Formação

O pedaço do Sermão que a Liturgia pulou

O pedaço do Sermão do Batista que a Liturgia pulou

Dom Cristiano Jakob Krapf


Antesde apresentar o João Batista pregando nas margens do rio Jordão umbatismo de conversão para o perdão dos pecados, o Evangelista Lucassitua sua pregação no contexto da história geral do Império Romano e daPalestina.

Depois, o Evangelho apresenta João como  “aquele que grita no deserto: Preparai o caminho do Senhor … , citandoprofecia de Isaias que termina com a promessa que todas as pessoasverão a salvação de Deus. Agora, dois mil anos depois, ainda faltamuito para cumprir a última parte daquela profecia. Quatro bilhões depessoas que vivem no mundo de hoje ainda não conhecem Jesus e seusensinamentos.

Entreo texto de hoje e o texto do evangelho do segundo domingo do adventofalta um pedaço que ficou de fora na reforma litúrgica que reorganizouas leituras dominicais. Em vez de continuar o texto de hoje, oevangelho do domingo que vem começa com a pergunta das multidões: O que é que devemos fazer? Sem conhecer o começo do sermão ficamos sem entender a razão para tal pergunta.  É uma pergunta que toda pregação devia suscitar nos ouvintes: O que é que devemos fazer?

Porque será que a liturgia renovada deixou de fora a primeira parte dosermão de João Batista? Será por causa do radicalismo de suasprovocações? Imaginem um pregador de hoje começando assim o seu sermão:

Raça de víboras! Não pensem que vão escapar do julgamento que vem! Produzi frutos que provem a vossa conversão! Nãopensem que basta dizer que são da Igreja. O machado já está posto àraiz das árvores. Toda árvore que não produzir frutos bons será cortadae jogada no fogo.

Imaginem um pregador a falar a políticos: Bandode corruptos. Não pensem que vão escapar da prestação de contas da suaadministração, neste mundo ou no outro. Deixem de servir-se do poderpara tirar vantagens. Passem a usar o poder para colocar-se a serviçodo povo!

Opregador sabe que nem todo político é corrupto. Sabe que deve apoiar ospolíticos honestos dedicados à sua missão importante. Não podendo tercerteza na distinção entre joio e trigo, o pregador só pode fazersermões genéricos. Se fizer acusações pessoais, corre o risco de serprocessado e cassado. Deve falar em termos gerais e deixar àsinceridade de cada um dos ouvintes a escolha do chapéu que lhe cabe.Para o julgamento terreno existe a justiça terrena que também deveráprestar contas de tudo que faz ou deixa de fazer.

Imaginem um pregador a dizer: Geraçãode adúlteros! Não pensem que poderão justificar seus pecados com amentalidade deste século que tem outros “valores” e se gaba das“conquistas” da libertação sexual. 

Aopinião pública de hoje se acha livre de tabus, mandamentos eproibições. Despreza valores tradicionais como virgindade, castidade,fidelidade. Não vê a beleza de um namoro romântico de jovensque sabem esperar. O problema é saber como apresentar aos jovens dehoje um ideal de vida exigente. Não basta dizer: Não faça isso, não faça aquilo. Em vez de falar da feiúra do pecado que se apresenta atraente, melhor mostrar a beleza da virtude exigente.

Umprograma de televisão quer saber a opinião de representantes dediversas igrejas e religiões sobre sua posição em relação à vida sexualna teoria e na prática do mundo de hoje. Estranhei a falta de firmezados cristãos nas respostas. Parece que ninguém quer lembrar que o sextomandamento continua valendo.

Imaginemum pregador a criticar pessoas que se gloriam de coisas das quaisdeveriam ter vergonha. Se tiver a ousadia de questionar asdemonstrações de orgulho gay, pode ser processado por homofobia. Mas acrítica vale também para o outro lado, para muitos machões que se gabamdas suas conquistas e das suas proezas sexuais.

Seráque no íntimo não sabem que estão errados? Mesmo correndo o risco deescandalizar alguns, vou relatar uma conversa entre homens que alguémme contou: Um começou criticando um padre: Aquele padre não me venha com sermões. Já o vi num motel em booa companhia. Outro perguntou: E você, o que é que estava fazendo no motel? O primeiro respondeu: Eu posso. Não sou padre.  Faloucomo se o sexto mandamento não fosse para todos. Um homem casado quenão se contenta com uma mulher não tem o direito de criticar um padreque não aguenta ficar sem nenhuma.

Tenhominhas dúvidas sobre a sinceridade de muitos que renegam os valoresmorais tradicionais em nome de novos “valores”. Será que existe alguémque pensa mesmo que a traição, a infidelidade e a promiscuidade sãovalores, e que castidade e virgindade não valem nada? Diantede quem me que diz que a virgindade não tem valor, me lembro do ditadosobre o macaco velho que não consegue mais alcançar uma banana e dizque a banana não presta.

Saindodo terreno tranquilo do genérico, devo abordar uma coisa concreta.Festas profanas invadem a madrugada do domingo, até no advento e naquaresma, e na vigília do Natal e da Páscoa. Certas festas sãoverdadeiras escolas de promiscuidade e de alcoolismo e outras drogasque estragam o futuro de muitos jovens.

Ouvidizer que tais festas são bem lucrativas para seus organizadores. Aspiores são aquelas que cobram caro para dar bebida de graça. Até quandovão continuar a favorecer o alcoolismo que fará sofrer não só obebedor, mas esposa e filhos também?

Esperoque o sermão do Batista leve você também a querer saber o que devefazer. O que pode fazer para o mundo onde foi colocado.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *