Formação

O mistério da salvação

O mistério da salvação

A humanidade, originária de um único princípio (Atos 17, 26), chegará um dia a construir uma verdadeira unidade, em que cada pessoa acolherá o outro, sem escravizar nem colonizar ninguém?

O mistério da vontade de Deus é de reunir em Cristo todas as criaturas humanas. A segunda leitura deste domingo, Festa da Epifania, Efésios 3, 2-6, fala que, nessa vontade, está a de reunir em Cristo todo o universo, portanto também os pagãos. Essa, desconhecida às gerações precedentes, agora é revelada pelo Espírito aos “santos apóstolos”, entre os quais Paulo, e aos profetas. Mas Paulo se sente o apóstolo por excelência dos gentios, instrumento da graça para aqueles a quem comunica a vida “gerando-os em Cristo Jesus mediante o evangelho” (1Coríntios 4,15).

Mas o que define a salvação? A pessoa de Jesus Cristo. Ele é o evangelho do Pai, revelação do plano de Deus para os seres humanos. O Pai de tal modo amou o mundo que enviou o seu Filho para ser o Salvador. Todo aquele que aceita Jesus Cristo como salvador, aceita ser discípulo e seguidor d´Ele: faz-se filho de Deus.

Não há nenhuma exclusão para a admissão à salvação. “Os gentios são chamados a participar da mesma herança, a formar o mesmo corpo, e a ser participantes da promessa do evangelho”. Pagãos e judeus são, acima de toda distinção, membros do único corpo de Cristo, cordeiros porque filhos do único Pai e “coparticipantes da promessa em Cristo Jesus, unidos a ele, herdeiro único das promessas feitas a Abraão”.

A festa da Epifania é a consagração dessa Vontade de Deus: a primeira manifestação do Messias aos pagãos. O texto do evangelho de hoje é de Mateus 1,18-2,23, e reúne cinco episódios da infância do Messias. Os magos, ou sábios, de número impreciso, são doutos. Movidos pela aparição de uma estrela, vão à procura do rei dos judeus, como a Rainha de Sabá havia feito, atraída pela sabedoria de Salomão.

Narrando o episódio dos magos, Mateus comenta também o de Balaão. As analogias entre este e a narração do evangelista são evidentes; em ambos os casos trata-se de magos chamados por um rei estrangeiro (cf. Números 22,2ss) para amaldiçoar o povo; nesse caso, ao invés, para bendizer. Nos casos elencados há também uma estrela luminosa que indica o retorno sem dano às suas terras.

A intenção do evangelista Mateus é de fazer entrar os pagãos na vida de Jesus desde o princípio, e de suscitar a idéia do universalismo do reino.

Os magos, guiados pela estrela, chegam até Jesus, que encontram “com Maria sua mãe” e adoram-no. Enquanto Herodes judeu projeta a sua morte, os magos, os pagãos, prostram-se diante do Messias. A salvação chega para todo o mundo; mas os primeiros a recebê-la são os pagãos.

Nos dons trazidos pelos magos, a tradição patrística e medieval, verá símbolos da realeza de Cristo, o ouro; da sua divindade, o incenso; e da sua abençoada paixão, a mirra.

São Leão Magno escreve: “O mistério da festa de hoje deve permanecer em nós”. Devemos realizar em nós o Cristo da Epifania, o Cristo dado a todas as gentes. A graça da sua manifestação deve estar à disposição de todos.

A Epifania é o início da revelação deste mistério. Percebido pelos profetas, aparece agora pela primeira vez plenamente desvelado. A ressurreição de Cristo e a vinda do Espírito Santo em Pentecostes o darão em plenitude à Igreja, para que o ofereça a todos os povos: “e as gentes caminharão na sua luz”. A missão de mostrar Cristo às gentes é confiada à Igreja e, na Igreja, a cada um de nós.

O universalismo do evangelho muitas vezes encontra em nós limites pela tendência de erigir critérios de separação entre nós: a nossa família, comunidade, nação, raça a que pertencemos e outros mais; entre outros está também nosso credo social, político, religioso e outros grupos; e a pertença à Igreja estabelece limites em modo estreito e grotesco às medidas infinitas estabelecidas pelo amor de Cristo.

Diante de todas as discriminações que afligem a humanidade e a dividem em modos indecorosos e deprimentes, a unificação do mundo deve ser empenho de cada um, nos limites de sua disponibilidade por mínima que seja.

Só existe uma condição para ser discípulo de Jesus: que haja um mínimo de amor em nosso coração. Deus tem esperança ainda na sua criatura humana!

Cardeal Dom Gerado Majella Agnelo

Arccebispo de Salvador da Bahia

Fonte: CNBB


Comentários

[fbcomments]

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *