Formação

O caminho da Igreja

comshalom

O documento de Aparecida, fruto da V Conferência do Episcopado latino-americano e caribenho, marcará indubitavelmente a história da Igreja em nossos países. Sua proposta é uma retomada das exigências do evangelho na ótica do discipulado e da missão. Estes são dois aspectos inseparáveis da vocvação cristã. Perpassa todo o documento a temática existencial do encontro com Cristo, fazendo eco ao ensinamento do papa João Paulo II, que, desde a encíclica "Redemptor Hominis", programática de seu pontificado, até os últimos ensinamentos de seu magistério, colocou Jesus Cristo, revelação do mistério da Trindade e revelação do mistério do ser humano, no centro de sua pregação.

 O discipulado é uma experiência nunca completada no tempo da história. É um caminho, uma caminhada nas pegadas do mestre. O Mestre é "o caminho, a verdade e a vida". O primeiro encontro é uma descoberta que muda os rumos da vida da pessoa e lhe dá um sentido novo(Jo 1,39). A existência passa a se caracterizar por um intenso desejo de conhecer o Senhor e de sempre mais se envolver com Ele, deixando-se tomar pelo dinamismo de sua mensagem pela poderosa atuação de seu Espírito. Inaugura-se uma amizade, preciosíssima pérola, de permanente troca, onde as riquezas inesgotáveis da interioridade do Senhor, como de uma fonte, se trasfundem para a interioridade e para a vida do discípulo( Jo 15,15). Mas não se é discípulo sozinho. Assim como o Senhor se revelou sedento de se comunicar e partilhar seu mistério, sua vida com o Pai no Espírito, o discípulo agraciado por tão imenso dom, descobre a alegria de repartir com outros a riqueza recebida(Jo 15,12). Quando nasce o discípulo, nasce já o missionário.

Quanto mais se intensifica a amizade com o Senhor mais profunda se torna a necessidade de revelar aos outros a razão de tanta alegriaJo 4,29). A felicidade dos discípulos só é plena na comunhão fraterna e no serviço humilde aos irmãos(Jo 13,12-17). Quando não se busca partilhar com outros o dom da amizade de Cristo, não se desfruta de sua alegria. O termômetro que mede o calor do encontro com Cristo é a comunhão fraterna(Jo 13,35). É claro que o discipulado é um processo jamais acabado no tempo da história. Por isso também a comunhão fraterna, na comunidade, é processo. Os conflitos, inevitáveis na presente condição, se tornam apelos a um crescimento maior. E, quando nossa humana fragilidade ferir o amor, resta o recurso à divina misericórdia e a decisão de pedir perdão a Deus, aos irmãos e irmãs, e também a generosidade de perdoar assim como Ele nos perdoa(Mt 18,21-35).

As comunidades cristãs, espalhadas por toda a parte no coração de nossas cidades, poderão ser o fermento de um mundo novo, feito de justiça, verdade e amor, um mundo em que a paz é constantemente construída. As paróquias se organizarão como redes de comunidades menores e de grupos e serão animadas pela espiritualidade de comunhão (Doc. Aparecida 170ss). Estas comunidades e esses grupos de discípulos serão animados por forte espírito missionário que fará com que seus membros se façam presentes a trodas as pessoas do entorno, uma presença de solidariedade que os fará próximos de todos, sobretudo dos mais necessitados do amor e da palvra de Deus.

A Igreja é chamada a uma profunda e permanente conversão: tornar-se uma Igreja discípula-missionária. Essa conversão é fruto da fé que acolhe a luz e o impulso do Espírito e transforma o coração, os pensamentos e as atitudes, das pessoas. È a força dessa conversão pessoal, alimentada pela Palavra de Deus e e sustentada pela Eucaristia, que levará necessariamente à "Conversão Pastoral", assim descrita pelo documento: "a conversão pessoal desperta a capacidade de submeter tudo ao serviço da instauração do reino da vida. Os bispos, presbíteros e diáconos permanentes, consagrados e consagradas, leigos e leigas, são chamados a assumir atitude de permanente conversão pastoral, que implica escutar com atenção e discernir ‘o que o Espírito está dizendo às Igrejas'(Ap 2,29) através dos sinais dos tempos em que Deus se manifesta"(N. 366). É Hora. Acorda, Igreja!

*Dom Eduardo Benes de Sales Rodrigues, 66, é Arcebispo de Sorocaba (SP)

Fonte: CNBB


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado.