Formação

O trabalho como via de santificação

No calendário civil, o dia 1° de maio é marcado como o dia dos trabalhadores; para nós, católicos, este dia representa algo maior, nele fazemos memória a São José Operário.

comshalom

Instituída pelo Papa Pio XII, a festa de São José Operário celebra aquele que é considerado como o padroeiro dos trabalhadores. Homem forte e diligente, ele foi o responsável por sustentar e proteger a Sagrada Família, sendo para nós o exemplo de como usar o trabalho para a nossa própria santificação.

Foi através de seu humilde ofício de carpinteiro que São José formou Jesus, ensinando-Lhe o valor do serviço. Assim, no dia a dia, pôde glorificar a Deus em sua missão de esposo, pai e trabalhador. E também nós, sendo chamados à santidade, devemos santificar todas as áreas de nossas vidas, inclusive o trabalho. Mas como fazer isso?

A finalidade do trabalho

Não basta somente trabalhar. A grande chave está na finalidade de nosso trabalho. Padre Paulo Ricardo diz que a santificação se dá quando colocamos em Cristo o porquê e a razão de ser de nossas vidas. Ou seja, se quisermos ser santos através de nosso trabalho, precisamos colocar Deus como seu fim último. É lícito que desejemos também o dinheiro, pois é através dele que podemos prover as coisas necessárias da vida; mas se o colocamos como objetivo principal, não podemos provar da experiência de glorificar a Deus através do nosso trabalho. São Josemaria Escrivá nos exorta: “Põe um motivo sobrenatural na tua atividade profissional de cada dia, e terás santificado o trabalho.”

Infelizmente há três males no exercício da profissão que são constantemente incentivados pela mentalidade mundana: a ganância, a preguiça e a desonestidade. Dizem que o normal é tirar vantagem sobre os patrões, passar por cima dos colegas, trabalhar o mínimo possível e prestar um serviço mal feito. Tudo isso porque existe uma ideia totalmente errada sobre o trabalho, como se este fosse algo ruim, um castigo. Sobre isso Catecismo da Igreja Católica nos diz: “O trabalho não é uma penalidade, mas sim a colaboração do homem e da mulher com Deus no aperfeiçoamento da criação visível”. Por isso, como cristãos, não podemos nos deixar levar por esses “conselhos” do mundo. A nossa marca deve ser a diligência, a honestidade e a caridade, tal como o belo exemplo de São José.

Fonte de amor

Não nos esqueçamos de que, antes de tudo, nosso ofício é fonte de amor para os outros. Seja amor à nossa família, por quem nos esforçamos; seja amor aos colegas, para quem temos a oportunidade de ser luz e testemunho; seja por amor àqueles a quem atendemos, aos quais devemos nosso cuidado e atenção. Em todas essas dimensões o amor ao próximo se faz presente, e, consequentemente, o amor a Deus. No simples ato de cumprir bem os deveres, dando-lhes uma nova finalidade, glorificamos nosso Criador.

Seja na atividade profissional, nos trabalhos domésticos ou até mesmo nos estudos, nosso fim último deve ser a santidade. Que olhando para o exemplo do diligente trabalhador São José, nós possamos traduzir cada ato de nossas profissões em amor e louvor a Deus.

Reflexões de São Josemaria Escrivá para este dia

“Não é possível esquecer que o trabalho humanamente digno, nobre e honesto, pode – e deve! – ser elevado à ordem sobrenatural, passando a ser uma ocupação divina.”

“Qualquer trabalho, mesmo o mais escondido, mesmo o mais insignificante, oferecido ao Senhor, traz a força da vida de Deus!”

“Estudo, trabalho: deveres ineludíveis para todo o cristão; meios para nos defendermos dos inimigos da Igreja e para atrairmos – com o nosso prestígio profissional – tantas outras almas que, sendo boas, lutam isoladamente. São arma fundamentalíssima para quem queira ser apóstolo no meio do mundo.”

“As tarefas profissionais – o trabalho do lar também é uma profissão de primeira grandeza – são testemunho da dignidade da criatura humana; ocasião de desenvolvimento da própria personalidade; vínculo de união com os outros; fonte de recursos; meio de contribuir para a melhoria da sociedade em que vivemos e de fomentar o progresso da humanidade inteira… – Para um cristão, estas perspectivas alargam-se e ampliam-se ainda mais, porque o trabalho – assumido por Cristo como realidade redimida e redentora – se converte em meio e caminho de santidade, em tarefa concreta santificável e santificadora.”

São José Operário, rogai por nós!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *