Shalom

O trabalho como forma de evangelização

Enfermagem é a arte de cuidar incondicionalmente, é cuidar de alguém que você nunca viu na vida, mas, mesmo assim, ajuda e faz o melhor por ela. Leia mais sobre Victoria, uma enfermeira que transborda do Carisma Shalom para humanidade.

comshalom

Hoje é o Dia Internacional dos Enfermeiros ou Dia do Enfermeiro. Esta data homenageia o trabalho e o auxílio dado pelos enfermeiros e enfermeiras para a proteção da saúde. Estes profissionais são essenciais para garantir a recuperação e salvamento de vidas em perigo, seja nos hospitais ou demais instituições que necessitam da assistência contínua de cuidados médicos.

A palavra “enfermeiro(a)” compõe-se de duas palavras do latim: “nutrix”, que significa “Mãe”; “nutrire”, verbo que tem como significados “criar” e “nutrir”. Essas duas palavras, adaptadas ao inglês, acabaram transformando-se na palavra nurse, que traduzido para o português significa “enfermeira”.

A enfermagem é uma arte, e o principal instrumento é a dedicação e o carinho pela vida humana. Há quem chame os enfermeiros de anjos da guarda, pois estão sempre perto das pessoas que precisam, vigiando e cuidado das fragilidades com muita prontidão.

Neste mês tão maternal, já conciliando com esta data de hoje, vejamos um breve relato da enfermeira Victória Cristina de Paula Costa Ponte, 36 anos, que entrou na Obra Shalom em 2002 e, na Comunidade, em 2005 (há 16 anos). Consagrada na Comunidade de Aliança, mãe de três filhos e enfermeira há 13 anos, conta: “ser enfermeira e ser Shalom é ter a oportunidade de tocar no irmão que sofre e, a partir daí, mostrar o amor de Deus através do meu agir, das minhas mãos, voz, colo ou do olhar. Não que eles procurem em mim um cuidado, mas procuram um Deus que habitam em mim, na minha consagração, e depois nas promessas definitivas. Como consagrada, fiz uma promessa e essa promessa não é para mim, é para a humanidade, sou só o instrumento.”

Victória trabalha em um hospital psiquiátrico e, na realidade da saúde mental, ela nota, como neste tempo de pandemia, as pessoas sentem-se ainda mais vulneráveis, medrosas, inseguras e acabam apresentando sintomas de depressão, síndrome do pânico e ansiedade, por vezes, precisando de todo o tratamento necessário adquirido pelas enfermidades.

Eu [como missionária e enfermeira], posso cuidar, ajudar, evangelizar falando; quando não posso falar, evangelizo com ações, com olhares, nas pequenas palavras. Carrego um sinal visível para as pessoas de uma graça invisível que Deus me deu. Minha presença lá já muda o olhar das pessoas, é o meu chamado. É onde Deus me chama e eu me dou. O mesmo ocorre na minha entrega de vida na célula, para com os meus filhos, meu marido…  eu me doo para o mundo. Somos chamados a evangelizar, eu posso pobremente contribuir.

Da forma como São Francisco de Assis ensina, quando afirma “evangelize, se necessário, use palavras”, neste tempo, a enfermeira consegue, mesmo sem falar e mostrar o sorriso que as máscaras escondem, ser aurora a tantos que se veem nas trevas. E ainda contempla o cuidado de Deus, neste caminho, que ainda pode ser longo, contra todo esse vírus.

Mesmo não sendo o curso que sonhava estudar, foi nesta profissão que Deus a chamou para ser sal da terra e luz do mundo. Ela afirma que ser enfermeira é um presente de Deus. “Sou lembrada para que vim, a quem me consagrei, a quem dou minha vida. Minha consagração passa pela minha profissão, e minha profissão passa pela minha consagração. Fui criada para ser filha de Deus, Shalom, mãe, consagrada com votos definitivos, enfermeira. É a partir da minha profissão que posso tocar na humanidade. Sou feliz pela coerência de vida que Deus me chama a ter, mesmo na minha fraqueza e na minha infidelidade, uma coisa complementa a outra.”

Nossa gratidão a todos os enfermeiros e demais profissionais de saúde, que estão sendo verdadeiros heróis neste tempo de pandemia. Vocês que, com tanto amor e zelo, contagiam com seus cuidados e representam a forma como Deus ama aos que estão sofrendo.  Que São Camilo de Lellis, patrono dos enfermeiros, possa interceder por vocês, hoje e sempre.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *