Formação

O Baianismo e o Jansenismo

comshalom

D. ESTEVÃO BETTENCOURT (OSB)

Os Reformadores protestantes lançaram de novo o problema da graça divina e da liberdade do homem, já estudado por S. Agostinho; ver capítulo 13. Apoiando-se na doutrina deste mestre, eram pessimistas em relação a natureza humana e as suas capacidades. Esta temática, complexa como é, continuou a ser debatida dentro da lgreja Católica após o Concílio de Trento (que apenas falara de cooperação entre graça e liberdade), gerando as controvérsias do Baianismo e do Jansenismo.

Baianismo

Miguel de Bay ou Baius († 1589) era professor de Exegese Bíblica na Universidade de Louvain (Bélgica) desde 1552. Desejava reconciliar os reformados com os católicos, valendo-se de escritos de S. Agostinho, que Lutero e os reformadores muito tinham respeitado. Relendo S. Agostinho a seu modo, passou a negar o caráter gratuito e o sobrenatural do estado paradisíaco (a graça, os dons do Espírito Santo e a visão beatífica seriam devidos à natureza humana como tal).

Em consequência, afirmava que a natureza humana foi corrompida pelo pecado de Adão, não é mais livre; nem é capaz de realizar o bem, como também não pode resistir à graça de Deus. Juntamente com muitos adeptos, Baio teve numerosos adversários, especialmente entre os franciscanos belgas e os jesuitas; os Padres Lessius S.J. e Hamel S.J. foram por Baio acusados de semipelagianismo, porque pareciam enfatizar demais o livre arbitrio do homem.

Em 1567 o Papa Pio V, sem citar nome algum, condenou 79 proposições de Baio e dos seus seguidores, parte como heréticas, parte como escandalosas ou suspeitas; Paio retrucou ao Papa; por isto Gregório XIII em 1579 voltou a condená-las – o que levou Baio a sujeitar-se em 1580, sem, porém, abraçar as doutrinas de seus adversários franciscanos e jesuítas. O assunto não estava encerrado, como passamos a ver:

O Jansenismo

Jansen, um professor da Universidade de Louvain, continuou a difundir secretamente as idéias de Baio, querendo combater os jesuitas (especialmente Lessius), que pareciam dar preponderância as forças humanas na conquista da salvação eterna. Jansen encontrou dois discípulos famosos: o holandês Cornélio Jansênão e o francês Duvergier de Hauranne. O primeiro se tornou professor de Teologia na Universidade de Louvain (1617) e morreu como bispo de Ypres (1638). Hauranne foi nomeado abade comendatário de Saint´Cyran e procurava influenciar o público pela direção de consciência e a publicação de escritos anônimos e pseudônimos.

Ao morrer, Jansênão deixou seu livro “Augustinus” inédito, que saiu em edição póstuma em 1640, sem a autorização de Roma e à revelia dos jesuitas. Era uma reafirmação dos erros de Baius sob o manto de S. Agostinho; o autor lera trinta vezes todos os escritos de Agostinho contra os pelagianos e trabalhara vinte anos na redação respectiva; professava logo no início do livro submissão à Santa Sé e à infalibilidade do Papa.

Em 1642 Urbano VIII proibiu a leitura dessa obra. Os amigos de Jansênão tomaram isto como um ataque à doutrina de S. Agostinho. Saint´Cyran procurou ganhar para a sua causa os circulos influentes: conseguiu a adesão do famoso teólogo Antónão Arnauld (1694) e das monjas cistercienses de Port´Royal (perto de Paris), das quais Saint´Cyran era confessor e cuja abadessa, Angélica, era irmã de Antónão Arnauld. Formou-se aos poucos um partido jansenista, que tinha seus principais adversários entre os jesuitas: estes eram tidos como semipelagianos e laxistas pelos adeptos de Jansênão.

Visando a defender sua causa, A. Arnauld publicou em 1643 um livrinho “Sobre a Comunhão Freqüente”, em que combatia a recepção amiudada dos sacramentos recomendada pelos jesuitas; estabelecia condições rigorosas para que alguém pudesse receber a Eucaristia ou mesmo a absolvição dos pecados (a comunhão seria prêmio da virtude praticada pelo cristão); o autor julgava estar assim restaurando a disciplina da antiga Igreja. Teve grande sucesso; o Parlamento de Paris colocou-se ao lado dos jansenistas. A situação foi levada ao conhecimento da Santa Sé com o pedido de intervenção. Depois de longas deliberações, o Papa Inocêncio X, na Bula Cum occasione de 31/05/1653, condenava como heréticas as cinco proposições seguintes, tiradas do “Augustinus”:

1 Alguns preceitos de Deus são impraticáveis mesmo para os homens justos e de boa vontade, que tentem cumpri-los segundo suas forças. Falta a esses homens a graça que tome os mandamentos exeqüíveis.

2. Nas condições da natureza decaída, nunca alguém pode resistir a graça Interior.

3. Para merecer e desmerecer no estado da natureza decaida, não é necessária liberdade interior, mas basta a isensão de coação extrínseca.

4. O homem nunca pode resistir a graça de Deus.

5. Cristo não morreu por todos os homens.

Esta condenação não pôs termo aos debates. Arnauld e seus amigos reconheceram o caráter herético das sentenças condenadas, mas negaram que elas fossem a doutrina de Jansênão; o Papa as teria entendido em sentido calvinista, que não era o sentido de Jansênão. o Papa, porém, declarou que quisera condenar a doutrina de Jansênão como tal os jansenistas replicaram, distinguindo “questão de direito” e “questão de fato”: a Igreja, diziam, é infalivel ao decidir se uma doutrina em si é herética ou não, mas não é infalível ao julgar um niero fato histórico, isto é, se um teólogo proferiu esta ou aquela doutrina; neste último caso, a Igreja não poderia exigir um assentimento interior ao juizo que ela profere, mas apenas um “silêncio obsequioso” (com discordância interior). Esta distinção deu novo alimento a luta. Depois de discussões acesas, a Sorbona (Universidade de Paris fundada em 1253 por Roberto de Sorbon) expulsou em 1656 Arnauld e sessenta outros mestres.

Entrementes entrou em cena o famoso filósofo e matemático Blaise Pascal. lrmão da monja Jacqueline, de Port´Royal, agregou-se em 1654 ao grupo dos Solitários, perto de Paris: estes eram homens austeros, que, mesmo sem votos religiosos, oravam, trabalhavam e se mortificavam, mantendo o oficio Divino a noite e periodos de silêncio; hospedavam visitantes que com eles quisessem passar alguns dias de retiro o que muito impressionava o público de Paris.

Pascal resolveu dedicar sua atenção aos problemas religiosos que fervilhavam no ambiente; assimilou as doutrinas apregoadas por Arnauld e seus adeptos, e colocou sua pena mordaz a serviço dos jansenistas contra os seus adversários, principalmente os jesuitas. Usando o pseudônimo Louis de Montalde, escreveu as suas famosas “Cartas Provinciais” (1656/7), dirigidas contra a imoralidade da sociedade de Paris e a Companhia de Jesus, tida como laxista em Moral. As sátiras de Pascal foram traduzidas para outras linguas e causaram enorme mal é Companhia, que não merecia tal tratamento.

A partir de 1660, o rei Luis XIV da França, por motivos politicos, pos-se a combater o jansenismo, o que agravou a situação. Em 1665 apareceu uma Carta Pastoral de quatro bispos franceses, que recomendavam apenas o silêncio obsequioso… O Papa Alexandre VII condenou os quatro bispos e instituiu uma comissão de nove bispos para julgá-los; os quatro prelados protestaram em nome das “liberdades galicanas”, segundo as quais o Papa não tinha o direito de julgar os bispos do reino.

Assim o jansenismo e o nacionalismo francês (galicanismo) se associaram no combate a Roma.

Mas, sob o sucessor de Alexandre VII, inesperadamente os quatro bispos assinaram um formulário de sujeição a Santa Sé; ao mesmo tempo, porém, professaram a sua convicção jansenista num protocolo que devia ficar secreto (1668). O Papa deu-se por satisfeito com o gesto público dos quatro prelados e em 1669 concedeu a reconciliação a todos os jansenistas; era a Paz Clementina, que os rebeldes receberam em atitude de triunfo; o Papa Clemente XI teria anulado os atos de seus predecessores e aprovado o silêncio obsequioso.

O jansenismo

Nos decênios seguintes, o jansenismo as ocultas continuou a se difundir. Mas no início do século XVIII reabriu-se a luta pública e calorosa.

Começou-se a discutir de novo a questão: pode ser absolvido em confissão quem observa apenas um silêncio obsequioso? Quarenta doutores da Sorbona responderam afirmativamente. Diversos bispos e o próprio Papa Clemente XI rejeitaram essa sentença em 1703. Em 1705 o Pontifice publicou a Bula Vineam Domini, em que mais uma vez declarava insuficiente o silêncio obsequioso e exigia a condenação das cinco sentenças do livro “Augustinus” de boca e de coração. A Bula não teve o efeito desejado.

O clero francês, impregnado de nacionalismo separatista, na assembléia geral de 1705 declarou que as instruções papais só obrigam os fiéis quando reconhecidas e confirmadas pelos bispos locais. O Papa protestou contra esta atitude, mas com pouco sucesso. Também as monjas de Port´Royal, “puras como os anjos, mas orgulhosas como os demônios”, resistiram ao Papa; então o Governo Francês em 1705, com a aprovação do Pontifice, mandou fechar o Mosteiro, destruir o respectivo edificio e a igreja.

A esta altura, novo foco se acendeu para alimentar a discussão jansenista. O Padre oratoriano Pascásio Quesnel (†1719) publicou o livro “Reflexões morais sobre o Novo Testamento”, tendo a aprovação do bispo Luis Antonio de Noailles. Era obra imbuída de jansenismo, que encontrou larga aceitação. Os jesuitas conseguiram que Clemente XI censurasse o livro em 1708 e proibisse, sob pena de excomunhão, a sua leitura. Diante da resistência a ordem do Papa, Clemente XI mandou reexaminar o livro e condenou 101 sentenças do mesmo mediante a Bula Unigenitus de 1713.

Recomeçou então o jogo dialético: já que muitas sentenças extraidas do seu contexto pareciam ter sentido ortodoxo, o Cardeal de Paris e sete bispos recusaram-se a aceitar a decisão papal; a corrente destes contestatórios foi-se avolumando e apelou para um Concílio Ecumênico. Assim dividiu-se a França em partido dos “Aceitantes” e partido dos “Apelantes” ou “Anticonstitucionistas”; aqueles usavam faixas de seda castanha e branca, e estes, faixas pretas e vermelhas.

A situação foi se agravando até o perigo de um cisma. Em 1718 Clemente XI excomungou os Apelantes. Muitos deles rejeitaram a decisão papal. O acirramento das posições chamou a atenção do novo rei Luis XV, pois o fanatismo dos jansenistas constituia uma ameaça não só a lgreja, mas também a nação. O poder civil adotou medidas repressivas, que chegaram a reduzir o Cardeal Noailles, de Paris, à submissão; a maioria dos outros Apelantes seguiu-lhe o exemplo.

Os obstinados apelaram então para sinais do céu em favor da sua causa: um diácono jansenista, Francisco de Paris, morreu em 1727 e foi sepultado no cemitério de S. Medardo; ora os devotos que iam rezar junto ao túmulo, afirmavam que lá se produziam milagres, visões e êxtases; as curas eram obtidas por meio de convulsões em torno do túmulo, enquanto se recitavam imprecações contra o Papa, a Bula e os Bispos. O apelo a esses critérios extraordinários não conseguiu deter o desmoronamento do jansenismo. Em 1732 o rei mandou fechar o cemitério e um humorista escreveu no portão: “Por ordem do rei, Deus está proibido de fazer milagres neste lugar”.

A ação conjunta do rei e da Igreja conseguiu extinguir aos poucos o jansenismo na França. A tarefa não foi fácil por causa das paixões e porque os Parlamentos de Paris e das províncias se opunham as medidas repressivas do rei; …opunham-se por causa do galicanismo (nacionalismo eclesiástico), que o rei Luis XIV havia fomentado; quando o monarca quis agir com Roma contra o jansenismo, sentiu a resistência.

Todavia, enquanto o jansenismo propriamente dito desaparecia, ficava na piedade do povo acentuada tendência rigorista, associada a idéias galicanas, como se verá em capítulos seguintes. Até S. Pio X (1903´1914) os fiéis pouco recebiam a Comunhão Eucaristica por causa do temor incutido pelo Jansenismo.

Na Holanda o Jansenismo conseguiu produzir o cisma ao qual escapou a França de Luis XIV. Vários jansenistas de renome, entre os quais Quesnel, para lá se retiraram. Em 1723 quatro sacerdotes jansenistas de Utrecht lembraram-se de restaurar o arcebispado dessa cidade, que se convertera ao calvinismo. Um deles, Cornélio Steenhoven, fora escolhido como titular; encontrou-se quem o ordenasse arcebispo – o bispo Varlet, das Missões Estrangeiras de Paris, jansenista suspenso. O terceiro sucessor de Steenhoven ressuscitou os bispados de Harlem (1742) e Deventer (1758), criando assim a Igreja cismática de Utrecht, que ainda hoje existe. Os velhos católicos alemães entraram em relação com os jansenistas de Utrecht, formando união com eles em 1889.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *