Formação

Por que não me sinto amado?

O sentimento de rejeição é destrutivo; faz-se necessário refletir a motivação disso e, à luz de Cristo, reconhecer-se no amor.

comshalom

A pessoa que não se sente amada sofre muito. O sentimento de rejeição é destrutivo e diabólico. Não é possível viver sem amor. Paga-se um preço muito alto com carências, desequilíbrios, ciúmes, invejas, compensações, doenças e todo tipo de protesto.

Vamos refletir sobre alguns sofrimentos de quem não se sente amado.

1 – A pessoa não amada é agressiva

Sabemos que a pessoa agressiva quer chamar atenção, buscando ser valorizada, elogiada, reconhecida como pessoa. Agressividade é um jeito infeliz de querer ser amado. São muitas as formas de agressão, desde o grito ou o silêncio amarrado, a indiferença até o desprezo da vida através de drogas, álcool, doenças de todo tipo.

Fazer uma experiência de Amor na oração

Como é importante amar e ser amado. Precisamos fazer a experiência de que Deus nos amou primeiro, nos ama sem medidas e nada afasta Seu amor por nós. Ele tem ciúmes de nós. Carrega nossos fardos, confia em nós mesmo quando erramos. Deus não se cansa de amar. Quem descobre o amor de Deus vai saltar de alegria e mudar de vida.

2 – A pessoa não amada é possessiva

Quer apossar-se de pessoas e coisas. É escrava dos apegos, ciúmes e dependências. Passa por muita decepção. Tem a mania de dominação e manipulação dos outros. Sofre a fome de atenção, de amizade, de comunicação. Vive numa prisão afetiva e num ateísmo afetivo, porque não acredita e não aceita que é amável. Sente-se culpada por não saber amar.

Vencendo a possessividade

Podemos vencer a possesividade com a autoestima. A descoberta do nosso lado de luz, dos nossos dons. Existimos porque somos amados, ou seja, porque Deus nos quis, nos desejou: “Eu sou um desejo eterno de Deus que hoje existe”. Minha existência é uma “existência amada” por Deus” (Sta. Catarina de Sena). Estamos envolvidos no amor de Deus. É preciso descobri-lo e sintonizá-lo. Aceitar que somos aceitos, crer que somos amados, é o caminho da libertação.

3 – A pessoa não amada é depressiva

Curte o vazio, o peso da vida sem sentido. Facilmente cai no negativismo, na tristeza, ansiedade e angústia. Focaliza o lado negativo. Eis o desgosto, o desinteresse, a apatia, a baixa-estima. Disso, surgem os estresses, o cansaço e depreciação.

Como ajudá-las?

Estas pessoas se recuperam com nossa compaixão, paciência e compreensão. Precisam de nossa amizade. Quando descobrem que Deus sofre com elas para tirá-las do sofrimento, saem de si e encontram o gosto e alegria de viver. Pequenos gestos para elas têm alto preço e aceitação.

4 – A pessoa não amada é insegura

Por não se autovalorizar, é vitima do medo, das críticas, dos julgamentos. A insegurança bloqueia toda criatividade e leva à timidez. Para elas é difícil pegar o ônibus, ir a uma festa, assumir alguma responsabilidade. Atrofiam suas potencialidades, são indecisas, “morrem na sala de espera”. Os outros são endeusados, invejados, enaltecidos demais. Tudo isso contribui para que a “dor existencial” seja ainda mais cruel.

Como vencer a insegurança?

Três amores salvam estas pessoas: o amor de si através das qualidades e vitórias, a amizade sincera e a descoberta que Deus as quer bem: “Eu te amo como tu és”, eis o que elas devem ouvir. Só os amados mudam. A aceitação de si é um ato de humildade e de verdade. Deus é força dos fracos. É oleiro que refaz o vaso. É o amante que nunca vai embora.

5 – A pessoa não amada é desconfiada

Sem confiança é difícil a comunicação. A desconfiança bloqueia a fé em si, nos outros e em Deus. Tudo é perigo, ameaça, perseguição, azar, fatalidade. Os outros são vistos como exploradores, indignos, maliciosos, interesseiros. A desconfiança obriga ao afastamento, à solidão, ao isolamento. A pessoa desconfiada vive sempre armada.

Viver a gratidão e o louvor!

Estas pessoas serão ajudadas pela gratidão e atitude de louvor por tanto bem, vitórias e sucessos que experimentaram, graças à ajuda dos outros. O outro é irmão, sem o qual não posso existir. Tudo na vida é interação, interdependência. Amar é crer nos outros.

6 – A pessoa não amada é doentia

Doença aqui é compensação, necessidade de afeto, procura de carinho. Um toque, um abraço, uma saudação e um elogio fazem milagres na vida destas pessoas.

Amá-las

Confiar-lhes responsabilidades é um bom remédio, como também todo acolhimento, atenção, apreciação. Sentem-se amadas pelos pequenos gestos de simpatia, gratidão, reconhecimento. Nada melhor para elas que amizade verdadeira. Eis a terapia: o amor constrói, cura, recria e tudo sofre, tudo crê, tudo espera.

Livro Tecendo o Fio de Ouro

De uma forma ou de outra, todos os santos falam da necessidade do autoconhecimento para chegar ao Deus verdadeiro, como também dos perigos que a falta de conhecimento de si representam para a vida espiritual, para a maturidade humana e capacidade de amar.

É este também o princípio do livro, que propõe um retiro para o autoconhecimento e a cura interior, tocando em questões cruciais como a identidade sexual e o discernimento da vocação pessoal (estado de vida) e, chegando à proposta do Projeto Pessoal de Vida, como via concreta para uma vida mais santa e madura, direciona para a caridade.

É indicado para todas as pessoas que desejam crescer no autoconhecimento, aprofundar-se na cura interior e reorientar todas as áreas do seu ser segundo o amor. É indicado, ainda, para cursos intensivos ou semanais visando o autoconhecimento, a cura interior e o projeto de vida, sempre com vistas ao amor. Logo após a introdução ao livro, fornecemos sugestões para a aplicação do presente livro individualmente ou em grupos.

Adquira o seu [AQUI]

Dom Orlando Brandes

 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *