? Às vezes sofre violências einjustiças, mas está sempre disposto a oferecer a sua própriacontribuição para a edificação da convivência civil contrária à lógicado conflito e rejeição do vizinho. O «nós» da Igreja actua no SriLanka, na Península Coreana e nas Filipinas, e ainda noutras terrasasiáticas, como fermento de reconciliação e de paz. No continenteafricano, não cessa de erguer a voz até Deus para implorar o fim detoda a prepotência na República Democrática do Congo; convida oscidadãos da Guiné e do Níger ao respeito dos direitos de cada pessoa eao diálogo; aos de Madagáscar pede para superarem as divisões internase acolherem-se reciprocamente; a todos lembra que são chamados àesperança, não obstante os dramas, provações e dificuldades quecontinuam a afligi-los. Na Europa e na América do Norte, o «nós» daIgreja incita a superar a mentalidade egoísta e tecnicista, a promovero bem comum e a respeitar as pessoas mais débeis, a começar daquelasainda por nascer. Nas Honduras, ajuda a retomar o caminhoinstitucional; em toda a América Latina, o «nós» da Igreja é factor deidentidade, plenitude de verdade e caridade que nenhuma ideologia podesubstituir, apelo ao respeito dos direitos inalienáveis de cada pessoae ao seu desenvolvimento integral, anúncio de justiça e fraternidade,fonte de unidade.

Fiel ao mandato do seu Fundador, a Igreja ésolidária com aqueles que são atingidos pelas calamidades naturais epela pobreza, mesmo nas sociedades opulentas. Frente ao êxodo dequantos emigram da sua terra e são arremessados para longe pela fome, aintolerância ou a degradação ambiental, a Igreja é uma presença quechama ao acolhimento. Numa palavra, a Igreja anuncia por toda a parte oEvangelho de Cristo, apesar das perseguições, as discriminações, osataques e a indiferença, por vezes hostil, mas que lhe consentem departilhar a sorte do seu Mestre e Senhor.

Queridos irmãos eirmãs, que grande dom é fazer parte de uma comunhão que é para todos! Éa comunhão da Santíssima Trindade, de cujo seio desceu ao mundo oEmanuel, Jesus, Deus-connosco. Como os pastores de Belém, contemplamoscheios de maravilha e gratidão este mistério de amor e de luz!Boas-festas de Natal para todos!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *