Formação

O desapego dos bens materiais

comshalom

A grande lição que o episódio do jovem rico oferece é o desapegototal que se deve ter dos bens materiais (Mc 10,17-30). Jesusdiagnosticou perfeitamente o quanto aquele rapaz, que por sinalobservava os mandamentos e desejava a salvação eterna, endeusava osbens que possuía. Tudo que Deus concede a cada um deve ser sempre uminstrumento para se realizar uma missão nesta terra, ajudando o próximo.

A Igreja ensina que o supérfluo dos ricos pertence aos pobres, dadoque esbanjar o que se tem, ignorando as necessidades alheias fere, defato, a sensibilidade cristã. É de se notar que a previdência comrelação ao futuro não fere a providência divina, nem a desambiçãoevangélica, pois o Criador deu inteligência ao ser pensante para bemgerir os bens que venha, licitamente, possuir. O grande erro é aobsessão de se acumular riquezas, o que denotaria um materialismogritante.

O que não se pode, além disto, é reduzir o cristianismo a umascetismo radical, mesmo porque a doutrina de Cristo deve ser observadano seu conteúdo global. Quando Jesus proclamou bem-aventurados ospobres, Ele não estava afirmando que quem é pobre é feliz pela falta dedinheiro, ou da privação de alguns bens, ou da renúncia ocasionada pelasituação financeira, mas é venturoso, isto sim, quem coloca suaconfiança unicamente em Deus, e não em algo material. Ora, istoindepende da posse de qualquer coisa.

A luta contra a pobreza, o combate pela justiça, o cuidadopermanente da misericórdia devem ser compreendidos não como um fim emsi mesmo, mas como um apelo à imitação do Pai celeste que éinfinitamente misericordioso. Tanto que o preceito de Cristo foi este:“Dou-vos um mandamento novo: que assim como eu vos amei, vós também vosameis uns aos outros” (Jo 13,34). Deste modo, o Espírito Santo estásempre indagando a cada um como está empregando os seus bens, jamaisignorando os mais pobres.

Com efeito, nunca o nosso pão é tão pequenino que não o possamospartir com o próximo. Há, porém, muitas maneiras de ajudar os outros,ou seja, não apenas colaborando com as entidades caritativas da Igrejacom ofertas generosas, como ainda estando a serviço na execuçãocompetente das obrigações cotidianas.

Como se vive hoje num contexto de uma sociedade do bem-estar e doconsumismo insensato, se abre um campo enorme para o desapego cristão oqual combate todos os gastos inúteis, para um auxílio oportuno a quemsofre. Segundo a doutrina de Cristo são pobres os pecadores, osenfermos, os indigentes, os estrangeiros. Ele reavivou naqueles que oseguem o esforço para eliminar a desgraça, a infelicidade, o sofrimentoou a indigência sob quaisquer formas através das quais se apresentem, eisto mediante a justiça social, o auxílio oportuno, o dom generoso epurificador.

O rico pode ser pobre vivendo a pobreza como dom do Espírito Santo,desinteressando-se pela riqueza entendida como capital acumulado, istoé, como exagero econômico, posse individual, poder pessoal, atitudesjactanciosas. Ser pobre no Espírito Santo proporciona a alegria deseguir Cristo com liberdade e daí a segurança, a certeza de que Deusenche sempre o vazio que se produz em alguém e em torno de alguém.

É isto que o moço rico, a que se referiu São Lucas, não entendia. Aamplitude das inspirações e das colocações da espiritualidade cristãsatinentes ao espírito de pobreza é sem limites. Um aspecto importante énão colocar o foco na quantidade do ter, mas, sim, na qualidade do ser.Quantas pessoas, com efeito, vivem felizes com o pouco que possuem e,um sem número, passa a vida no meio das torturas do tédio, na solidão,na depressão, mesmo possuindo muita riqueza.

O tema em tela deve sempre ser considerado no horizonte da fé e estaleva à liberdade interior, à paz íntima que valem mais do que todos osbens terrenos. É unicamente a confiança em Deus, a fé em Cristoressuscitado que jogam por terra critérios mundanos de avaliação e levaà verdadeira pobreza de espírito.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *