Formação

O que temos feito com os talentos que o Senhor nos confiou?

Na parábola dos talentos, narrada em São Mateus 25, 14-30, Jesus nos mostra que seremos cobrados ao fim da vida por tudo que recebemos e pelo que fizemos. Esta realidade não deve ser motivo de preocupação, mas de reflexão. É preciso identificar em nossas vidas se temos correspondido àquilo que o Senhor nos pede.

comshalom

Ilustrando a passagem de Mateus de forma breve, temos a figura de um homem que reúne seus servos e lhes confia seus bens, pois precisava fazer uma viagem. A um dos servos ele deu cinco talentos; a outro, dois; e a outro, um, segundo a capacidade de cada um. Depois partiu. O talento, no sentido literal, era um tipo de moeda da época. Mas o significado que Jesus busca empregar é outro. Poderíamos comparar o homem com o próprio Deus, que colocando-nos no mundo, nos deu todos os bens para administrarmos, a começar pela própria vida: o maior bem de todos.

O fato é que dificilmente nos damos conta disso. Nas dificuldades do dia a dia, em meio às necessidades que o mundo nos impõe, nós temos a tendência de achar que Deus nos deve algo. Que Ele poderia nos dar mais, e que nada nunca é suficiente. Quando, na verdade, somos nós os devedores. Nós Lhe devemos tudo. Tudo que temos foi Deus que misericordiosamente nos concedeu para que possamos, como narra a parábola, multiplicá-los segundo nossas capacidades. E fica a grande pergunta: o que temos feito com esses talentos que o Senhor nos confiou?

O que temos feito com nossos dons? O que temos feito com nosso corpo? O que temos feito com as pessoas que Deus colocou em nossas vidas? O que temos feito com nosso emprego? O que temos feito com nossos estudos?

Será que, como os servos bons e fiéis, temos trabalhado para multiplicar esses talentos? Ou estaríamos como o último servo, escondendo-os por medo?

Multiplicar os talentos nada mais é do que fazê-los dar frutos. Fazer com que, como filhos, nós honremos nossos pais. Que, como pais, nós eduquemos nossos filhos para a santidade. Que, como trabalhadores, nós possamos ser testemunho para nossos colegas. Que, como vocacionados à santidade, usemos nosso corpo e nossos dons para a glória de Deus. Multiplicar os talentos é, enfim, viver a plenitude da nossa vida, corresponder ao chamado do Senhor com toda nossa vontade.

De fato, não é fácil. É uma luta diária, constante. Mas, como a própria parábola diz, o Senhor nos confiou os talentos segundo a nossa capacidade. Se Ele colocou esses tesouros em nossas vidas, é porque sabia que tínhamos condições de fazê-los frutificar. No mais, precisamos ter sempre nossos corações fixos no fato de que o senhor voltará de viagem e nos predirá as contas sobre seus bens. Ninguém escapará deste encontro. Quando Ele chegar, o que você terá para apresentar ao Senhor?

Que a partir de hoje nós possamos revisar nossa vida e impulsionar nossas forças para sermos melhores ao menos em uma coisa. E, assim, melhorar a cada dia. Pela graça de Deus, multiplicar os talentos que Ele nos confiou, para que ao fim da vida possamos ouvir: “Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor.”

Shalom Recife


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *