Formação

O perigo de trocar o importante pelo urgente

A pessoa passa a vida inteira perseguindo mil pequenas coisas para arrumar e nunca acha tempo para as coisas que verdadeiramente incidem nas relações humanas e podem dar verdadeira alegria.

Unsplash

É instrutivo observar quais são os motivos pelos quais os convidados da parábola de Mateus 22, 1-14 se negaram a ir ao banquete. Mateus diz que eles «não se importaram» pelo convite e «foram embora, um ao seu campo, outro ao seu negócio». O evangelho de Lucas, neste ponto, é mais detalhado e apresenta assim os motivos da rejeição: «Comprei um terreno e preciso vê-lo… Comprei cinco juntas de bois e vou experimentá-las… Casei-me, e por essa razão não posso ir» (Lc 14, 18-20).

O que têm em comum estes diversos personagens? Todos os três tinham algo urgente para fazer, algo que não pode esperar, que exige imediatamente sua presença. E o que representa, no entanto, o banquete nupcial? Este indica os bens messiânicos, a participação na salvação alcançada por Cristo e, portanto, a possibilidade de viver eternamente. O banquete representa, portanto, o mais importante na vida, e mais ainda, o único importante. Está claro, então, em que consiste o erro cometido pelos convidados: consiste em abandonar o importante por causa do urgente, trocar o essencial pelo contingente! Pois bem, este é um risco tão difundido e insidioso, não somente no campo religioso, mas também no puramente humano, que vale a pena refletir um pouco sobre ele.

No âmbito espiritual

Antes de tudo, precisamente, no campo religioso. Abandonar o importante por causa do urgente, no âmbito espiritual, significa atrasar continuamente o cumprimento dos deveres religiosos, porque cada vez se apresenta algo urgente para ser feito. É domingo e é hora de ir à missa, mas é preciso fazer esta visita, este trabalhinho no jardim, o almoço da família… A missa pode esperar, o almoço não; portanto, a pessoa se atrasa para a missa e se apressa pra cozinhar.

No âmbito humano

Eu disse que o perigo de abandonar o importante por causa do urgente está presente também no âmbito humano, na vida de todos os dias, e eu gostaria de destacar isso também. Para um homem, é certamente importantíssimo dedicar tempo à família, a estar com os filhos, dialogar com eles se forem grandes e brincar com eles se forem pequenos. Mas no último momento se apresentam sempre coisas urgentes a serem terminadas no escritório, horas extras, e se deixa para outra vez, acabando por chegar a casa muito tarde e muito cansado para pensar em outra coisa.

Vamos adiando o que é importante

Para um homem ou uma mulher, é importantíssimo ir de vez em quando visitar o pai idoso que mora sozinho em casa ou em algum asilo. Pra qualquer um, é algo importantíssimo visitar um conhecido doente para mostrar-lhe seu apoio e fazer algum serviço prático por ele. Mas não é urgente; se você deixar para mais tarde, aparentemente o mundo não vai acabar, talvez ninguém perceba. E assim vamos adiando as coisas.

Acontece a mesma coisa com a própria saúde, que também está entre as coisas importantes. O médico, ou simplesmente o personal trainer, adverte que é preciso se cuidar, tirar um período de férias, evitar o estresse… Respondemos «sim», dizemos que faremos isso com certeza, assim que terminarmos o trabalho, arrumarmos a casa, depois de pagar todas as dívidas… Até que a pessoa percebe que é tarde demais.

Aí está o engano: a pessoa passa a vida inteira perseguindo mil pequenas coisas para arrumar e nunca acha tempo para as coisas que verdadeiramente incidem nas relações humanas e podem dar verdadeira alegria (e, abandonadas, verdadeira tristeza) na vida. Assim, vemos como o Evangelho, indiretamente, é também escola de vida: ensina-nos a estabelecer prioridades, a tender ao essencial. Em resumo, a não perder o importante por causa do urgente, como aconteceu com os convidados da nossa parábola.

Padre Cantalamessa


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *