Formação

O homem é composto de corpo e alma

A alma compõe, junto com o corpo, o ser humano. Enquanto o corpo é o princípio material do homem, a alma pode ser considerada o princípio espiritual. Saiba mais.

comshalom

A vida interior, embora tome lugar na interioridade do homem, envolve todo o seu ser. O ser humano, na natureza que Deus lhe concedeu para conhece-lo e amá-lo, foi criado corpore et anima unus, isto é, composto de corpo e alma [1]. O Catecismo ensina que o homem ocupa um lugar único na Criação pelo fato de ter sido criado à imagem e semelhança de Deus (cf. Gn 1, 29), e que em sua própria natureza une o mundo espiritual e o material:

“Deus criou conjuntamente, do nada, desde o início do tempo, ambas as criaturas, a espiritual e a corporal, isto é, os anjos e o mundo terrestre; em seguida, a criatura humana, que tem algo de ambas, por compor-se de espírito e corpo. [2]”

O fundamento da noção de que o homem une em sua própria natureza o mundo espiritual e o material reside em que ele é composto de um princípio pertencente à dimensão material, que é o corpo, e de outro pertencente à dimensão espiritual, que é a alma.

O corpo pode ser definido como “a substância física de cada homem ou animal” [3] e que o Gênesis descreve a sua formação da seguinte forma: “O Senhor Deus modelou o homem com a argila do solo” (Gn 2,7). Ora, aqui, o autor sacro não pretende explicar o caminho evolutivo até a formação do corpo humano, mas expressa a pertença do corpo ao mundo material. Nesta ocasião, não queremos nos deter muito na dimensão material, o corpo.

A alma compõe, junto com o corpo, o ser humano. Enquanto o corpo é o princípio material do homem, a alma pode ser considerada o princípio espiritual. O livro do Gênesis também menciona a alma, quando descreve que dá vida ao homem que formara da argila do solo com o Seu sopro (cf. Gn 2,7). Ao distinguir um princípio material e um espiritual, não nos referimos a uma união de duas naturezas que se unem, mas de dois compostos de uma única natureza. Neste sentido, o Catecismo afirma que a alma é a forma do corpo. Isto quer dizer que a vida da qual o corpo goza é devida à alma:

“A unidade da alma e do corpo é tão profunda que se deve considerar a alma como a forma do corpo; ou seja, é graças à alma espiritual que o corpo constituído é um corpo humano e vivo; o espírito e a matéria no homem não são duas naturezas unidas, mas a união deles forma uma única natureza. [4]”

O termo português “alma” vem do latim anima, que revela de maneira bastante clara a natureza da alma. A alma anima os seres, ou seja, lhes dá vida, tornando-os seres animados. A alma, ensina Santo Tomas de Aquino, “é o primeiro princípio de vida dos seres vivos que nos cercam, pois aos seres vivos chamamos de animados, e aos carentes de vida de inanimados” [5]. Todo ser vivo tem alma.

O cristão não deve incorrer do erro de compreender e tratar separadas as duas realidades que o compõem estando unidas. Caso contrário, podemos correr o risco de menosprezar um ou outro.

Por um lado, não podemos ignorar a alma espiritual e os cuidados que ela merece. Seria um erro pensar que somos apenas corpo. Se assim fosse, toda a nossa existência estaria fadada a acabar com a corrupção do corpo, e os desejos de eternidade que se verificam no homem há séculos, como bem deixa manifesta a história das religiões, seriam vãos e ilusórios.

Porém, se há no ser humano um desejo natural de eternidade é porque a sua própria natureza foi criada em ordem a isso. Não pode haver incoerência na natureza criada por Deus. Com efeito, fomos criados com uma alma subsistente, racional e imortal, o que expande o nosso horizonte além do conhecimento material e ao jugo do tempo.

Por outro lado, tampouco podemos ignorar a importância e sacralidade do corpo, que é também lugar de encontro com Deus, como o fizeram os gregos antigos, que viam o corpo como a prisão da alma, ou a heresia jansenista, que menosprezava a natureza humana exageradamente. Garrigou-Lagrange afirma que, assim como seria um erro defender a ausência da alma, seria também equivocado conceber o homem como apenas alma [6]. A alma não apenas “usa do corpo” para exercer as suas funções, mas é a forma substancial do corpo.

O Concílio Vaticano II exorta a não desprezar a vida corporal, mas a considerar o corpo como digno de respeito pelo fato de ter sido criado por Deus, assim como um meio de louvor ao Criador:

“O homem, ser uno, composto de corpo e alma, sintetiza em si mesmo, pela sua natureza corporal, os elementos do mundo material, os quais, por meio dele, atingem a sua máxima elevação e louvam livremente o Criador. Não pode, portanto, desprezar a vida corporal; deve, pelo contrário, considerar o seu corpo como bom e digno de respeito, pois foi criado por Deus e há de ressuscitar no último dia. [7]”

O corpo humano deve ser considerado como espaço sagrado estabelecido por Deus para ser, junto com a alma espiritual, lugar de habitação divina. O ser humano inteiro, na sua unidade corpo e alma, goza do privilégio de ser a única criatura feita à imagem de Deus (cf. Gn 1, 27), de modo que a dimensão material da sua natureza, o corpo, também participa desta dignidade:

“O corpo do homem participa de dignidade da ‘imagem de Deus’: ele é corpo humano precisamente porque é animado pela alma espiritual, e é a pessoa humana inteira que está destinada a tornar-se, no Corpo de Cristo, o Templo do Espírito. [8]”

Todo o nosso ser, corpo e alma, foi criado pelo Pai, redimido por Cristo e é santificado pelo Espírito Santo. Como um ser unificado, o homem se relaciona com Deus. Lembremos o canto do salmista: “minha alma tem sede de ti, minha carne te deseja com ardor” (Sl 63/62).

[1] cf. Constituição Pastoral Gaudium et Spes, 14.

[2] CIC 327.

[3] Dicionário Aurélio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

[4] CIC 365.

[5] ST I, q. 75, a. 1.

[6] Garrigou-Lagrange, La sínteses Tomista, Ediciones Desclée de Brouwer, Buenos Aires, Argentina 1946, pág. 211.

[7] Gaudium et spes, 14.

[8] CIC 363-364.

Saiba mais

Abertas as pré-inscrições para a Escola de Líderes Shalom 2021 com a temática da vida interior


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *