Formação

Novas crenças nos fenômenos religiosos e na magia

comshalom

Pelo professor de teologia de Manila José Vidamor B. Yu

Para o fim do milênio, o homem renovava seus desejos de uma nova humanidade que se libertaria de distintos problemas humanos e da desordem do mundo através de uma nova filosofia, espiritualidade ou estilo de vida. Nos começos de um novo milênio, se teve que desenvolver uma nova religião e uma nova forma de praticar a fé enfatizando o que é fácil ou pragmático. Alguns começaram a considerar o ocultismo, a magia e os fenômenos religiosos através dos ritos religiosos pré-cristãos. A fome de transcendência que se faz evidente hoje em algumas pessoas aparece no desejo de unir-se às forças da natureza, mediante o redescobrimento dos mistérios que jazem ocultos no mundo e os poderes que têm uns supostos seres extraterrestres. A idéia de uma nova espiritualidade se baseia com freqüência em novas interpretações e crenças em ocorrências religiosas e na magia. A grande confusão criada pelas doutrinas religiosas e os juízos morais fizeram que muitas pessoas se afastassem da fé cristã e se passassem a práticas mágicas. A magia e os fenômenos religiosos muito com freqüência estão em relação com a natureza.

Idéias Neognósticas: Reaparição de crenças no Poder da mente

O Neognosticismo é um novo fenômeno religioso atual. O gnosticismo foi uma das primeiras ameaças para a propagação do Cristianismo na Igreja primitiva. Quando a Igreja estava buscando uma maior pureza de sua doutrina e sua fé, o gnosticismo se converteu em um obstáculo relevante para a espiritualidade cristã. O gnosticismo crê que a existem mistérios e poderes ocultos nas Sagradas Escrituras que poucos que possuem poderes e dons mentais elevados podem decifrar. Este impulso para um conhecimento superior e o reviver do esoterismo encontram um lugar privilegiado nas crenças da Nova Era.

A reaparição destes novos ensinamentos gnósticos se converteu em um novo fenômeno religioso mediante diferentes práticas que podem “fortalecer a vontade humana, fazendo uso de supostos poderes cósmicos secretos” (Norberto Rivera Cardinal Carrera, a Call to Vigilance, 1996, no. 17). João Paulo II afirma que há um “retorno às antigas idéias gnósticas sob o disfarce da chamada Nova Era: não podemos enganar-nos crendo que isto levará a uma renovação da religião. É simplesmente uma nova forma de praticar o gnosticismo –essa atitude do espírito que, em nome de um profundo conhecimento de Deus, dá como resultado uma distorção de Sua Palavra restabelecendo-as com palavras puramente humanas. O gnosticismo não abandonou nunca completamente o reino do cristianismo. Pelo contrário, sempre existiu lado a lado com o Cristianismo, às vezes tomou a forma de um movimento filosófico, ainda que muito com freqüência assume as características de uma religião, e às vezes declarado, contraste com tudo o que é essencialmente cristão”. (Crossing the Threshold of Hope, página 90).

A Nova Era está orientada para a intuição que intenta apropriar-se dos mistérios, do desconhecido e dos poderes não desenvolvidos do cérebro. Os processos de transformação são muito comuns e se manifestam no ressurgir da clarividência, da telepatia, da cura psicológica, da psicometria, das experiências de separação do corpo, das percepções extra-sensoriais, o hipnotismo e a tecnologia de controle de mente e cérebro, a meditação, a programação subliminar, a busca da consciência, a projeção astral e outras práticas ocultistas. Edgar Cayce mencionou o trabalho e contato de uma pessoa com o inconsciente e os níveis mais profundos da mente permitem às pessoas ter a capacidade de comunicar-se com os espíritos, os anjos, os guias espirituais, os mestres espirituais e os arcanjos. Se crê que o homem deve conhecer a existência das energias divinas que possui o cosmos. O conhecimento cósmico e a experiência esotérica destas leis darão sua potência ao homem mediante um processo de despertar a uma transformação gradual para conseguir dar-se conta de sua verdadeira natureza divina.

Crenças Neopagãs

O Neopaganismo é um conceito que entrou nos escritos cristãos sobre a Nova Era com o fim de reorientar concretamente sobre o que é a espiritualidade da Nova Era como uma maneira de reação às religiões tradicionais, em particular a fé judaico-cristã. Isto se consegue mediante a celebração de rituais pré-cristãos antigos. O núcleo da filosofia neo-pagã é a crítica do cristianismo. Crêem que qualquer religião ou prática espiritual que precederam ao cristianismo são mais genuínas ou reais. O documento sobre a Nova Era redigido pelo Conselho Pontifício para a Cultura e o Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso reconhece que “tudo o que precedeu ao cristianismo se tem por algo mais genuíno em relação com o espírito de terra ou nação, uma forma incontaminada de religião, em contato com os poderes da natureza, com freqüência matriarcal, mágica. “A humanidade pode voltar a suas origens e experimentar uma forma muito mais sã se retomar a prática dos ciclos naturais como é o caso das festas agrícolas.

Os seguidores da New Age crêem que aparecerá um novo mestre ou Messias para acompanhar a Nova Era: “a busca que com freqüência conduz os seguidores da Nova Era é um anseio genuíno: uma espiritualidade mais profunda, uma busca de algo que chegue a seus corações e como uma forma de dar sentido a um mundo que às vezes é confuso e alienante.” (Conselho Pontifício para a Cultura e Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso). As práticas neo-pagãs incluem tradições espirituais relacionadas com a terra, as festividades e ciclos das estações, a espiritualidade feminista, a magia e a bruxaria. A palavra pagão provém da palavra “pagani” que significa “lavradores do terreno” em contraste com a Igreja institucional da cidade.

A prática da magia é muito utilizada na Nova Era, como meio para obter poder. A magia se utiliza como técnica para explicar e controlar o mundo ante a ausência de métodos ou doutrinas para fazê-lo. O ocultismo, o esoterismo e a magia formaram parte dos fenômenos religiosos que têm poderes especiais para converter-se em deuses e deusas ou para ser de natureza divina.

O «channeling» ou canalização: nova fonte de autoridade espiritual

A New Age como espiritualidade pobre foi canalizada como uma nova fonte de revelação. Converteu-se em um meio para proporcionar informação e comunicação, a partir de um ser humano de fontes paranormais. Normalmente, as fontes paranormais são de dois tipos: em primeiro lugar, está formada por espíritos e almas entre os que se encontram os mestres, os espíritos dos mortos, e os anjos. Isto requer que um ser espiritual e uma entidade humana falem. Se crê que as novas revelações, informações e comunicações provêm do mundo dos espíritos que o mundo normal ou fenômeno não possui. Em segundo lugar, o foro interno ou eu interior. Esta dimensão mais interior e sobrenatural de um homem regular. Isto implica um método da intuição que proporciona um acesso divino a nós mesmos. Esta forma de «channeling» (canalização) a pode fazer alcançar a pessoa que seja capaz de unificar o conhecimento profundamente consigo mesmo. Isto se chama normalmente o Eu Superior, o Deus Eu ou o Mestre Interior. As pessoas devem desenvolver suas próprias capacidades psíquicas e exercitar seus poderes internos para poder ver através do eu interior.

O caminho para o eu interior se caracteriza para o descobrimento de si mesmo e pela transformação. Deve-se criar sua própria realidade. A auto-ajuda se converte em um termo operativo já que a metamorfose pessoal se realiza através dos próprios esforços realizados. Os médiuns crêem que algumas manifestações como os anjos e os mestres espirituais são de fato seres espirituais que não são de Deus, mas que são forças de autoridade espiritual. “Fica claro que, pelo menos na teoria, a New Age não reconhece com freqüência nenhuma autoridade espiritual por cima da experiência interna pessoal”. Comumente se crê no meio da New Age que a salvação provém do conhecimento em vez de fazê-lo da fé.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *