Formação

O Dia do Senhor: alegria e solidariedade

comshalom

1. Na Carta Apostólica Dies Domini observei, entre outras coisas, que o domingo, além de ser dia de distensão e descanso, como normalmente é considerado, deve ser dia de alegria e solidariedade.

Dia de alegria! Porventura se pode programar a alegria? É ela um sentimento que depende das circunstâncias felizes ou tristes da vida? Na realidade, a autêntica alegria cristã não se reduz a um sentimento aleatório: o seu fundamento está no amor que Deus nos manifestou na morte e na ressurreição do seu Filho. Esta certeza oferece-nos um motivo profundo para viver e esperar. Os santos confirmam com a sua existência que se pode experimentar uma íntima alegria, até mesmo em condições de sofrimento físico e espiritual, quando se é consciente de estar envolvido no amor de Deus.

O domingo é o dia propício para nos ajudar a redescobrir as raízes profundas da alegria.

2. Por outro lado, a alegria autêntica não pode permanecer somente uma experiência individual, mas tem necessidade de ser compartilhada e participada. O domingo para o crente, assim como para as famílias cristãs, deve tornar-se o dia em que se experimenta uma comunhão mais intensa com o próximo, indo ao encontro daqueles que, por um motivo ou por outro, se encontram em situação de dificuldade.
Desse modo, o domingo torna-se o dia da partilha.

Convidar uma pessoa sozinha para almoçar, oferecer algo a uma família necessitada, visitar um doente ou um encarcerado, dedicar um pouco de tempo a quem está atravessando um momento difícil: eis alguns dentre os muitos gestos concretos possíveis para fazer do domingo um dia de solidária fraternidade.

Vivido dessa maneira, o dia do Senhor, além de ser plenamente valorizado, manifesta-se também como «dies hominis», o dia do homem, porque faz crescer a nossa humanidade.

3. Maria Santíssima nos ajude a compreender a importância de viver assim o dia do Senhor. Precisamente no trecho do Evangelho de ontem, festa da Assunção de Maria ao céu em corpo e alma, foi-nos apresentada a prontidão com a qual a Virgem, depois de ter concebido Jesus no seu ventre, se dirigiu para a casa da sua prima Isabel a fim de lhe dar ajuda e compartilhar com ela a alegria dos favores divinos (cf. Lc 1, 39-56).

Estes mesmos sentimentos deve ter aquele que encontra Cristo na Eucaristia. A Missa não se encerra entre as paredes de uma igreja: ela é fonte de transformação da vida de cada dia, é «missão», é envio para o anúncio e juntamente envio para a caridade.

(Ângel


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *