Formação

O que aconteceu quando Jesus morreu?

Era necessário que Jesus morresse para ressuscitar, pois, sem morte não pode se falar propriamente em ressurreição. Deste modo, a morte de Jesus aparece como peça fundamental para a nossa fé: Se Cristo não morreu, tampouco ressuscitou, e se Ele não ressuscitou, “vã é a nossa fé”.

comshalom

Cristo morreu de fato

A morte de Jesus, antes de mais nada, deve-se entender do modo exato no qual se apresenta, ou seja, de maneira literal: Jesus morreu de fato. Ele não dormiu, ou repousou. Os quatro evangelistas são enfáticos ao constatar a morte de Jesus (cf. Mc 15,37; Mt 27,50; Lc 23,46; Jo 19,28). Também São Paulo, nas suas cartas, a destaca: “Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras. Foi sepultado, ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras”(1 Cor 15,3-4). O próprio sepultamento de Cristo, atestado nas Escrituras, enfatiza a realidade da sua morte. No modo de pensar judaico, o sepultamento é a última etapa da morte. Os três dias no túmulo significam a realidade dessa morte e sepultamento.[1]

Sobre este ponto, resta apenas pôr em relevo que a morte de Cristo é elemento essencial do mistério pascal. Era necessário que Jesus morresse para ressuscitar, pois, sem morte não pode se falar propriamente em ressurreição. Deste modo, a morte de Jesus aparece como peça fundamental para a nossa fé: Se Cristo não morreu, tampouco ressuscitou, e se Ele não ressuscitou, “vã é a nossa fé” (cf. 1 Cor 15,14).

A vitória de Cristo sobre a morte é a maior prova e manifestação da sua Divindade. Ora, Jesus venceu a morte porque a conheceu. No livro do Apocalipse, a constatação da morte de Jesus é constitutiva da sua apresentação como ser divino e vitorioso: “Sou o Princípio e o Fim, o Vivente! Estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos.” (Ap 1,18).

O corpo e a alma de Jesus

Quando Cristo morreu aconteceu o que acontece quando todo ser humano morre: o seu corpo separou-se da sua alma.Para compreender esta noção devemos recordar que, ao encarnar-se, o Filho (segunda Pessoa da Santíssima Trindade) assumiu uma natureza humana na sua totalidade, isto é, um corpo e uma alma racional verdadeiramente humanos. Entretanto, estes dois princípios que compunham a natureza humana de Jesus Cristo não estavam separados da sua divindade, pois, lembremos que Ele era verdadeiro Deus e verdadeiro homem, ao mesmo tempo e por inteiro, sem divisões  – 100% Deus e 100% homem.

Assim sendo, sabemos que o seu corpo era verdadeiramente humano (com as suas necessidades ou defeitos naturais, como comer, dormir, sentir dor, etc.) e, ao mesmo tempo, divino (podia caminhar sobre as águas, transfigurar-se, etc.). Da mesma forma, deve-se afirmar que a sua alma era verdadeiramente humana, isto é, racional e subsistente e possuidora de potências ou faculdades naturais (como apetites sensíveis – Jesus sentiu tristeza e ira-; inteligência –Jesus crescia em conhecimento-; Ele era onisciente –lembrar do encontro com a mulher samaritana-; e sua vontade era a mesma que a do Pai –Jesus, enquanto Deus, queria salvar a humanidade, sabendo que o meio mais conveniente para isso era a morte na cruz).

O que aconteceu quando Cristo morreu?

Ao morrer na cruz, o corpo e a alma de Jesus se separaram. A alma de Jesus continuou sendo humana e divina. Ela continuou existindo –por ser humana, ela era subsistente e racional (como a nossa, que subsiste após a separação do corpo na morte) -, e desceu para a mansão dos mortos, a fim de resgatar aqueles que lá esperavam –isto só foi possível pela sua natureza divina. O corpo de Jesus, que continuou também sendo humano e divino, ficou sem vida, pois, não carecia de uma alma que o animasse. Desta forma, foi sepultado, como atestam as Escrituras.

A Ressurreição

No terceiro dia, o corpo e a alma de Jesus uniram-se novamente: é isso o que chamamos de ressurreição. Aqui o corpo de Jesus voltou a ter vida. É ainda um corpo humano e, ao mesmo tempo, divino. Contudo, agora o corpo não contava mais com as suas necessidades ou defeitos naturais, estava glorificado, isto é, em seu estado pleno e definitivo.

Depois de instruir os seus discípulos, Jesus ascendeu aos céus em corpo e alma. Com este corpo e alma humanos e divinos, o Filho de Deus habita na Trindade por toda a eternidade.

[1] GETTY, Mary Ann. Comentário bíblico (Dianne Bergant; Robert J. Karris).

Retiro de Semana Santa Shalom 2022

 A Comunidade Católica Shalom promoverá o seu tradicional retiro de formação e oração em uma edição híbrida. O encontro acontecerá do dia 14 e 15 de abril  de 2021 e será transmitido pelo Canal no YouTube. Entre os pregadores do retiro, estão Moysés Azevedo e Emmir Nogueira, fundador e cofundadora da Comunidade Shalom. Na programação ainda haverá a tradicional Via-Sacra organizada pelos artistas Comunidade Shalom.

A inscrição para o Retiro de Semana Santa é gratuita, clique no link e faça já a sua inscrição. 

[CLIQUE AQUI e faça a sua inscrição]

Meditações para a Semana Santa 

Meditações para a Semana Santa já está à venda nas Edições Shalom. A obra, que é um auxílio para a boa vivência do espírito litúrgico desse tempo especial, será utilizada pelos participantes do Retiro da Semana Santa 2022, da Comunidade Católica Shalom. Essa edição traz orientações e reflexões para oito dias, do Domingo de Ramos ao Domingo de Páscoa. A semana mais importante para a fé católica será meditada segundo o versículo de Jo 13,34: “Amai-vos como Eu vos amei”.

A cada ano, um novo número da coleção Meditações para a Semana Santa traz reflexões à luz da Palavra de Deus e da Doutrina da Igreja, inserindo o fiel batizado no mistério central da fé católica: a Paixão, a morte e a Ressurreição de nosso Senhor Jesus Cristo.

O livro será usado no Retiro da Semana Santa, da Comunidade Shalom, auxiliando os participantes a acompanhar as pregações e a Via-Sacra, e a tornar concreto o espírito litúrgico de cada dia.

Adquira o livro Meditações para a Semana Santa


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado.