Formação

“O significado de ser pai”

comshalom

A imagem do "bom pai", amplamente difundida pelas sociedades de consumo, é a de "provedor": aquele que satisfaz todas as necessidades materiais do lar. Para "que não falte nada aos filhos", trabalha jornadas duplas e ainda nos fins de semana. O pai não consegue satisfazer as necessidades presentes, quando já lhe foram criadas outras. Assim se desgasta febrilmente, sem dar-se um respiro para desfrutar o importante: a experiência única de ver crescer os filhos.

Os pais que conseguiram vencer as tradições atávicas de ser meros provedores, compartilham a alegria na criação dos filhos e falam de "uma nova dimensão na convivência familiar".

Apesar das indignadas rejeições de quem pretende perpetuar o tabu imemorial de que quando o pai se envolve emocionalmente com o filho se torna "suave como uma segunda mãe", e que se participa no cuidado e atenção do filho se converte em simples "cuidador", cada dia são mais os pais presentes na sala de cirurgia no dia do nascimento de seus filhos, nos cursos pré-natal e de pós-parto para capacitar-se no cuidado do bebê.

Dois são necessários para gerar um filho. Também se necessitam de dois para seu desenvolvimento. A intuição feminina permite à mãe estabelecer uma comunicação com o filho vital desde o momento mesmo de seu nascimento. Interpreta os sinais de temor na infância e com mesmos o tranqüiliza e conduz suavemente.

A voz do pai é de vital importância: dá segurança, confiança no porvir, estabelece os limites da conduta infantil, e fecha o círculo do amor que deve rodear a criança. O pai proporciona um elemento único e essencial na criação do filho e sua influência é poderosa na saúde emocional. A mãe lhe diz: "com cuidado", e o pai lhe diz "um mais", ao estimular o pequeno a subir outro degrau para que chegue acima, Juntos, tomados da mão, pai e mãe guiam ao filho no caminho da vida.

O pai de hoje se abre às necessidades mais sutis do filho: as emocionais e as psíquicas. Transcende a preocupação de si mesmo e suas ocupações, e consegue ver o filho em seus próprios termos. Propicia o ambiente que lhe permite o desenvolvimento de seu potencial em um marco e liberdade responsável, não de dominação.

Não se detém na periferia, mas conhece o filho de perto. Guia-o sem agressividade, com firmeza motivada e racional, pelo caminho dos valores que deseja lhe passar. O pai de hoje se deu permissão para ver com olhos de amor o filho de suas entranhas. Adverte no filho, mais além das limitações presentes, o cúmulo de possibilidades que está por realizar. E a seu lado goza cada momento de seu desenvolvimento.

*De acordo com a publicação arquidiocesana, o pai "se distingue pela preocupação pelo bem-estar dos seus". O dia do Pai "é uma data para refletir sobre o que significa ser pai na atualidade e as responsabilidades que isso implica".


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *