Formação

Nascituro: vida que brota de Deus

comshalom

A vida é o magnífico dom que brota abundantemente das mãos do Criador. Diante da vida humana nos sentimos maravilhados. “Que maravilha sou eu, Senhor!” .

Hoje, 8 de outubro, celebramos o Dia do Nascituro, instituído pela CNBB em 2005, quando em sua 43ª Assembléia Geral instituiu também a “Semana Nacional da Vida’. Tal decisão brotou das reflexões contidas na “Declaração sobre exigências éticas em defesa da vida”. Teçamos, brevemente, algumas considerações que sustentam esta postura da Igreja e de diversos organismos que comungam com a visão eclesial sobre a vida humana.

O sopro criador de que trata o livro do Gênesis insuflou no homem a vitalidade e deu-lhe as primeiras luzes de consciência. A Criação do homem e da mulher evoca um profundo e solene respeito para com o mistério da vida.

Por isso, a vida tem a sua indiscutível sacralidade. Pertence a Deus Criador. De suas mãos benevolentes foi dada e para o seu seio de amor retornará.

A sacralidade da vida humana nos impele à defesa de sua inviolabilidade.

Professamos a fé e a certeza de que, desde a concepção, a vida já é completa. O que ocorre, a partir daí, é o processo de crescimento e de desenvolvimento que se inicia no ventre materno e conclui-se, na terra, com a morte biológica. O ser humano é vivente desde a formação intra-uterina. A ciência afirma que a partir do encontro entre o óvulo e o espermatozóide o ser já é formado por inteiro, seja com uma célula apenas, ou com mais de quatro trilhões de células quando alcança a vida adulta. O ser humano traz, desde então, insofismavelmente, o seu patrimônio genético. Portanto, é o ser total, é a pessoa inteira que é concebida na união vital entre homem e mulher, um dos símbolos do mistério mais fundamental do imenso amor de Deus que tudo une, tudo vivifica, tudo santifica.

Celebrar o Dia do Nascituro não é apenas movimentar uma campanha contrária ao aborto. Trata-se, sobretudo, de um amplo movimento em favor da dignidade de todo ser humano, em todas as suas fases de vida. É uma manifestação de amor e de cuidado para o a vida humana. A Igreja anuncia, celebra e testemunha o Evangelho da Vida. Afinal, Jesus veio ao mundo para nos dar a vida em abundância e para nos salvar (Jo 10,10). Mesmo sofrendo alguma crítica, como fiel depositária da missão do próprio Cristo, continuará a ser uma voz profética em defesa da inviolabilidade da vida humana, desde a concepção até o ocaso. Tudo o que atenta contra a dignidade da vida humana merecerá uma grande atenção, já que, a exemplo de Jesus, Mestre e Senhor da Igreja, a ela cabe o cuidado com os meios que garantam a vida abundante e plena para todos.

A Vida pertence ao seu Criador. Não compete ao homem colocar nela algum limite. Assim, todas as pessoas que professam a fé nos princípios teológicos, filosóficos e biológicos que sustentam o caráter sagrado da vida humana, devem se sentir permanentemente convocadas para o grande movimento em defesa da vida. Pois ela não pode ser banalizada. Deve, sim, ser cuidada, zelada como o maior dos dons, como o mais precioso dos presentes com que Deus nos agraciou.

O trabalho pela afirmação da dignidade da vida humana vai além desse tempo especial no calendário do mês de outubro. Deve ser algo constante. É preciso envidar esforços, eclesiais e sociais, em vista da vida e de sua qualidade para todos. Por isso a pontual defesa da sacralidade da vida do nascituro deve se estender à ampla movimentação por uma vida digna, pelo respeito à ecologia, pelo atendimento às necessidades públicas no campo da saúde e outras urgências, pelo cuidado para com os mais pobres. Lemos na Carta Encíclica Evangelium Vitae (nº 28): “Também para nós, ressoa claro e forte o convite de Moisés: “Vê, ofereço-te hoje, de um lado, a vida e o bem; do outro, a morte e o mal. (…) Coloco diante de ti a vida e a morte, a felicidade e a maldição. Escolhe a vida, e então viverás com toda a tua posteridade” (Dt 30, 15.19).

*Dom Washington Cruz é arcebispo Metropolitano de Goiânia

Fonte:CNBB


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado.