Formação

O Anão

comshalom

18h

São Tomé, um dos meus santos preferidos, não somente pela experiência que tivemos na Fenda da Rocha¹, mas porque em muitas coisas temos almas gêmeas, o que nos leva a ter longas conversas sobre o amor e a fé. Não é ele o santo deixado pelo Senhor para consolar com sua vida e seu nome – Dídimo, gêmeo – tantos anões como nós?

Explico-me: Conta-se que um anão de baixíssima estatura, o menor dos anões que já existiu, vivia sobre a cabeça de um altíssimo e fortíssimo gigante. De seu algo posto, enxergava, ao longe, vales e colinas e era capaz de dizer com segurança onde iriam dar os caminhos abertos nas relvas e florestas. Era comum que viajantes o consultassem acerca do melhor trajeto, de possíveis chuvas e geadas, de perigos de animais selvagens. Como enxergava longe, suas respostas eram sempre sábias e acertadas. Ajudou a um sem número de mortais de estatura normal, nosso anão no topo da cabeça do gigante.

Porém, como não há altura que o orgulho não alcance, nosso anão pôs-se a pensar como Deus era bom por tê-lo feito tão sábio. Como Deus o amava por ter-lhe dado a generosidade de estar sempre à disposição dos viajantes. Como o Espírito Santo o privilegiava com uma visão aguçada do mundo que nem mesmo o pobre gigante, cujos olhos ficavam dois metros abaixo (testa de gigante, lembrem-se, é gigantesca!), conseguia ver.

Claro! Tendo boa informação sobre a fé, atribuía a Deus a origem de tantos benefícios, talentos, capacidades e dons. Entretanto, como sua fé era bem informada, mas não bem formada pela vivência da humildade, o infeliz anão passou a achar que a virtude constava em não somente acolher os dons de Deus com alegria, mas incorporá-los a si, apossando-se deles. Não o fazia por mal, nem confessava o que pensava sobre si, nem mesmo ao gigante que o abrigava. Assim como o inferno, seu coração era cheio de boas intenções e más motivações.

Um belo dia, desceu, veloz e decidido, pelos cabelos do gigante enquanto este dormia sobre uma relva plana. Logo foi postar-se à beira do caminho, pronto a colocar sua insólita sabedoria a serviço dos caminhantes.

Enquanto ainda guardava na memória as informações sobre os caminhos, não errava uma só e ouvia, todo contente, dos passantes, frases como: “Ah! Então é você aquele que nos dava informações do alto da cabeça do gigante! Quanta sabedoria! Muito obrigado! É mesmo uma boa ideia você ter vindo aqui para baixo. Está mais perto. Não precisamos gritar. Obrigado! Você é, realmente, uma pessoa maravilhosa, um santo!”

E o anão, certo de ter um pensamento cheio de humildade, orava: “Obrigado, Senhor, por me ter feito tão sábio, maravilhoso e santo!” Até citava o Salmo 139: “Que maravilhas, meu Senhor, sou eu”. Logo passou a acrescentar: “Obrigado, Senhor, também por este dinheiro que os caminhantes me dão. É bem verdade que o operário é digno do seu salário”, acrescentava, em seu hábito de sempre citar a Bíblia, o que lhe adicionava prestígio e segurança.

Passaram-se as estações. O inverno cobriu os caminhos, a primavera os invadiu com suas flores e as trilhas, agora cobertas por mil cores, insistiam em curtir sua nova beleza sem mais revelar sua nudez a quem estava ao nível do chão. Nosso anão se colocava na ponta dos pés, subia nas pedras, pedia aos caminhantes para elevá-lo acima de suas próprias cabeças, mas não via muito mais que eles. Sua pouca estatura – ainda que elevada pelos passantes – não era suficiente para enxergar do alto as trilhas agora semi cobertas.

Sem querer dar o braço a torcer, começou a errar em suas informações. Um de seus erros levou um grupo de viajantes a perder-se durante quarenta dias na floresta, onde alguns foram devorados por animais selvagens. De outra vez, conduziu um adolescente a um despenhadeiro fatal. Outro de seus erros levou um casal a andar em círculos e perder a criança, que estava para nascer. Logo, sua má fama espalhou-se por toda a região: embusteiro, cego, vesgo, interesseiro, irresponsável.

Certo dia, nosso anão caiu em si. Percebeu o óbvio: sua visão privilegiada vinha do fato de estar na cabeça do gigante. Pôs-se, então, a caminho em busca daquele que o sustentara por tantos anos e de quem sequer se despedira. Suas pernas muito curtas, porém, exigiam um tempo enorme para alcançar o que uma só passada do gigante galgava em um segundo. Além disso, não tinha noção do caminho a seguir. Rezou todos os salmos pedindo socorro de que se lembrava, mas o Senhor, que eleva o humilde e abaixa o soberbo, que ouve a oração do pobre e é surdo à oração dos orgulhosos, o amava demais para deixá-lo na ilusão da onipotência e ele jamais encontrou o gigante, até aquietar-se, já idoso e solitário, dedicado agora a buscar a verdade.

Voltando a Tomé, nosso dídimo, nosso gêmeo em nosso nanismo: ao isolar-se, ao ausentar-se, Tomé desceu da cabeça do gigante, passou a ter uma visão individualista e nanica. Isolado da comunidade dos apóstolos, da Igreja, do corpo, aferrou-se à sua própria visão, ao nível de sua estatura nanica. Os frutos: falta de fé, isolamento, desespero, depressão, desilusão com relação a Jesus e à comunidade, revolta com relação ao tempo perdido, fechamento.

Gêmeos dele, também nós, tantas vezes e por tantos motivos, descemos da cabeça do gigante e, isolados, desprotegidos com relação à verdade, passamos a analisar tudo a partir do nosso orgulho e sentimento de onipotência. “Descemos da cabeça” do grupo de oração, da Comunidade, da Igreja, da família e partimos, cegos que creem ver claro, perdidos que creem saber o caminho, certos de que somos donos da verdade. Não somos!

¹Livro publicado pelas Edições Shalom

 

Maria Emmir Oquendo Nogueira
TT @emmiroquendo

Facebook/ mariaemmirnogueira
Coluna da Emmir – comshalom.org
Entrelinhas – Revista Shalom Maná

(Julho 2009)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *