Formação

Não era Jesus, era o demônio

comshalom

Dom Pedro José Conti


O santo estava na sua cela rezando. Ouviu alguém bater suavemente na porta.

–Pode entrar – disse – a porta está aberta. Entrou um jovem irradiandobondade e luz. O santo olhou para ele e continuou a rezar. O jovemmaravilhoso estranhou essa atitude e perguntou intrigado:

– Eu sou Jesus, por que não olhas para mim? Por que não me recebes com alegria? O santo levantou os olhos e respondeu:

– Se és Jesus, mostra-me as chagas da tua paixão.

O jovem extraordinário desapareceu imediatamente. Não era Jesus, era o demônio.


Podemosdesconfiar das historias dos santos, mas não da mensagem. Parareconhecer quem é Jesus de verdade, para ter a certeza de não estarmosequivocados com ele, devemos colocá-lo sempre junto à cruz. Jesus, sema sua paixão e morte, é um falso Jesus. Também uma cruz vazia, semJesus, pode ser somente um terrível instrumento de suplício e de morte.O Cristo ressuscitado é sempre antes o crucificado. É o amor com o qualele deu a sua vida que resgata o sentido da cruz. É a sua obediência àvontade amorosa do Pai, que transforma a sua morte em sacrifício edoação. Não haveria ressurreição se antes não tivesse a entrega totalde Jesus na cruz. O Cristo é um só. Podemos falar do crucificado queressuscita, ou da ressurreição do crucificado, o resultado final é omesmo. Não tem outro caminho para chegar à vida nova, para vencer opecado e a morte, a não ser o caminho difícil da doação da própria vidana cruz. Assim foi para Jesus. E para nós?

Sempreseremos tentados a dar a nossa preferência à vitória, esquecendo aderrota da cruz. De maneira especial hoje, quando o sucesso e asrelativas vantagens nos fascinam de uma forma exagerada. Ser famosos,aplaudidos, procurados, fotografados, é o sonho de muitos, jovens eadultos. A busca da imperdível chance na vida custe o que custar, podetornar-se uma obsessão.

Isso,porém, não tem nada a ver com a legítima ambição dos jovens deencontrar um lugar na vida e na sociedade, com a vontade de seremrespeitados pelas suas qualidades e capacidades, por uma sériapreparação profissional. Esse desejo deveria ser natural e estimulantepara desenvolver o melhor de si. Cada um e cada uma seguindo aspróprias inclinações, mas aceitando também as próprias limitações. Osucesso de uma pessoa pode estar em vencer as suas incapacidades, emsuperar as suas deficiências e os seus defeitos. Não necessariamente nodinheiro que imaginamos ganhar. Aprender aos poucos, corrigir-nos aospoucos, é um caminho difícil. Devemos desconfiar dos caminhos fáceis,das ilusões que nos parecem atalhos para o sucesso. Esquecemos quegrande é aquele que sabe fazer corretamente e com alegria também ascoisas simples. É aquele que fica feliz e satisfeito por saber realizarhonestamente e de forma competente o seu serviço, por humilde que possaparecer.

Querendotodos ser super-homens e supermulheres desprezamos o cotidiano, o gestopequeno, a obra humilde. Imaginando-nos voando alto demais, deixamos deaprender a voar mais baixo, a voar bem, com equilíbrio e sabedoria.Quem nem aprendeu a voar baixo, e só ficou na conversa e na fantasia,dificilmente agüentará as alturas.

Quemquer seguir Jesus deve acompanhá-lo também no caminho da cruz. Deveaceitar as dificuldades dos pequenos passos, sempre deve escolher adoação mais do que a própria vantagem. Deve aprender a amar aos outrosvencendo o seu egoísmo e deixando de lado o seu interesse. A vida é umdom que recebemos e somente ganha sentido, beleza e alegria, quandotambém se transforma em doação. Para alguns talvez possa ser pedido umsacrifício maior, talvez até o martírio. A todos, porém, Jesus pede agenerosidade dos infinitos gestos simples feitos por amor, vindos docoração. Esses atos não nos tornarão famosos, mas farão outros felizes.E a nós também.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *