Parresia

O corpo como expressão do amor

O corpo humano, com o seu sexo, e a sua masculinidade e feminilidade, visto no próprio mistério da criação, não é somente fonte de fecundidade e de procriação, como em toda ordem animal, mas encerra desde “o princípio” o atributo “esponsal”.

Unsplash

Se queremos compreender quem é o ser humano devemos, por força de coerência, partir da narrativa bíblica do livro do Gênesis. Esse texto, além do seu caráter teológico, também tornou-se uma referência e fonte de inspiração para muitos pensadores ao longo dos séculos.

No início do livro do Gênesis, encontramos duas narrativas da Criação, sendo a segunda narrativa (Gn 2,4b-25) mais antiga do que a primeira narrativa (Gn 1,1—2,4a), por isso a segunda narrativa é marcada por uma linguagem antropomórfica, na qual Deus é apresentado com características muito humanas. Esse tipo de linguagem, além de denotar antiguidade, trabalha muito com imagens e figuras de linguagem para melhor traduzir a mensagem pretendida. Mas se contemplamos os detalhes descritos em ambos os capítulos acerca da criação do homem e da mulher, encontraremos elementos essenciais que definem o ser humano e explicam o sentido da sua existência.

Deus contempla a sua obra

Em Gn 1, no final de cada dia, Deus contempla a sua obra e expressa que ela é boa. Esse adjetivo hebraico “tôv” significa “bom” e “belo”, e expressa três sentidos: um sentido moral, um sentido prático e um sentido estético. Ou seja: enquanto traduz um sentido moral, revela que cada obra criada por Deus é positiva, tudo o que Deus criou é bom, tem em sua essência a bondade, pois Deus não pode ser criador do mal; no seu sentido prático “tôv” expressa que cada coisa criada tem um objetivo e responde ao desígnio para o qual foi feito; quanto ao sentido estético, compreendemos que a criação é bela e, por isso, é uma forma privilegiada de conhecer o Criador.

No final de cada obra criada Deus viu que era bom, útil e belo. Contudo ao criar o ser humano Deus disse: “é muito bom!”. Entre a criação de cada ser e a criação do homem e da mulher, notamos uma mudança radical, como explica S. João Paulo II:

No ciclo dos sete dias da criação, manifesta-se evidentemente uma gradualidade nítida; o homem, pelo contrário, não é criado segundo uma sucessão natural, mas o Criador parece deter-se antes de o chamar à existência, como se tornasse a entrar em si mesmo, para tomar decisão: “Façamos o homem à Nossa imagem, à Nossa semelhança” (Gn. 1, 26).[1]

No seu corpo, portanto, o ser humano expressa a bondade e a beleza do seu criador, “glorificai, pois, a Deus no vosso corpo! ” (1Cor 6,20).

Amar com todas as potências do seu ser

Compreendemos, assim, que “o amor é a fundamental e originária vocação do ser humano”[2]. Mais ainda, a realização dessa vocação originária ao amor acontece plenamente quando a pessoa é capaz de amar com todas as potências do seu ser: sentidos, afetos, imaginação, memória, inteligência e vontade, ou seja, o seu ser inteiro, corpo-alma-espírito. Não somente o seu interior, mas também o seu corpo foi criado para expressar o amor do seu Criador. E como isso é possível?

É fundamental compreender que o homem é chamado a amar com a totalidade do seu ser masculino e a mulher, com a totalidade do seu ser feminino. Assim, “feminilidade e masculinidade são dons complementares, pelo que a sexualidade humana é parte integrante da capacidade concreta de amor que Deus inscreveu no homem e na mulher”[3]. Existe um significado esponsal inscrito no mais íntimo de cada pessoa, que se encarna no caráter esponsal do seu corpo. Para melhor entender, vejamos o que S. João Paulo II nos ensina a respeito:

O corpo humano, com o seu sexo, e a sua masculinidade e feminilidade, visto no próprio mistério da criação, não é somente fonte de fecundidade e de procriação, como em toda ordem animal, mas encerra desde “o princípio” o atributo “esponsal”, isto é, a capacidade de exprimir o amor precisamente pelo qual o homem-pessoa se torna dom e – mediante este dom – realizar o próprio sentido do seu ser e existir.[4]

Este é o primeiro passo para uma visão correta do sentido do corpo humano. Seguiremos nos próximos artigos desenvolvendo mais um passo para uma melhor compreensão do valor e do sentido da sexualidade humana.

Por Josefa Alves
Teóloga, Consagrada na Comunidade de Vida Shalom

Referências

[1] JOÃO PAULO II, Audiência Geral 12 de setembro de 1979. In: http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/audiences/1979/documents/hf_jp-ii_aud_19790912.html.

[2] JOÃO PAULO II, Exortação Apostólica Familiaris Consortio, n.11.

[3] CONSELHO PONTIFÍCIO PARA A FAMÍLIA, Sexualidade Humana: Verdade e significado, n.10.

[4] JOÃO PAULO II, Audiência Geral, 16 de janeiro de 1980. In: http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/audiences/1980/documents/hf_jp-ii_aud_19800116.html

Todos os Artigos

Este conteúdo está sendo disponibilizado pelo Instituto Parresia. Um grupo aberto de trabalho está aprofundando o tema desta série de artigos, na perspectiva do Carisma Shalom. Clique aqui para obter mais informações sobre nossas atividades e formas de contato.


Comentários

[fbcomments]

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *