Formação

Não tenham medo do menino!

comshalom

Tem-se uma tendência em algumas modalidades de arte sacra de representar Deus como um ancião de muitos dias, que traz nas costas o peso de eras passadas com uma sabedoria acumulada, que lhe autoriza intervir na história dos homens como bem entender, sem respeitar a liberdade garantida por ele mesmo a cada um. Outros ainda insistem em conceber Deus como um Ser-mal humorado, que entediado de ficar só, resolveu criar o homem, para por assim dizer, dar um pouco mais de brilho a seus longos dias de eternidade. Nada mais equivocado.

Tais visões, ainda que expresso por numerosos atos falhos do homem comum, denuncia o medo que nossa sociedade ainda traz de Deus, mesmo depois de mais de 2000 anos. Talvez por associá-lo a figuras humanas e por vezes caricaturadas de autoridade, ou que revelam o triste drama de algumas historias. O ditador de regras, o pai cruel que abandonou, o juiz severo, o patrão intolerante, ou mesmo um ser separado, que criou o mundo e o abandonou a sua própria sorte, alguém que da cordas num relógio e o deixou funcionando sozinho, até ser silenciado pelo fim. “Deus é novidade eterna, é eterno enquanto jovem” dizia o importante poeta francês Charles Peguy, ao encontrar a fé, numa noite de natal diante do menino Deus.
Quão maravilhosa é a resposta de Deus aos homens que, mesmo sem saber, sobre a roupagem da indiferença e de um ateísmo anêmico, na verdade têm medo de Deus, ou pelo menos do conceito que criaram Dele. Ao representar Deus não poderia encontrar melhor forma do que o de uma criança. Quem tem medo de uma criança? Não ficamos todos envolvidos pela ternura e não somos todo acolhimento diante dela? Realmente diante de uma criança descerram-se os punhos belicosos, baixa-se a guarda. Não há do que se proteger, nem o que ocultar diante de um menino pobre. Pois que censura poderia nos fazer? Ou de que nos acusaria?

Não obstante a aparente passividade dessa criança, ela muito tem a nos falar. Sua fragilidade e vulnerabilidade nos fazem pensar nas inúmeras vidas indefesas que são assassinadas antes mesmo de nascerem. Seu silêncio ao dormir nos relembra as vozes que são silenciadas pela injustiça e ao mesmo tempo a apatia daqueles que podem aliviar a dor dos sofridos. Seu silêncio também denuncia o estampido e os gritos dos atentados terroristas. Denuncia o gemido exprimido dos pobres nos corredores frios de nossos hospitais. Seus olhinhos brilhantes e braços abertos a nos acolher revelam a capacidade que temos de construir estações espaciais, celulares e trens de última geração, mas não somos muitas vezes capazes de fazer algo simples como abraçar o outro e dizer: perdôo-te, vamos começar de novo.

Quanto a pobreza desse menino, que lição eloquente ele ainda pode nos dar? Sua pobreza denuncia a loucura dos homens que constroem muros cada vez mais altos, com cercas elétricas e seguranças bem armados, para protegerem a si e os seus bens, mas nada podem fazer contra o iminente perigo do vazio e da solidão. Ah! Se contemplássemos mais esse menino. Descobriríamos que os bens são dons de Deus, que devem estar a serviço do outro. Que a pobreza e a partilha nos abrem para os irmãos e nos faria experimentar a alegria de sermos os terceiros. Seríamos, sem dúvidas, mais ricos do que nunca.

O que fazer diante de tudo isso? Fica o homem num dilema cruel. De um lado o conceito distorcido de Deus, que oprime e afasta do amor. Do outro, Deus que vem a nos como um frágil menino, que se torna mais atrativo aos afetos, mas aparentemente incapaz de sanar os males do mundo. Poder-se-ia realmente confiar a causa do homem a uma criança? Aqui vale a pena lembrar as palavras de Bento XVI: “Não subestime a aparente fragilidade e pequenez do menino, Por que Ele tem nas mãos a chave da história e da vida dos homens”. Não tenhamos medo da luz que irradia do presépio de Belém. Não tenhamos medo da irreverência de Deus, que quis ocultar toda sua glória e majestade no filho da humilde Maria. Não é uma “mera mudança de lugar”, como nos diz o Akastistos, “mas um doce abaixar-se de Deus até nós”. Deus desceu, não até a massa humana, mas a cada homem com sua particularidade e singularidade.

Digamos, pois uns para os outros no trabalho, na família, em todos os lugares onde passarmos: Vinde, subamos a Belém, “um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, seu nome é Conselheiro admirável, Príncipe da Paz” (Is 9,5). Que descubramos nesse natal a rica pobreza de Deus e nela o brilho da fraternidade e na sua forte fraqueza a capacidade de amar até o fim. Feliz natal!

Rodrigo dos Santos
Comunidade Católica Shalom


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *