Formação

O verdadeiro amor cristão

comshalom

caridadeO Mestre divino após ter solenemente  promulgado o mandamento novo ( Jo 13,34), renovou esta doutrina do amor  que chamou o seu preceito: “Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei” (Jo 15,12). Isto porque a caridade é a essência mesma de sua religião. Ao determinar isto a seus seguidores Jesus oferecia a perene solução para todos os problemas sociais, políticos e econômicos.

Apareceriam as maravilhas de toda esta imensa seara de bens que honra a civilização cristã. Multiplicar-se-iam as entidades caritativas, os gestos de afeto, a ajuda oportuna, o consolo ao sofredor, o lenitivo aos clamores dos deserdados, o amparo aos excluídos da sociedade. Creches, asilos, lares dos anciãos, obras sociais, tudo resultado deste amor inspirado no Cenáculo.  É este amor que vaporiza lágrimas amargas com palavras oportunas.

Arranca espinhos dos corações feridos. Dulcifica a dor que despedaça o irmão aflito. Alivia a fome, a sede  de quem padece tais males. Esta dileção torna quem a possuir âncora, farol, tábua  de salvação  para o próximo. Esta caridade  transparece não apenas num gesto caritativo, numa esmola eventualmente dada, em atitudes episódicas.

É um modo de ser e de agir que impregna as minudências do relacionamento com os outros, impregnando de brandura os encontros cotidianos. Multiplica atenções, instaurando uma cadeia de ações em prol dos mais necessitados. Preluz a cada instante na pronta ajuda a qualquer pessoa, na delicadeza do trato mútuo, no respeito diuturno, na boa palavra, no interesse constante, nas solícitas atenções. Penetra e encanta, perfuma e enternece as mentes mais agressivas, dado que ela desarma os espíritos e irradia inebriante serenidade.

Leva à compreensão dos conflitos existenciais do outro, o qual, cativo por ela, repensa suas atitudes e acerta os passos de sua turbulência, deparando então a ordem interna. Fecundante e infatigável até à heroicidade esta dileção cristã opera assim maravilhas.  Na História da Igreja  monumentos mais grandiosos foram sempre os edificados e cinzelados pelo amor fraterno. Extraordinários os heróis por ele plasmados. Cosme e Damião a se dedicaram aos enfermos, curando as enfermidades mais rebeldes.

Pedro Claver entre pobres africanos, transportados para a América, passa sua vida  amando e  instruindo estas vítimas da ignóbil escravidão. Luís Gonzaga que na flor dos anos morre de uma enfermidade haurida no amparo às vítimas de terrível epidemia. Roque, senhor de grande riqueza, que se faz mendigo entre os mendigos. Francisco de Assis a abandonar seus bens e a se fazer semelhante aos deserdados da fortuna a eles se dedicando com grande amor.

Vicente de Paulo a maior figura do século XVIII que se torna o mais ilustre entre os ilustres de seu tempo pela sua dedicação aos pobres. João de Deus, o fundador dos Irmãos hospitaleiros,  ordem admirável a socorrer os doentes. Luiza de Marillac, cuja única preocupação era servir os mais humildes. Catarina, rainha da Suécia, a visitar todos os dias os hospitais, cuidando pessoalmente dos que sofriam graves moléstias. Gotrão, rei de Borgonha, especialista em dar esmolas, dizendo sempre que esta é uma das maneiras para expiar pecados. Camilo de Lelis, que se fez o modelo dos enfermeiros pela dedicação aos sofredores nos hospitais.

Estes, alguns entre milhares, descendentes de uma geração gloriosa formado à luz do mandamento do amor e que tinha insculpido no frontispício das primeiras Igrejas o grande lema dileção fraterna: cor unum et anima una – um só coração e uma só alma. Geração que se prolongaria através dos séculos na maravilhosa História desta Igreja a qual conciliaria sempre a máxima grandeza individual da personalidade humana com o máximo de sua eficiência social.

Neste preceito de Jesus se firma para sempre a superioridade social do cristianismo. Entreabre-se um campo ilimitado ao amor e à dedicação sobretudo aos excluídos. Alicerça-se, sólida e admiravelmente, a genuína solidariedade. A caridade é obra prima do gênero humano regenerado pelo sangue de um Deus.

É o que há de mais nobre nas elucubrações da inteligência e o que existe de mais glorioso nos eflúvios do coração. O modelo é o próprio Cristo: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”. Ele nos amou até o fim lá no Calvário consagrou admiravelmente seu mandamento supremo.

 

Côn. José Geraldo Vidigal de Carvalho

 

Formação: Junho/2012

12.03João Paulo II afirmou na quarta-feira de cinzas do ano de 1988: “Para nos recordar que ‘nas suas chagas fomos curados’ (Is 53,5) e suscitar em nós o horror ao pecado, a Igreja convida-nos a fazer muitas vezes, durante a Quaresma, a piedosa prática da Via-Sacra.” Com o desejo de colaborar em sua caminhada de conversão nesse período, as Edições Shalom lançam este livro: uma coletânea de meditações sobre a Via-Sacra a fim de que você possa, sempre que desejar, contemplar o mistério da Paixão e Morte do Senhor e, assim, configurar-se mais a Ele.

Adquira o seu [AQUI]


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *