Formação

O novo normal: Existem coisas que não podemos fazer on-line

Uma formação sobre aquilo que não deve ser mudado.

comshalom

Quantas coisas estamos descobrindo neste tempo… quantas novas oportunidades on-line… quantos deslocamentos descobrimos que não precisamos mais fazer… daqui para frente só vamos para uma palestra ou para um curso presencial se assim decidirmos. Temos (de forma mais evidente) a opção fantástica do home office. 

Criamos grupos de oração on-line, eventos com públicos virtuais diferentes, e até algumas “visitas” também fazemos on-line. No entanto, há algumas coisas que ainda não podem acontecer assim. Os desdobramentos da pandemia não foram capazes de alterar algumas coisas que só podemos fazer offline. Coisas fundamentais.

 Mas o que, definitivamente, não podemos fazer on-line?

Tempo de solidão offline

Todo mundo precisa de um “monte” para onde possa fugir e de um “jardim” onde possa chorar as suas gotas de sangue, como Cristo o fez. O “monte” é o local e o tempo em que não é permitida a influência de ninguém. Isto precisa ser offline. As conexões precisam ser interrompidas. Aquele tempo só pode ser de autorreflexão e de oração. Ali precisamos ficar quietos e ouvir, porque derramamos o nosso coração.

 Aliás, o nosso Getsêmani é o “jardim” onde a nossa alma será melhor “derramada”. Quantos conflitos, irritabilidade, tensões e percalços porque estamos cheios de coisas que deveríamos ter semeado em nosso jardim mais pessoal…

Se vamos ao “monte” conectados, recebemos todas as influências que invadem e bloqueiam a nossa pessoalidade. E não seremos capazes de “chorar o nosso choro”, assimilar as nossas próprias angústias…

Um lugar e um tempo sem interrupções, ligações ou mensagens, precisa ser – intencionalmente – criados por nós. Qual foi a última vez, que de forma offline, que você subiu ao “monte” e entrou no seu “jardim”? O que de mais fundamental na sua vida foi “engolido” pelo on-line?

Tempo de qualidade offline

Precisamos de mais tempo de qualidade com a família, e sempre “investir” em mais alguém. Tempo de qualidade exclusivo, sem interferências. É o tempo de olhar nos olhos, e ouvir, sem a menor distração. Em casa, por exemplo, podemos cultivar este tempo nas refeições. Algumas vezes, precisamos proporcionar este período. 

Quando estamos offline, estamos dizendo aos que estão à nossa frente: “Nada mais interessa, além de você”. 

Hospitalidade offline

A hospitalidade nunca será on-line, ainda que tenhamos momentos incríveis na frente das telas. Vale a pena abrir a porta para receber, e “dar um copo de água” a qualquer um dos “pequeninos” que nos solicitarem. 

Em um tempo em que acessar, clicar e conectar é, irreversivelmente, parte de nós, precisamos estar “off” para o mar de informações, de oportunidades, de lives e de conversas e de reuniões que são “impostas democraticamente” sobre nós. 

Quem não quiser adoecer, precisa ainda sentar-se ao redor da “mesa” da comunhão caseira, informal e intencional, e preparar a “cama” e as “toalhas” para servir aos que chegarem à sua casa. Essa é a autêntica hospitalidade.

 

____________________

 

Que essa seja a nossa reflexão neste tempo em que, aos poucos, estamos recomeçando as nossas atividades presenciais no trabalho e no âmbito religioso também. Tudo mudou. Que tudo seja novo, dentro e fora de nós.

Vanilton Lima
Missionário da Comunidade Católica Shalom


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *