Formação

Nossa Senhora das Graças, grande título da Mãe do Senhor

Este título mariano foi reconhecido após a segunda aparição a Santa Catarina de Labourè. A Virgem Maria está sempre disposta a nos encher de graças, cabe a nós sempre pedir.

comshalom

Hoje, dia 27 de Novembro, a Igreja volta seu coração para a doce Mãe de Jesus, homenageada e honrada com o título de Nossa Senhora das Graças. Vamos, então, meditar um pouco sobre o profundo mistério por trás desse honroso título da Mãe do Senhor. 

Para começar, há um versículo bíblico simples e pequeno, mas que pode nos introduzir no mistério desse significativo título da Mãe do Senhor. Leia com atenção:

No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi e o nome da Virgem era Maria. O anjo entrou onde ela estava e disse: ‘Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!’” (Lc 1,26-28).

Na lógica bíblica e na mentalidade judaica, estar em estado de graça significa estar em comunhão com Deus. A relação dessa santa serva com o seu Criador e Senhor foi tão concreta e profunda, que isso fazia dela um ser cheio de graça, ou seja, plena da benção de Deus. Sendo uma jovem judia, Maria conhecia bem seu povo e sua religião, então, tinha certa consciência da importância dessas palavras. 

Assim, pudemos ver que, desde a Anunciação, a Virgem Maria é esta mulher cheia de Graça, no entanto, para corroborar tal estado bendito e gerar uma grande devoção a Nossa Senhora, em julho de 1830, iniciaram-se as aparições de Nossa Senhora a uma jovem noviça francesa chamada Catarina de Labouré, da Congregação de São Vicente de Paulo.

As aparições

Já na primeira visita de Nossa Senhora a Santa Catarina, ela portava uma medalha que tinha o seu retrato. Tal objeto ficou posteriormente conhecido como a Medalha Milagrosa, que tornou-se muito popular entre os cristãos que, usando-a e praticando a devoção a Nossa Senhora das Graças, alcançaram muitos milagres. 

Em sua segunda aparição, no mês de novembro daquele mesmo ano, a Virgem indicou que a medalha deveria ser usada pelos fiéis no pescoço. A pedido de Nossa Senhora e com o auxílio do padre Jean Aladel, Catarina de Labouré conseguiu fabricar duas mil medalhas e distribuí-las entre os fiéis, que verdadeiramente testemunharam grandes intervenções divinas em suas vidas. Tal devoção também seria necessária para interceder pela difícil realidade pela qual a Europa passava naqueles tempos. Foi nesta segunda aparição que a Virgem Maria revelou-se com o nome de Nossa Senhora das Graças.     

A segunda aparição foi descrita por Santa Catarina dessa forma: “Uma Senhora de mediana estatura, de rosto muito belo e formoso… Estava de pé, com um vestido de seda, cor de branco-aurora. Cobria-lhe a cabeça um véu azul, que descia até os pés… As mãos estenderam-se para a terra, enchendo-se de anéis cobertos de pedras preciosas. A Santíssima Virgem disse-me: ‘Eis o símbolo das Graças que derramo sobre todas as pessoas que mas pedem…’ Formou-se então, em volta de Nossa Senhora, um quadro oval, em que se liam, em letras de ouro, estas palavras: ‘Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós, que recorremos a Vós’.

Depois disso o quadro que eu via virou-se, e eu vi no seu reverso: a letra M, tendo uma cruz na parte de cima, com um traço na base. Por baixo: os Sagrados Corações de Jesus e de Maria. O de Jesus, cercado por uma coroa de espinhos e a arder em chamas, e o de Maria também em chamas e atravessado por uma espada, cercado de doze estrelas. Ao mesmo tempo, ouvi distintamente a voz da Senhora, a dizer-me: ‘Manda, manda cunhar uma medalha por este modelo. As pessoas que a trouxerem, com devoção, hão de receber muitas graças”.

A visão da Virgem Maria sobre um globo terrestre, de braços estendidos, representava o mundo inteiro, mas particularmente a França e cada fiel em particular. Na visualização, havia também raios grossos e finos, sendo os primeiros as graças que as pessoas lembravam de pedir e, os finos, as graças esquecidas pelos fiéis. Até hoje, a devoção à Medalha Milagrosa e a Nossa Senhora das Graças é uma das mais populares do mundo. 

A Medalha Milagrosa

Há relatos de historiadores franceses que afirmam, “foi graças a devoção da Virgem da Medalha Milagrosa, que uma terrível epidemia da peste negra foi debelada na França. Afinal, milhares de pessoas já tinham morrido quando a Medalha Milagrosa começou a ser usada. Então, os doentes que a recebiam com fé começaram a ser curados milagrosamente, pois a peste não tinha cura.”

Medalha Milagrosa
Medalha de Nossa Senhora das Graças

A medalha cunhada conforme as indicações dadas pela noviça apresenta os seguintes símbolos:

  • Serpente: Nossa Senhora aparece pisando em uma serpente representa a batalha e o triunfo sobre Satanás;
  • Raios: os raios que saem do manto indicam a graça transmitida aos seus devotos;
  • Vestes e estrelas: a mulher vestida de Sol, indicada pela cor do manto, e as 12 estrelas fazem referência à mulher do livro de Apocalipse;
  • Maternidade: a letra M transpassada com uma cruz é a ligação entre ela e seu filho Jesus, que foi crucificado no calvário;
  • Coração: os corações na medalha representam o Sagrado Coração de Jesus, rodeado de espinhos, e o Imaculado Coração de Maria, atravessado por uma espada.

Há ainda o registro do ano de aparição, 1830, e a frase, em francês, “O Marie conçue sans peché, priez pour nous qui avons recours à vous” traduzida como “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós”.

À medalha são atribuídos diversos milagres, principalmente quando os franceses foram assolados por um surto de peste negra e curas milagrosas aconteciam aos que com fé a utilizavam.

Oração a Nossa Senhora das Graças

“Ó Imaculada Virgem Mãe de Deus e nossa Mãe, ao contemplar-vos de braços abertos derramando graças sobre os que vô- las pedem, cheios de confiança na vossa poderosa intercessão, inúmeras vezes manifestada pela Medalha Milagrosa, embora reconhecendo a nossa indignidade por causa de nossas inúmeras culpas, acercamo-nos de vossos pés para vos expor, durante esta oração, as nossas mais prementes necessidades (momento de silêncio e de pedir a graça desejada).

Concedei, pois, ó Virgem da Medalha Milagrosa, este favor que confiantes vos solicitamos, para maior Glória de Deus, engrandecimento do vosso nome, e o bem de nossas almas. E para melhor servirmos ao vosso Divino Filho, inspirai-nos profundo ódio ao pecado e dai-nos coragem de nos afirmar sempre como verdadeiros cristãos.”

Rezar 3 Ave Marias.

Se você é um cristão autêntico, faz parte da geração destinada a chamar essa Santa Mulher de “Cheia de graça”. Eu animo você, então, a terminar a sua leitura rezando com uma consciência e uma fé renovada a oração da Ave Maria e, no final, repetir a jaculatória: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós”. 

Nossa Senhora das Graças, rogai por nós. 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado.