Mundo

Natal na Síria: nem as bombas nem os mísseis impedirão sua celebração

comshalom

A realidade em Aleppo (Síria) está marcada pelos bombardeios que destroem, acabam com muitas vidas e, por fim, obrigam as pessoas a abandonarem os seus lares. Entretanto, isso não impedirá que os cristãos celebrem o Natal daqui a alguns dias.

Um sacerdote salesiano natural de Aleppo, Pe. Pier Jabloyan, explicou ao Grupo ACI como as pessoas vivem cada dia como se fosse o último e sobre o significado da celebração do Natal em uma cidade onde ninguém sabe se acordará vivo no dia seguinte.

“O que está acontecendo na cidade é um sofrimento geral pela falta de todas as coisas essenciais do homem, como a água, a eletricidade, a gasolina, uma vida normal. Nós podemos suportar a falta dessas coisas, mas o que não podemos suportar é a falta de segurança. Com isto, quero dizer que cada dia em diferentes lugares da cidade cai continuamente uma chuva de bombas e mísseis”, expressou o Pe. Jabloyan.

Junto com os outros missionários salesianos que decidiram permanecer em Aleppo, o Pe. Jabloyan continua realizando seu trabalho pastoral em um oratório no qual atendem pastoralmente 750 crianças, ajudam-nos com a sua educação e buscam “realizar as coisas normais em um tempo que não é normal e gerar um ambiente pacífico”.

“Enquanto as bombas caem no oratório vivem momentos de paz, momentos de catecismo, conhecem o Senhor Jesus que é o único, é o nosso salvador. Esta é a missão dos salesianos com as pessoas em Aleppo. Somos tantos religiosos que decidimos permanecer como os franciscanos, jesuítas, as missionárias da caridade e tantas congregações que estão empenhadas em socorrer o maior número possível de pessoas que não podem viver sem ajuda”.

Em meio a esta situação dramática, para o Pe. Jabloyan, celebrar o Natal é uma coisa “especial e muito bela”.

“Quando falamos do Natal, falamos dos presentes, de alegria, de luzes, de roupa bonita, de coisas externas. Nestes cinco ou seis anos na Síria, vive-se o Natal de um modo essencial, de uma maneira simples, mais íntima e familiar. Para nós, basta um pouco de fruta para ter uma festa”, comentou o Pe. Jabloyan.

“Para nós, o Natal não é algo comercial, nem roupa, jantares ou presentes, mas uma festa ligada à vida das pessoas, porque, para nós, basta participar da Missa no dia 24 de dezembro, saudar os outros e ver que mais um ano estamos vivos. Nesta guerra feroz, isso já é Natal”, manifestou.

O sacerdote comentou que no ano passado, no oratório dos salesianos as pessoas se saudavam enquanto continuavam os bombardeios do lado de fora. “E nós dizíamos feliz Natal. O Senhor realmente nasceu para nós”.

“Inclusive em meio às bombas, nós encontrávamos a fé. Esta é a especialidade do Natal, o Senhor nasceu para nós. Nasceu pobre para esta humanidade ferida”, afirmou.

O Pe. Jabloyan indicou que neste ano “não procuramos fazer muitas coisas, mas manter um ambiente de festa. Nas igrejas, celebram as Missas à tarde porque à noite é mais perigoso”.

O sacerdote comentou que este ano querem dar roupas de presente às crianças, porque com a guerra os preços subiram e as famílias estão sem dinheiro.

Por exemplo, “antes da guerra, um quilo de batata custava entre 10 a 15 libras síria. Agora, custa 250 libras”.

Por outro lado, o Pe. Jabloyan diz que uma das coisas “mais belas” da guerra foi “descobrir o sentido do cristianismo”.

“Há um sentido muito grande de abandono nas mãos do Senhor. Neste tempo de guerra, notei que muitas pessoas perderam a fé, mas também muitas descobriram o sentido da vida e descobriram a fé. Isto que impulsiona tantas pessoas a viverem cada dia como o último, porque verdadeiramente é assim, pois, quando cada pessoa sai de casa, não sabe se voltará ou não”, manifestou o presbítero.

Antes da guerra, Aleppo era a segunda maior cidade da Síria e o lugar onde se concentrava o poder econômico.

Atualmente, é uma das cidades que mais sofreu pela guerra e pelos bombardeios entre os grupos rebeldes, o exército do presidente Bashar Al Asad e os exércitos russo, norte-americano e turco.

O Conselho Local de Aleppo informou que nos últimos 26 dias morreram 800 pessoas e 3500 ficaram feridas.

Fonte: ACI Digital


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *