Formação

Novo ideal de santidade

comshalom

Pudemos conhecer, pela sua beatificação, o martírio generoso da jovem Albertina, leiga catarinense muito simpática, morta por defender a sua castidade (e a honra da mulher). Os nossos olhos contemplaram a morte santa do Pe. Manoel Gonzáles, exemplar sacerdote provindo da Espanha, e do seu coroinha Adílio – já entrado nos seus 16 anos – ambos mártires da fé católica. E agora nos deparamos com a Irmã Lindalva, tombada em Salvador por honrar seu voto de castidade, proferido por amor a Cristo. Com esses exemplos, muito nossos, vemos que o fascínio em dar a vida por Jesus está longe de ter acabado. “Quem perde a sua vida por causa de mim, esse a salvará” (Lc 9, 24). Portanto, a afirmação do incréu zombador, que fez um cálculo de gabinete, sentenciando que não existiam mais de 50 católicos no mundo, capazes de dar a sua vida pela fé, padece de erro de observação.

Em que pese o caminho perpétuo da santidade, que é o martírio, e não obstante a beleza da vida consagrada, que ainda é celeiro seguro de perfeição cristã, surge, sempre com mais força, um terceiro caminho. É o caminho espinhoso da caridade, expressado na ação missionária. Querer ser evangelizador, estando sempre disponível para ajudar ao semelhante, na sua busca pelo encontro com Cristo, não é uma proposta nova. Jesus já havia garantido a recompensa aos que propõem a salvação ao seu semelhante: “Fiquem alegres porque os nomes de vocês estão escritos nos céus” (Lc 10, 20). Sem abandonar as pastorais de conservação da fé, nas Paróquias, é preciso lançar-se à evangelização. Esta pode se realizar nos meios de comunicação; nas horas de dor do próximo; nos hospitais; na educação escolar; nos grupos de reflexão bíblica; na pastoral da juventude; nas visitas domiciliares; nos momentos de injustiças contra os mais fracos…E aqui aparecem duas conclusões. A primeira é que daqui para frente essa saída do templo, e a ida para o vasto mundo, se tornará sempre mais a atividade primordial da Igreja. A segunda é que essa atividade vai ser administrada principalmente pelos leigos, encorajados pelos Padres.

*Dom Aloísio Roque Oppermann, 71, é Arcebispo de Uberaba (MG)

Fonte: CNBB


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *