Shalom

O futebol explicado por Bento XVI

comshalom

Antes da Copa do Mundo de 1986, foi publicado um texto do então cardeal Joseph Ratzinger, com o título: “Busquem as coisas do alto”. O texto foi escrito em resposta à seguinte pergunta: “Por que este esporte movimenta tanta gente assim?”. O jornal italiano tempo.it publicou a resposta de Bento XVI.

A cada quatro anos a Copa do Mundo se transforma num evento que fascina milhões de pessoas. Nenhum acontecimento na Terra pode ter um efeito vasto assim, o que demostra que esta manifestação esportiva toca qualquer elemento primordial da humanidade.

jogo vai além da vida do dia a dia. Mas, sobretudo nas crianças, tem a característica de exercício para a vida. Simboliza a própria vida e a antecipa a experiência, por assim dizer, de uma maneira de viver livremente estruturada.

Força o homem a se impor uma disciplina de modo a obter com treinamento o domínio de si. Com o domínio, a superioridade; e com a superioridade, a liberdade. Ensina sobretudo uma disciplinada harmônica: como jogo de equipe obriga à inclusão do indivíduo na equipe. Unir os jogadores com um objetivo comum; o sucesso e o insucesso de cada um está no sucesso e no insucesso de tudo.

Ensina também uma leal rivalidade, onde a regra comum permanece no elemento que liga e une na oposição. Enfim, a liberdade do jogo, se este se executa corretamente, anula a seriedade da rivalidade. Assistindo, os homens se identificam com o jogo e com os jogadores, e participam assim, pessoalmente da união e rivalidade, da serenidade e liberdade: os jogadores se tornam um símbolo da própria vida; o que repercute a sua volta sobre eles: esses sabem que os homens representam neles, eles mesmos, e se sentem confirmados. Naturalmente tudo pode ser inclinado a um espírito empresarial, sujeitando tudo à seriedade sombria do dinheiro, transformando o jogo em indústria, e criando um mundo fictício de dimensão assustadora.

Mas nem mesmo este mundo fictício poderia existir sem o aspecto positivo que está na base do jogo: o exercício à vida e a superação da vida em direção ao Paraíso perdido. Em ambos os casos se trata porém de buscar uma disciplina de liberdade; para exercer com harmonia a rivalidade e o acordo em obediência à regra.

Talvez, refletindo sobre estas coisas, podemos novamente aprender dojogo a viver, porque em si mesmo é evidente uma coisa fundamental: o homem não vive somente de pão, o mundo do pão é somente o prelúdio da verdadeira humanidade, do mundo da liberdade. A liberdade se nutre porém da regra, da disciplina, que ensina a harmonia e a rivalidade leal, a independência do sucesso exterior e do arbítrio, e torna-se precisamente assim verdadeiramente livre. O jogo, uma vida. Se vamos mais fundo, o fenômeno de modo apaixonado pelo futebol pode nos dar mais do que um pouco de diversão.

 Fonte: Aleteia

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *